Tintas e Revestimentos

Tintas Automotivas – Reparação quer processos mais rápidos e econômicos

Hamilton Almeida
14 de agosto de 2011
    -(reset)+

    Revista Química e Derivados, Jaime Vieiro, diretor-geral da Stardur Tintas Especiais

    Jaime Vieiro

    Cássia esclarece que a Sherwin-Williams, fundada em 1866, em Cleveland, Ohio (EUA), não divulga números locais. No Brasil, a Sherwin-Williams Automotive Finishes é a divisão de produtos para repintura de veículos. A empresa “investe fortemente no desenvolvimento e produção de vários produtos inovadores, que atendem às necessidades de vários tipos de clientes”.

    Os principais negócios são: repintura automotiva de automóveis de passeio e comerciais; repintura automotiva de frotistas, ônibus e caminhões; indústrias de caminhões e autopeças; e repintura de aeronaves (aviões, helicópteros e jatos). A divisão Transportation Coatings é a área da Sherwin-Williams responsável pelo atendimento a frotistas, fabricantes de ônibus e caminhões, indústria de autopeças e empresas de aviação.

    Revista Química e Derivados, Carro pintado com linha base água, do primer ao verniz

    Vieiro (acimo) Carro pintado com linha base água, do primer ao verniz

    A linha de atuação é abrangente. Compreende, conforme descreve Cássia, produtos com poliuretanos de qualidades diversas, primers, vernizes e vários outros produtos. O desenvolvimento de produtos é customizado atendendo às necessidades de qualidade, aplicação e custo de cada cliente.

    A divisão Transportation Coatings conta ainda com um laboratório de desenvolvimento de produtos exclusivo. A empresa também é produtora de resina, possuindo um laboratório de desenvolvimento dedicado exclusivamente à pesquisa e ao desenvolvimento de novas matérias-primas, novas aplicações etc. “Possuímos homologações em diversas montadoras de veículos e estamos preparados para atender o segmento de autopeças”, afirma Cássia.

    Revista Química e Derivados, Cássia Galvão, gerente de marketing da Sherwin-Williams Divisão Automotiva

    Cássia: concorrência acirrada exige mais serviços e inovação

    Para estar em sintonia com a onda de preservação do meio ambiente, a Sherwin-Williams lançou, em 2007, no Brasil, a sua linha para repintura automotiva à base de água: AWX (Advanced Waterborne System). “O sistema AWX é composto por bases de cor para acabamento de veículos automotores. Complementam a linha o SpectraPrime P30 (fundo preparador de superfície, com secagem ultrarrápida e autoflexível), o Verniz Ultra 7000 CC940 e o Verniz HPC15”, informa Cássia.

    O sistema AWX tem como principais características: “atendimento à legislação internacional; ótima secagem; melhor reprodutibilidade de cor; homologações pelas montadoras; produto muito fácil de aplicar; adaptável a qualquer instalação de pintura; e não exige altos investimentos para a sua implementação”.

    A Stardur coloca no mercado uma linha completa de produtos à base de água. A Acquastar oferece primer, tinta e verniz à base de água, ou seja, as três principais fases do processo, livres de solventes. A preocupação da empresa com a sustentabilidade é constante. Exemplo disso, cita Vieiro, é que a planta fabril possui um sistema de exaustão localizada e central de tratamento de água de lavagem de gases, o que permite devolver à atmosfera mais de 95% do ar tratado e livre de contaminantes químicos.

    Mercado em Expansão

    A Associação Brasileira dos Fabricantes de Tintas (Abrafati) informa que o Brasil está entre os cinco maiores mercados mundiais para tintas. No ano passado, o faturamento líquido do setor foi da ordem de US$ 3,9 bilhões para uma produção total de 1,359 bilhão de litros. O segmento de tinta automotiva (montadoras) contribuiu com 4% do volume e 7% do faturamento total; tinta para repintura automotiva, 4% do volume e 8% do faturamento.

    Ao longo da última década, a exceção foi o ano de 2009, quando houve uma retração tanto em volume quanto no faturamento do setor de tintas automotivas e repintura. Nos demais anos houve crescimento em relação aos exercícios anteriores. Os números de 2010, portanto, são recordes nesse segmento e para as tintas em geral. E 2011 promete superá-los.

    No ano passado, houve uma expansão na produção total de 10,3%. A Abrafati projeta um crescimento de 6,7% para este ano.

    química e derivados, mercado de tintas automotivas

    Previsão para 2011, Volume, Faturamento e Veículos novos – Clique para ampliar

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     


    Página 2 de 212

    Recomendamos também:









    1. mauro fernandes

      Boa Tarde

      Gostaria de saber qual a diferença entre uma tinta de primeira linha e uma de segunda.



    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *