Equipamentos e Máquinas Industriais

Tubos – Produção cresce, mas a importação também

Rose de Moraes
15 de março de 2012
    -(reset)+

    Nessas condições operacionais, somente os tubos inox e os PRFV são capazes de suportar tamanha agressividade. Os tubos de PRFV também atuam nos sistemas de combate a incêndio por constituir o material que mais resiste às chamas antes de entrar em colapso.

    Hoje, são os grandes projetos e as expansões nas indústrias sucroalcooleiras, de papel e celulose, de fertilizantes e de cloro-soda os que mais demandam tubos de PRFV. Entre os grandes projetos que contam atualmente com fornecimento da Tecniplas, Correa destaca a participação da empresa na construção de uma das maiores fábricas de celulose do país, a Eldorado, do grupo JBS, em Três Lagoas-MS.

    O aquecimento na demanda por tubulações nas indústrias motivou a empresa a fazer um grande investimento na mudança da fábrica para nova área com terreno 30% maior (30 mil m²), mas no mesmo município. Até o próximo mês de maio, a Tecniplas deverá ocupar as novas instalações da fábrica, que contará com galpão industrial maior, de 6 mil m² e mais bem equipado. “Temos colocado nos últimos meses um grande volume de propostas para a execução de vários projetos e acreditamos que 2012 será um ano muito bom para a concretização de vários negócios”, considerou Correa.

    Veja mais: Tenaris investe em capacitação

    A Tenaris inaugurou recentemente em Pindamonhangaba-SP a sede da TenarisUniversity, centro de capacitação de funcionários, fornecedores e clientes, no qual foram investidos U$S 7 milhões na construção e na compra de equipamentos. Trata-se do quarto empreendimento desse tipo da empresa no mundo, que possui unidades na Itália, México e Argentina. A proposta é promover a excelência em capacitação, inovação e desenvolvimento de produtos e de processos.

    A empresa também está instalando um centro de pesquisa e desenvolvimento na Ilha do Fundão, no Rio de Janeiro, com início de operações previsto para o segundo semestre de 2013, voltado ao desenvolvimento de produtos e de tecnologias para OCTG,linepipe e outros mercados – automotivo, nuclear e mineração. Entre os produtos e técnicas que contarão com maior atenção estão as conexões premium e as tecnologias de soldagem (longitudinal e circunferencial), bem como os revestimentos diferenciados (clad, poliméricos e orgânicos), além da pesquisa e desenvolvimento de produtos de alta resistência ao colapso e à corrosão. Para implementar a área de pesquisas, a empresa mantém acordo de cooperação com a Coppe/UFRJ para a qualificação de tubos e utilização de laboratórios de ensaios não-destrutivos para o desenvolvimento de soldas circunferenciais aplicadas a tubos submarinos de alta resistência (X70 e X80), e de tecnologia submarina para o desenvolvimento de tubos soldados com alta resistência ao colapso, para aplicações em poços de petróleo (OCTG).

    A empresa investe anualmente US$ 9 milhões em pesquisa e desenvolvimento tecnológico, com a finalidade de corresponder às expectativas e demandas como as do pré-sal. Em conjunto com a Coppe/UFRJ, a empresa já desenvolveu vários trabalhos, como a aplicação da radiografia digital para armazenar dados estruturais de tubos e tubos com estrutura sanduíche com isolamento térmico para aplicações em águas profundas. A empresa também investiu cerca de R$ 27 milhões na construção de um pavilhão industrial na fábrica de Pindamonhangaba-SP. As obras deverão estar concluídas em novembro deste ano e permitirão aumentar em 25% a capacidade de produção de equipamentos (vasos, reatores, caldeiras, fornos) e de seus componentes, com pesos unitários até 80 toneladas, para fornecimento aos setores de petróleo, petroquímico, energia e celulose.

     

     



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *