Tintas e revestimentos – Mais eficácia e sustentabilidade aos clientes

Biocidas evoluem para oferecer melhores resultados

Ingredientes imprescindíveis na formulação de tintas pela proteção que conferem contra a biodeterioração causada por micro-organismos antes e depois da aplicação, os biocidas atravessam um momento de evolução técnica.

Ainda que haja obstáculos a contornar, o mercado está aquecido e as empresas desenvolvem produtos com ênfase na sustentabilidade.

Diante da preocupação dos fabricantes de tintas de elaborar – nos últimos anos e principalmente durante a pandemia de Covid-19 – produtos com propriedades antivirais, antimicrobianas e antiácaros, Marcelo Metz, head de vendas no Brasil da Lanxess/Ipel, declara:

“Com relação aos biocidas, a demanda por performance e maior competitividade da mercadoria final, atendendo às novas inquietações e exigências dos consumidores, é algo constante e que veio para ficar”.

Nesse contexto, “o consumo sofreu uma redução logo no início do flagelo, mas depois se recuperou e se mantém em um nível bom. O grande desafio é o cenário global com escassez de algumas matérias-primas, o que gera aumento de preços em toda a cadeia, além das questões logísticas”, pontua.

Adriana Batista, gerente de vendas da Thor Brasil, afirma que o período de contágio “foi e ainda está sendo bastante desafiador. Tivemos uma alta de consumo a partir de junho de 2020, motivada por pequenas reformas, seguida de uma diminuição na procura no início deste ano devido ao agravamento do surto, e uma nova retomada no segundo semestre de 2021, com uma alta de demanda por parte da construção civil”.

As vendas de biocidas acompanharam estas variações.

“Com a importância cada vez maior de produtos seguros microbiologicamente, os biocidas também foram bastante requisitados e novos artigos com essa ênfase antimicrobiana foram lançados”, agrega.

“Além disso, tivemos a vigência das revisões das normas da ABNT em 2021, relacionada ao ataque de fungos na superfície do filme, o que também impulsionou os fabricantes de tintas a buscar soluções mais eficientes para as suas mercadorias”.

Química e Derivados - Tintas e revestimentos - Biocidas evoluem para oferecer melhores resultados ©QD Foto: iStockPhoto
Karina M. Zanetti, assistente técnica senior da Miracema-Nuodex

Karina M. Zanetti, assistente técnica senior da Miracema-Nuodex, comenta que “a demanda segue otimista”.  As dificuldades ficam por conta dos “aumentos constantes e consideráveis nas matérias-primas, assim como no frete e em outros custos de produção”.

Apenas Adriana não aponta dificuldades para obtenção de matérias-primas.

“A maior parte de nossos produtos são formulados com matérias-primas sintetizadas pela própria Thor para atendimento global”.

Mas, “tem se mostrado particularmente impactante a disponibilidade e os aumentos frequentes nos preços das embalagens e nos fretes globais, sejam para importação ou exportação para a América do Sul no modal marítimo”.

Mesmo com solavancos, o desempenho dos negócios em 2021 é classificado como positivo por Metz.

Química e Derivados - Tintas e revestimentos - Biocidas evoluem para oferecer melhores resultados ©QD Foto: iStockPhoto
Marcelo Metz, head de vendas no Brasil da Lanxess/Ipel

“Apesar de termos registrado um primeiro semestre muito desafiante, quando enfrentamos problemas de escassez de matérias-primas, logísticos e falta de embalagens, conseguimos contornar a situação sem impactar o fornecimento e a disponibilidade de mercadoria aos clientes”.

No segundo semestre, “o mercado reagiu bem e vem apresentando continuidade na procura já vista em 2020”, disse.

Adriana conjetura que os efeitos das crises econômica e política têm afetado os segmentos industriais, dentre eles o de tintas, dificultando a implementação de produtos inovadores.

Mesmo assim, “tem havido crescimento na empresa, devido ao amplo portfólio de soluções, baseado em itens de formulação local e com suporte técnico diferenciado e abrangente para todas as etapas que compõem a tinta, como resinas, slurries, dispersão de pigmentos etc e preservação”.

Baseado no último trimestre de 2020, Karina diz que a expectativa para 2021 era otimista e está sendo um ano muito bom, apesar de todas as dificuldades com relação à disponibilidade e custo das matérias-primas e outros artigos da cadeia: “Estamos conseguindo atender à procura”.

Na ótica de Metz, da Lanxess/Ipel, as perspectivas são de que o mercado continuará se desenvolvendo em termos de produtos e novidades que atendam às características de consumo da demanda crescente por biocidas:

“Estamos otimistas com 2022, tendo em vista que o cuidado com a casa, tendência fortalecida durante a pandemia, parece ter se mantido como um objetivo da população e o uso de biocidas na indústria de tintas se tornou ainda mais procurado pela população”.

Além disso, ele faz questão de realçar que as linhas de produção da empresa alemã “possuem diferenciais importantes, como aditivos verdes e outros artigos que primam pela sustentabilidade e proteção às pessoas, plantas e animais, requisitos que também são cada vez mais procurados. A tendência é de melhora ao longo do próximo ano nas questões de logística e de disponibilidade de matérias-primas. Esperamos que o comércio siga crescendo puxado pelo aquecimento da construção civil”.

Química e Derivados - Tintas e revestimentos - Biocidas evoluem para oferecer melhores resultados ©QD Foto: iStockPhoto
Adriana Batista, gerente de vendas da Thor Brasil

Para Adriana, da Thor, “tudo indica que 2022 vai ser ainda mais desafiador, com impacto logístico global e tendência de aumentos nos preços das commodities. Mas, esperamos que a economia do país melhore, agora com uma perspectiva de fim da pandemia, vacinação avançando, e retomada do emprego e consumo do brasileiro. Esperamos crescer em produtos mais tecnológicos e sustentáveis a médio e longo prazos”

Karina, da Miracema-Nuodex, acredita que o próximo ano também será promissor, “mesmo com a instabilidade política e econômica em que o Brasil se encontra”.

Sustentabilidade – Lembrando que a Lanxess/Ipel possui certificação ISO 9000 e 14000, Metz ressalta o investimento em novos equipamentos para complementar o parque analítico; e que, além do controle de qualidade há o laboratório de microbiologia que permite a validação do desempenho das mercadorias nas aplicações dos clientes, seguindo as normas ABNT para testes de preservação no estado úmido e filme seco.

“Temos produtos de origem sustentável, como a linha Olus. Trata-se de preservantes para o estado úmido (preservação na embalagem, ou in can) com base em ativos de origem vegetal. Também temos opções de microbicidas com baixo VOC, isentos de alquilfenóis etoxilados e alinhados às restrições mais exigentes. O desafio é oferecer alternativas que se adequem a cada necessidade, desde as linhas econômicas até as linhas premium, com respeito a desempenho e atendimento às normas vigentes e que causem o menor impacto ambiental. Ainda pensando em sustentabilidade, temos o Preventol B5, específico para telhados verdes”, informa o porta-voz.

Adriana observa: “Vemos uma demanda cada vez maior por itens que não agridam o meio-ambiente, com menor emissão de agentes fungicidas e algicidas, além de uma busca por ativos que não agreguem pictogramas de risco à embalagem, que dão a impressão de um item como a tinta ser perigoso ao uso. Essa é uma tendência que tem sido vista há anos na Europa e para a qual temos soluções em nosso portfólio, como a linha de ativos fungicidas e algicidas encapsulados, a tecnologia AMME (Advanced Micro Matrix Embedding)”.

Karina pondera que a pesquisa por novos ativos e novas combinações é constante na Miracema-Nuodex:

“A busca por produtos mais eficientes e menos agressivos à saúde e ao meio ambiente é um dos principais focos dos trabalhos. Mesmo utilizando biocidas de alta performance, a garantia de proteção antimicrobiana às tintas dependerá também da qualidade das matérias-primas utilizadas, do tipo de embalagem em que a tinta é envasada, da qualidade da água utilizada e da manutenção de uma planta fabril sempre limpa e sanitizada. Será o conjunto das boas práticas de fabricação associado ao uso de bons biocidas que proporcionará segurança quanto à eficiência da preservação”.

Metz manifesta que, além da linha tradicional de preservantes para estado úmido e filme seco, na qual se destacam itens como o Ipel BP-507, Ipel BP-559, Ipel FBP-490 e Ipel FAP-492, merecem atenção os seguintes:

“O Ipel FBP-440 possui formulação aquosa com baixíssimo teor de VOC, proporcionando excelente compatibilidade a sistemas aquosos e proteção completa no filme seco, incluindo ação fungicida, algicida e bactericida no filme seco; já o Ipel FAP-747 é mais indicado para sistemas base solvente, como vernizes e esmaltes sintéticos, proporcionando proteção completa ao filme seco, incluindo ação antimicrobiana”.

“A Linha AgNano possui opções que agregam apenas ação antibacteriana no filme seco, sendo compatível com sistemas aquosos e solvente como o Ipel AgNano 6011, que pode ser usado associado a biocidas com ação fungicida e algicida-fungicida ou proteção completa como o AgNano 6016”, completou.

Adriana sinaliza que a Thor é uma das principais fabricantes globais de biocidas a base das isotiazolinonas, doadores de formol e IPBC, possuindo uma ampla linha para atender todas as aplicações em tintas e suas matérias-primas:

“Fornecemos a linha de biocidas Acticide, composta por bactericidas, fungicidas, algicidas e sanitizantes, presentes no portfólio global, bem como os da linha Acticide LPB, voltado ao mercado da América do Sul, podendo ser customizados para cada cliente ou segmento de aplicação”.

Ela explica que a maioria das mercadorias são fabricadas no Brasil, “com alto controle de qualidade e especificação de ativos. No mercado nacional e da América do Sul continuamos focando a linha de Dry Film Thor AMME, tecnologia de encapsulamento de ativos que proporcionam preservação de película seca com inúmeros benefícios, como melhor desempenho a longo prazo, menor toxicidade e menor emissão de ativos no meio ambiente. Na linha de bactericidas há itens alternativos sem o uso de CIT e MIT, bem como formulações com doadores de formaldeído inovadores de baixo odor e baixo formol livre”.

Sobre as novidades da Miracema-Nuodex em termos de tecnologia, Karina cita que “os mais trabalhados atualmente são: Liocide 913, Liocide 967 e Liocide 197-B, são bactericidas de alta performance que apresentam excelentes resultados em campo para preservação das tintas e complementos dentro da embalagem”.

Para proteção do filme seco, ênfase tem sido dada para Coryna 153, Coryna 253 e Coryna AF 1015, sendo este último fungicida e algicida de alta resistência a intempéries.

Investimentos – A Lanxess/Ipel está dando prosseguimento ao processo de integração de portfólios das companhias (a Lanxess comprou a brasileira Ipel em 2020) e investindo na ampliação da capacidade do laboratório de microbiologia para acompanhar a crescente demanda.

“Esse trabalho deve ser finalizado no início de 2022 e devemos iniciar uma segunda etapa de ampliação no segundo semestre do próximo ano”, revela Metz.

Adriana salienta que está sendo seguida a estratégia global da Thor de atender o mercado com soluções biocidas inovadoras e diferenciadas, tanto para tintas como suas matérias-primas.

“Por isto, continuamos expandindo as atividades no Brasil nas áreas de produção, armazenagem (própria e em terceiros) e laboratório com serviços técnicos; em todos esses investimentos temos como pilar o foco em segurança e meio ambiente, sempre pensando em soluções sustentáveis”.

Karina comunica que a Miracema-Nuodex “sempre investe em pesquisa e desenvolvimento de novos itens, mais modernos, competitivos e de alta performance. Também investimos muito em serviços, para os quais contamos como uma estrutura de laboratórios aplicativos com o objetivo de assessorar o cliente quanto ao uso das mercadorias”.

Metz conclui dizendo que o setor de biocidas e de controles microbianos está em forte alta e que a Lanxess aposta neste mercado.

“A companhia anunciou, em 23 de agosto deste ano, que pretende comprar o negócio de controle microbiano do grupo americano International Flavors & Fragrances (IFF) por cerca de US$ 1,3 bilhão. Com esta aquisição, a Lanxess se tornará um dos maiores grupos globais do ramo”.

Trata-se da segunda maior aquisição da história da Lanxess e, com a sua efetivação, a unidade de negócios de Consumer Protection passará a ser a maior da companhia.

Esta intenção de compra mostra, segundo o executivo, “o quanto a organização está trabalhando para aprimorar cada vez mais o seu segmento de consumer protection. Usando a estrutura e o conhecimento regional da Ipel, aliado à presença global da Lanxess, entendemos estar na direção certa para atender cada vez mais as exigências do mercado”.

A transação ainda está sujeita à aprovação das autoridades antitruste.

A expectativa é que a operação seja concluída no segundo trimestre de 2022.

A IFF Microbial Control oferece um portfólio abrangente de soluções inovadoras e sustentáveis.

Visam prolongar a vida útil e garantir a funcionalidade dos produtos finais, por exemplo, em tintas e revestimentos, itens de higiene pessoal, detergentes e limpeza doméstica.

Também preservam a água em aplicações industriais.

As soluções de higiene da IFF são utilizadas ainda na indústria têxtil, garantindo que esses permaneçam livres de germes por mais tempo.

O entusiasmo é enorme. “Graças às aquisições nos últimos anos, já estamos bem posicionados como provedor de soluções de controle microbiano”, disse Michael Schäfer, chefe da unidade de negócios Material Protection Products.

A nova compra vai expandir o portfólio de ingredientes ativos, o que permitirá ao grupo oferecer “soluções extra aos clientes, orientadas para a aplicação, além de fortalecer nossa cadeia de valor”.

O acordo propiciará acesso a novas tecnologias e aprimorará a posição regulatória por meio de registros adicionais.

Adriana gosta de dizer que, além do oferecimento de produtos na vanguarda da tecnologia, que atendam os mais rigorosos mercados, o objetivo principal da Thor está no serviço de atendimento ao cliente.

“Possuímos no Brasil um laboratório físico-químico e microbiológico que dá todo o suporte aos serviços de pós-venda”. O grupo continua investindo na área de serviços técnicos e vendas.

“Contamos com serviços como monitoramento de linhas de produção e produtos; sanitização de plantas e testes normativos e in house adaptados às mais diferentes aplicações. Além destes serviços, oferecemos ainda treinamentos e cursos técnicos para todos os setores da empresa dos clientes (produção, laboratório, P&D) sobre biocidas – sua aplicação e manuseio – e outras matérias importantes para a capacitação, como boas práticas de fabricação. Essa presença garante uma melhor aplicação e a possibilidade de um uso cada vez mais racional das moléculas biocidas”, arremata a gerente de vendas.

Karina relata que a estratégia da Miracema-Nuodex “é manter a linha de pesquisa e desenvolvimento em movimento, sempre buscando novas soluções para os desafios apresentados pelos clientes. Também sempre buscamos a evolução de uma equipe bem preparada, atualizada e disponível para prestar atendimento com agilidade e assertividade”.

Leia Mais:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios