Tratamento de Superfície – Montadoras e construtoras puxam a demanda

Segundo Barbieri, assim como os fornecedores do setor, também as empresas dedicadas à aplicação das técnicas da galvanoplastia buscam hoje uma atuação mais sustentável, por exemplo, substituindo cromo hexavalente pela trivalente em aplicações como chuveiros e torneiras. Mas o investimento dessas empresas em sua própria estrutura produtiva foi bastante reduzido: “Antes da crise, elas estavam destinando recursos a equipamentos de automação, mas no atual momento seus investimentos diminuíram a um patamar muito baixo”, lamentou.

Dados de 2005, apontados por Barbieri, revelavam a existência no Brasil de aproximadamente 4,6 mil empresas no ramo, nas quais trabalhavam mais de 52 mil pessoas. Segundo ele, há muitas empresas que atuam às margens da legislação ambiental. Elas se valem de práticas comerciais pouco éticas, assim como clientes interessados em trabalhar com elas para obterem preços mais baixos. “Mas a tendência é o cliente aumentar as exigências relativas a processos com tecnologias mais sustentáveis, buscar fornecedores que atendam às normas ISO 9000 e ISO 14000, e tenham preços mais baixos. No atual cenário, é uma equação bastante desafiadora”, finalizou o vice-presidente do Sindisuper.

Leia também: Galvanoplastia perde espaço para processos alternativos
Leia também: Nanotecnologia ameaça substituir fosfatização

Página anterior 1 2

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios