Alimentos e Bebidas

Tensoativos – Consumo cresce, mas busca alternativas

Renata Pachione
21 de abril de 2020
    -(reset)+

    Indústria plural – Presentes em diferentes setores da indústria, os tensoativos incorporam formulações diversas para os mercados de cosméticos, higiene pessoal e de limpeza, seja ela doméstica, industrial ou institucional, além de agroquímicos, tintas e adesivos, entre outros. Também chamados de surfactantes, esses aditivos segundo a engenheira química Enilce Maurano Oetterer, são substâncias que, pela sua estrutura e propriedades, modificam a tensão superficial dos líquidos em que se encontram, interferindo na orientação da molécula de superfície e na interface dos sistemas de fases, atuando como agente facilitador nas formações de emulsões (Ver QD edição de dezembro de 2015).

    Uma das principais empresas que abastece a indústria de Personal Care é a Oxiteno, cujo portfólio conta com quase 300 tensoativos. Entre os destaques da marca, figuram as linhas Oxismooth e Oxiflow. A primeira delas promove toque suave, alta espalhabilidade e poder emoliente à fomulação. De acordo com Andrea, foi desenvolvida para oferecer diferentes perfis sensoriais em aplicações como protetor solar (é capaz de solubilizar uma larga gama de protetores, contribuindo para melhor proteção da pele contra os raios UV), cremes, loções, desodorantes, produtos para bebês e homens, além de coloração e tratamentos para cabelos. “É uma plataforma de emolientes multifuncionais produzidos 100% a partir de recursos renováveis”, pontua.

    Já a solução Oxiflow S 6800 pode ser usada em xampus, géis e espumas para banho, sabonetes líquidos, limpadores faciais e sabonetes íntimos, entre outras formulações. Para a fabricante, trata-se de uma excelente opção de modificador reológico, podendo até prover redução no consumo de energia devido à otimização do tempo de processamento.

    Para o mercado de Coatings, a Oxiteno apresenta o Oximulsion 9000. Esse ingrediente permite o processamento de resinas, gerando emulsões tipo óleo em água, que são utilizadas em tintas para pintura de madeira, metal e alvenaria. “Essa linha de tensoativos possibilita converter a tecnologia de esmalte base água, por meio de um processo simples que garante as mesmas propriedades e qualidade do produto final, com significativa redução de impacto ambiental de insumos químicos, como odor, toxicidade e compostos orgânicos voláteis (VOC)”, explica Andrea.

    Para o mercado de produtos de limpeza, a companhia oferece, por sua vez, a linha Oxizymes. Trata-se de uma tecnologia desenvolvida para o segmento de detergentes lava-roupas, fruto de uma parceria entre a Oxiteno e a Novozymes. Segundo Andrea, o produto entrega alto desempenho de limpeza com estabilidade enzimática, resultados superiores na remoção de manchas difíceis, além de ser menos agressivo para as mãos, tecidos e meio ambiente.

    Sobre os lançamentos, Andrea destaca o Ultrasol TEX 6064, que é um tensoativo recomendado para aplicações que necessitam de alta detergência com baixa espuma, além de ser, de acordo com ela, mais competitivo do que outros produtos utilizados atualmente, e ter fonte natural. Por fim, na área de Crop Solutions, a novidade do ano passado foi o Surfom Mix, uma linha de soluções em componentes para formulações de defensivos, adjuvantes de calda e fertilizantes que conferem desde a estabilidade físico-química das formulações em suas emulsões, dispersões e outras variações, até os efeitos de melhor aproveitamento e eficácia dos ingredientes ativos, conforme Andrea explica.

    A empresa tem expectativas positivas em relação ao segmento de agroquímicos. “Acreditamos que ainda há muito o que crescer e evoluir neste mercado”, diz Andrea; ela se baseou no crescimento de 2,4% do PIB do agronegócio, registrado entre janeiro e novembro de 2019 (dados da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil – CNA e do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada – Cepea).

    Linhas com apelo sustentável hoje fomentam uma demanda em expansão. E as empresas sabem disso. Não por acaso, a Clariant destaca em seu portfólio a linha GlucoTain, cujo mote é a sua multifuncionalidade. Segundo a fabricante, o produto possibilita aos formuladores a diminuição da complexidade dos processos, uma vez que, com apenas um ingrediente, entrega aumento de espumação, sensorial destacado e viscosidade nas formulações com enxágue.

    O perfil de biodegradabilidade da linha é um dos seus diferenciais. Para um litro de solução com 7% do GlucoTain, são necessários dez de água para que ocorra a neutralização no meio ambiente. “Outros tensoativos, na mesma situação, precisariam de uma quantidade muito maior de água para se neutralizarem”, compara Magalhães.

    Derivado do óleo de semente de girassol, o GlucoTain Sense é uma novidade da linha. Alternativa ao óleo de palma, o aditivo é apresentado como um dos tensoativos mais suaves do mercado. “Ele foi a prova de que uma inovação é capaz de cobrir todas as três dimensões da sustentabilidade: pessoas, planeta e performance”, afirma Magalhães. Sem entrar em detalhes, ele se restringe a dizer que o produto tem tido aceitação muito positiva, uma vez que o mercado o reconhece como aditivo suave, multifuncional e sensorial. As aplicações vão de sabonetes líquidos e em barra a produtos capilares e limpadores faciais multifuncionais.

    O Grupo Solvay, que no Brasil também atua com a marca Rhodia, possui tensoativos primários e secundários. Em seu extenso portfólio, duas novidades ficam por conta do Miracare Soft 313 e do Miracare Soft S-525, desenvolvimentos cuja proposta é a de formular produtos livres de sulfato e manter a percepção do consumidor quanto à espumação, à viscosidade e à limpeza.

    A companhia destaca ainda o Mirataine CBS, uma sultaína, que segundo Theodoropoulos, é extremamente suave e possui irritabilidade muito menor do que os anfotéricos do mercado, sem comprometer a performance de limpeza ou espumação. Ele cita também o Geropon CG3S e o Mackanate EL como exemplos de tensoativos aniônicos mais suaves com boa performance de detergência e espumação. Com relação aos tensoativos anfotéricos, ele menciona os tipos mais tradicionais com a linha Mackam de betaínas, e os que proporcionam suavidade ainda maior que as betaínas, como o Mirataine CBS. “Esse produto também possui espumação mais elevada mesmo na presença de óleos e gorduras e remove com mais facilidade as sujidades e resíduos alimentícios, por exemplo, em formulações para lavar louças”, explica.

    Na opinião do executivo, cada vez mais, os clientes buscam ingredientes que sejam 100% de origem vegetal e/ou com alto índice de carbono renovável. Para atender a esta demanda, a Solvay possui no portfólio os tensoativos aniônicos Mackol CAS 100 e Rhodapex EST 70NAT, sendo que este possui óxido de etileno verde, proveniente de cana-de-açúcar. Já no que se refere aos tensoativos não iônicos, o destaque é a linha Rhodasurf, composta por produtos com diferentes níveis de etoxilação de origem vegetal.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *