Logística, Transporte e Embalagens

Transporte: Transporte químico combina modais para cortar custos

Marcelo Fairbanks
3 de fevereiro de 2001
    -(reset)+

    A possibilidade de transportar lotes menores do que a cabotagem é apontada pela FCA como vantagem comparativa. Volumes de 250 t, que correspondem a cinco vagões, quantidade que já justifica escalar uma locomotiva para rebocá-los, são suficientes para viabilizar um embarque. Sobre valor de frete, a FCA alega que não pratica uma tarifa padrão, por isso prefere nada falar. “Cada cliente é um contrato único”.

    Se o cliente, a exemplo da Deten, Ciquine, Fafen-BA e Caraíba Metais, for dono de uma estação alcançada por ramal cativo, os embarques podem ser diários. Para ter o seu ramal próprio, a Ciquine investiu R$ 700 mil, dos quais R$ 550 mil foram financiados, em cinco anos, pela própria FCA, com amortizações mensais de R$ 10 mil.

    Os 2.862 quilômetros de bitola estreita, e em muitos trechos necessitando de obras, entre Camaçari e Paulínia, que há dois anos eram percorridos em dez a 12 dias (QD n° 378) , agora são percorridos em oito a dez, graças às obras que foram e estão sendo executadas, para melhorar as condições de tráfego. “A meta é chegarmos em seis dias, que corresponderão a uma velocidade comercial de 20 km/h”, revela o gerente regional Romero Justino. Desde o ano passado, R$ 67 milhões foram investidos na rota Camaçari-Paulínia, assegura a FCA.

    O presidente da FCA, Thiers Barsotti, informa que até 2004 serão investidos R$ 389 milhões em vias permanentes, material rodante, novas tecnologias e outras realizações, com prioridade para o trajeto Camaçari-Paulínia. Um terminal intermodal para granéis sólidos, com capacidade para 400 mil t/ano, será construído em Camaçari, ainda neste ano; outro, para 200 mil t, no vizinho município de Candeias, também está prestes a iniciar construção para facilitar a distribuição às misturadoras de fertilizantes do cloreto de potássio procedente de Sergipe. Os dois terminais proporcionarão à FCA condições adequadas para transportar granéis secos, atualmente alternativamente carregados principalmente de trem. A FCA quer transportar, até 2005, um milhão de t/ano de produtos metalúrgicos, siderúrgicos, e principalmente químicos e petroquímicos, produzidos na Grande Salvador. (José Valverde)



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *