Tintas e Revestimentos

Dispersantes para Tintas – Venda de tintas premium incentiva o uso de insumos mais eficazes

Hamilton Almeida
15 de junho de 2011
    -(reset)+

    A Croda possui uma linha de dispersantes multifuncionais, chamada Zephrym, baseada em tensoativos poliméricos, com um range de atuação bastante expressivo e abrangente, com alto desempenho na dispersão de pigmentos orgânicos e inorgânicos, atuando em sistemas base solvente e base água. Magda Machado, coordenadora de marketing para a América Latina, descreve que esta linha é composta por dispersantes diferenciados por conta de sua ampla variedade de cadeias poliméricas selecionadas por sua compatibilidade com os meios orgânicos, e que apresentam uma ampla faixa de polaridade e atuação.

    Os dispersantes e os pigmentos – “Os dispersantes são usados com frequência em tintas que usam pigmentos caros e é importante obter o desempenho máximo deles”, define Roberto Kirschner, diretor da Huntsman. Dispersantes também atuam em sistemas de pintura arquitetônica nos quais os concentrados de cores e as bases brancas são misturados no ponto de venda. O concentrado de pigmento deve ser estável e ter longa vida útil nos misturadores e, para isso, os dispersantes são fundamentais.

    Aurélio N. Rocha, gerente da BYK, acrescenta que esses produtos servem para desenvolver e estabilizar a dispersão dos pigmentos. “Sem eles, as cores nunca seriam estáveis.” Ele cita um exemplo clássico: “Hoje pintaríamos um vermelho e, talvez em uma semana, usando a mesma tinta, estaríamos pintando um rosa.” Como explicou, quanto maior a qualidade requerida pela aplicação final da tinta, mais importante se torna o uso de aditivos umectantes e dispersantes de pigmentos. Ele considera que a indústria automobilística é a que mais exige o uso de umectantes e dispersantes de pigmentos de alta qualidade e performance desejadas.

    Céldia Lizardo, da Dow, vê a escolha de um dispersante como um processo complexo, já que a reatividade dessas substâncias pode afetar a estabilidade da tinta e as propriedades das formulações como, por exemplo, desenvolvimento de brilho, resistência à corrosão, resistência à água, formação de espuma e reprodução de cor. “A Dow Coatings Materials possui dispersantes aplicados para tintas base água utilizados em diversos mercados, tais como tintas para manutenção industrial, madeira, automóveis, paredes, metal etc.”, afirma.

    Os dispersantes atuam tanto na dispersão de pigmentos inorgânicos quanto orgânicos, além de terem importante papel na dispersão de cargas e da própria resina em tintas base água. Como destaca Karine Framesqui, da Clariant, eles contribuem com o poder de cobertura das tintas e no desenvolvimento da cor e poder tintorial dos pigmentos, além da estabilização da dispersão dos pigmentos nas tintas, ou seja, evitam o rub out, e a aglomeração dos pigmentos.

    Para José Jordano, gerente de mercado da Polystell do Brasil, os umectantes apresentam funções de grande importância: “Eles umectam as partículas de pigmentos favorecendo o aumento de seu percentual na formulação, conferindo, ao mesmo tempo, viscosidades mais baixas com uma força de cor melhorada.” E acrescenta: “Atuam como eliminadores de ar, incluso nas partículas de aglomerados de pigmentos, e conferem propriedades de estabilização das cargas elétricas inerentes às partículas, evitando reaglomeração das mesmas e a consequente sedimentação.” Como explicou, os dispersantes são largamente utilizados em tintas base solvente, alto sólidos, aquosas e por cura por ultravioleta, ou seja, em todos os sistemas nos quais haja necessidade de utilização de partículas de pigmentos ou cargas.

    Enquanto Karine considera que o principal mercado para dispersantes está nas tintas imobiliárias, Kirschner aponta para os mercados automotivo e de revestimentos industriais como usuários importantes desses insumos, mas esses mercados são mais especializados e fragmentados.

    Os dispersantes estabilizam a dispersão do pigmento, prevenindo a sua precipitação durante o armazenamento. Caso a precipitação ocorra, os dispersantes evitam que eles formem uma torta no fundo do frasco, de maneira que o pigmento possa ser facilmente redisperso com uma simples agitação. Dispersantes também melhoram a intensidade da cor, evitando reaglomeração das partículas de pigmento, sendo fundamentais em sistemas base água, nos quais a formulação não pode se beneficiar do uso de solventes. “Quanto mais o mundo se move para baixo VOC e tintas não-VOC, a necessidade de dispersantes vai continuar crescendo”, observa Kirschner.

    Magda Machado, coordenadora de marketing para América Latina da Croda, afirma que as cadeias poliméricas da linha Zephrym são mais longas que os dispersantes convencionais, o que proporciona uma barreira estérica mais eficaz em torno das partículas dispersas do que os dispersantes convencionais. “Além disso, a linha Zephrym oferece: melhora no desenvolvimento da cor, na estabilidade das emulsões e dispersões; carregamentos mais elevados nas dispersões com maiores concentrações de pigmentos; e controle da reologia de emulsões e dispersões, de acordo com as aplicações de uso final”, finalizou.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *