Publieditorial

Tecnologia de camada fina

Quimica e Derivados
13 de junho de 2017
    -(reset)+

    EPDA 2000

    EPDA 2000

     

    Engenharia Bernoulli, fabricante bastante conhecida de ejetores e sistemas de vácuo, de até 6 etapas, lançou novas linhas de equipamentos baseados na tecnologia de película fina, tendência moderna que se impôs definitivamente no mundo desenvolvido. Essa solução técnica para antigos problemas produziu grandes mudanças na indústria. Há alguns anos, foram introduzidos os enchimentos organizados nas colunas de absorção, destilação e secagem, em virtude de sua grande superfície específica, que chega aos 250 m2 por m3, menor perda de carga, muito importante para altos vácuos, altitudes mais baixas de uma unidade de transferência e fluxo mínimo de irrigação, o que favorece radicalmente a transferência de massa e permite projetar equipamentos menos volumosos e mais eficientes.

    Por outro lado, na oleoquímica e na indústria farmacêutica a aplicação do evaporador de película fina agitada, mostrada na foto, foi um grande avanço: com um rotor de lâminas fixas que giram perto do casco, consegue-se um elevado coeficiente de transferência de calor e um maior esgotamento do produto residual, o qual, dessa forma, sai com menor concentração de luz, reduzindo substancialmente sua perda e, além disso, torna desnecessária uma segunda destilação. Essa solução técnica é superior aos rebulidores de casco e tubos, e dos destiladores de fundo plano, do tipo labirinto, usado até pouco tempo.

    Esse evaporador é também o mais indicado para a secagem de lecitina pois supera de longe os sistemas por batelada, entre outras coisas, pois o processo tem a duração de 1 minuto e é automático, em vez de várias horas repleto de operações manuais. No Brasil, inexplicavelmente, não foi difundido, como no resto do mundo desenvolvido, por alguns preconceitos sem fundamento, como o da temperatura, ignorando que o tempo de residência afeta tanto quanto ela, que no método descontínuo é 100 vezes maior.

    Por outro lado, ao resfriar produtos viscosos como são a lecitina e produtos farmacêuticos, especialmente quando os fluxos escassos impedem que se chegue a velocidades razoáveis para a transferência de calor ou quando a superfície de intercâmbio se suja, como é no resfriamento de misturas de ácidos saturados e não saturados que se quer resfriar para cristalizar a estearina, os aparelhos tradicionais de casco tubo não são adequados, e mesmo os de duplo tubo têm limitações. O mais eficiente é utilizar resfriadores de superfície raspada, que, ao contrário dos aparelhos de película fina, trabalham cheios e em menores velocidades de rotação. A superfície de troca que se mantém limpa, e também a perda de carga são muito menores do que com outros recursos.

    Finalmente, os destiladores de caminho curto, também chamados moleculares, são de película fina, mas desta vez rotacionadas a velocidades baixas, por meio de um rotor que faz contato com a superfície de intercâmbio a partir de rolamentos de teflon que rotacionam. Têm um bom coeficiente de transferência e a grande vantagem de que o condensador está dentro do aparelho, a curta distância da superfície de evaporação, sem canos ou obstáculos que se interponham, com o qual praticamente elimina-se a perda de carga na fase vapor e canos de grande diâmetro, o que torna possível destilar os mais leves a vácuos elevados, a poucos microns de HG e a baixa temperatura para proteger produtos lábeis, como é o caso do ômega-3, os tocoferóis e esteróis, o caroteno dos óleos de palma e outras vitaminas.

    Esses aparelhos também são especialmente indicados na indústria farmacêutica, na qual minimizar o tempo de residência e a temperatura a que esses produtos estão expostos, destinados a medicamentos, é de importância crucial. Outra característica importante é que são de funcionamento contínuo, diferentemente dos sistemas por batelada do passado, e por isso permitem aplicar o melhor da engenharia de controle automático e controle de qualidade. Na indústria moderna, já são impensáveis os sistemas descontínuos de manuseio e controle manual. As maiores exigências do mercado impõem a aplicação da melhor tecnologia.

     

    INGENIERÍA BERNOULLI S.A.
    www.ibernoulli.com

    Contatos:
    Brasil
    Eng. Roberto Tayar
    Cel.: +55 (11) 99935-2685
    E-mail.: rtayar@ibernoulli.com

    Argentina
    Tel.: +54 (11) 4792-0392
    E-mail.: info@ibernoulli.com

     

     



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *