Alimentos e Bebidas

WellFood: Cresce a demanda global por ingredientes funcionais

Quimica e Derivados
28 de março de 2019
    -(reset)+

    Química e Derivados, Cresce a demanda global por ingredientes funcionais e mais saudáveis na alimentação
    Química e Derivados, Cresce a demanda global por ingredientes funcionais e mais saudáveis na alimentação

    A Pesquisa Global de Saúde e Bem-Estar da Nielsen, publicada em janeiro de 2015, entrevistou mais de 30 mil pessoas em 60 países em toda a Ásia-Pacífico, Europa, América Latina (Brasil, inclusive), Oriente Médio, África e América do Norte por meio das quais identificou significativas mudanças no comportamento dos consumidores em relação aos alimentos. Entre os dados mais relevantes estão a preferência por produtos naturais, minimamente processados e a busca por ingredientes benéficos que ajudam a combater doenças e promovam a boa saúde. O relatório mostra também que os atributos de saúde são mais importantes para os entrevistados dos mercados emergentes (América Latina e Ásia), particularmente os mais jovens, que se dizem dispostos a pagar mais por itens que tragam benefícios nesse sentido. A pesquisa (disponível na Internet) também apontou que os fabricantes estão reformulando seus produtos, visando eliminar ou reduzir açúcar, teor de gordura saturada e sódio, introduzindo mais fibras e ingredientes funcionais. “Há uma grande oportunidade para a indústria de alimentos e varejistas liderarem um movimento saudável, fornecendo produtos e serviços que os consumidores querem”, disse Susan Dunn, executiva vice-presidente de Serviços Profissionais Globais da Nielsen.

    Seguindo esta tendência, a feira WellFood Ingredients, que acontece nos dias 3 e 4 de abril no Centro de Exposições Pro Magno, em São Paulo, tornou-se o principal centro de conhecimento e negócios voltados ao mercado de ingredientes funcionais e saudáveis para a indústria alimentícia e nutracêutica. Em sua segunda edição, o evento tem como principal atração o Congresso Internacional WellFood Ingredients, que aborda tecnologias, regulamentações e comunicação de produtos, embasado nas novas tendências mundiais.

    Organizada pela Koelnmesse Brazil e com apoio do Ital – Instituto de Tecnologia de Alimentos, órgão da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, a conferência apresentará, na manhã do dia 3, soluções para agregar novas funções aos alimentos tradicionais e na parte da tarde, apresenta ferramentas como o desing thinking, conjunto de ideias e insights que visam inovar a indústria de ingredientes, alimentos funcionais e suplementos alimentares. No dia 4 de abril, discutirá como a indústria tem reagido às tendências de compostos bioativos, probióticos e fitoterápicos no combate ao envelhecimento e à obesidade e, no último painel, tratará sobre a promoção correta dos ingredientes funcionais, nutracêuticos e suplementos alimentares em consonância com a legislação brasileira.

    A seguir, Eduardo Sanches, gerente de projetos da WellFood, fala sobre suas expectativas para esta edição.

    QD: Qual o papel desse evento no fortalecimento da indústria nacional no segmento?

    Eduardo Sanches: WellFood Ingredients surgiu em 2017 das necessidades do mercado alimentício em atender aos consumidores que buscam alimentos mais saudáveis, especialmente os funcionais, nutracêuticos e naturais. O objetivo é apresentar ao mercado a importância desse segmento da indústria para a melhoria da nutrição e saúde da população brasileira, demonstrando exemplos práticos. Assim como na primeira edição, a organização da conferência terá apoio do Ital (veja box). A nova programação, porém, tem o suporte de um produtor/consultor exclusivo egresso do setor de ingredientes. Assim como na edição anterior, o WellFood será palco da conferência Building Healthier Brands (BHB), realizada pela consultoria Equilibrium.

    Química e Derivados, Eduardo Sanches, gerente de projetos da WellFood

    Eduardo Sanches, gerente de projetos da WellFood

    QD: Como o conceito clean label (rotulagem limpa), que preconiza alimentos sem aditivos, pode motivar as indústrias a produzirem itens à base de orgânicos?

    Eduardo Sanches: Hoje, o consumidor possui um olhar mais completo em relação às suas escolhas, considerando todos os impactos que uma compra pode trazer. Além de um alimento orgânico manter as características nutricionais naturais, favorecendo a saúde das pessoas, esse tipo alimento apoia uma sociedade justa e equilibrada, onde os impactos sociais gerados por uma determinada produção são positivos para o todo. Segundo a nossa parceira Equilibrium, consultoria especializada em Health Marketing, os consumidores têm priorizado a compra de alimentos orgânicos ou industrializados que apresentem um rótulo clean label, o que significa que ele quer ler a lista de ingredientes e entender o que ele contém. Em outras palavras, ele quer encontrar os mesmos ingredientes que estão em sua cozinha.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *