Tintas e Revestimentos

Tratamento de superfície: Atento ao ritmo dos negócios, setor incorpora inovações em todas as etapas do processo

Antonio C. Santomauro
18 de dezembro de 2017
    -(reset)+

    Processos e possibilidades – Em sua estratégia de ampliação das possibilidades de geração de negócios, a Super Finishing hoje inclui também a oferta, em parceria com a empresa norte-americana Sifco, do serviço de brush plating (reparos localizados), que permite reparar o tratamento de peças apenas nas partes danificadas (o reparo pode até ser feito na planta do usuário do equipamento). Também ganha espaço nos negócios dessa empresa o processo da anodização dura (que, diferentemente da anodização convencional, agrega dura dureza e resistência ao alumínio). “A anodização dura permite fazer do alumínio matéria-prima de peças estruturais de automóveis e de máquinas, como pistões, buchas, cabeçotes e calibradores de extrusoras”, detalha Silva.

    Química e Derivados, Disco de empacotadora com liga de Níquel-Lub

    Disco de empacotadora com liga de Níquel-Lub

    Bombonati, da Atotech, fala em desenvolvimento de novas ligas – sempre a partir do zinco –, que reduzem a possibilidade de fragilização das peças pelo processo de hidrogenização que pode ocorrer em processos sujeitos à decapagem, e nos processos alcalinos de zinco puro, como conseqüência da inclusão de hidrogênio no substrato.

    Química e Derivados, Pistão de bomba com níquel duro químico e alto teor de fósforo

    Pistão de bomba com níquel duro químico e alto teor de fósforo

    As ligas de zinco, relata o profissional da Atotech, são hoje as mais demandas pela indústria automobilística em sua busca por peças cada dia mais resistentes e ao mesmo tempo mais leves. Entre elas, destaca-se a liga de zinco e níquel, a mais utilizada nesse setor. “No Brasil, o mercado das ligas de zinco e níquel está bastante maduro, no mesmo nível daquele existente em outros países; ao menos no quesito produtos, pois nos processos dos aplicadores ele ainda pode evoluir bastante”, diz Bombonati.

    Mas também os processos dos aplicadores vêm evoluindo, afirma Maria Aparecida, da IQBC. Por exemplo, com o uso em maior escala de tecnologias como banhos rotativos e retificadores inteligentes (o retificador controla o envio da energia elétrica para o tanque e sua versão ‘inteligente”, além de economizar energia, promove depósito mais uniforme e reduz o tempo do processo, podendo inclusive ser controlado por um CLP em uma linha automática de produção). “Os tanques, que antigamente eram feitos de ferro e revestidos com PVC, têm sido trocados por tanques de aço inox, mais resistentes”, acrescenta Maria Aparecida.

    Química e Derivados, Anel de prata utilizado na indústria de óleo e gás

    Anel de prata utilizado na indústria de óleo e gás

    Segundo ela, para proteger o meio ambiente e os trabalhadores, também cresce nos processadores a implantação de sistemas de lavagem de gases, ou de outros métodos de exaustão.“E há tratamento e reúso de água por meio de troca iônica; além da economia primária com esse componente de grande peso no custo de produção, isso reduz os custos com tratamento de efluentes e minimiza o descarte de substâncias nocivas no meio ambiente”, complementa a profissional da IQBC.

    No segmento do tratamento de plásticos – dominado pela resina ABS, geralmente tratada com cromo trivalente –, a evolução, relata Zanini, da ABTS, permite não apenas a presença de mais plásticos em veículos, mas também de peças plásticas com acabamentos diferenciados: aveludado, ou fumê, entre outros. A mesma indústria automobilística, concedendo mais atenção aos carros elétricos, começa a exigir novas tecnologias de tratamento, especialmente para as baterias, um dos principais gargalos do processo de desenvolvimento desses veículos. “Na área das baterias, as pesquisas já indicam a consolidação de tecnologias como a deposição química de prata”, exemplifica Zanini.



    Recomendamos também:








    Um Comentário


    1. NILO C PAULI

      Mesmo com tanta tecnologia o segmento de Galvanoplastia na ultima decada sofreu um encolhimento muito grande, isso em virtude da facilidade das importações de produtos ja acabados a preços muito muito baixos frente ao custo Brasil, sem contar com a substituição dos processos eletrolitos por pintura e plasticos ja pigmentados, agora tambem surge com muita ferocidade o PVD que muitas empresas estao começando a usar.



    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *