Meio Ambiente (água, ar e solo)

Tecnologia ambiental – Saneamento: Feira destaca soluções para o setor público

Marcelo Furtado
30 de outubro de 2013
    -(reset)+

    Filtro-prensa a pistão – A francesa Degrémont mostrava pela primeira vez ao mercado nacional seu filtro-prensa a pistão Dehydris, utilizado para deságue de lodo oriundo de tratamento de efluentes e esgotos. Segundo o gerente comercial Vitor Collette, o sistema consegue desidratação de até 40% do lodo, taxa superior aos filtros convencionais, que só conseguem no máximo 30%, e também em comparação às decantadoras centrífugas, com taxas entre 20% e 25%.

    A inovação da tecnologia é utilizar um pistão/cilindro com mangueiras revestidas de tecidos, de forma automática e sem a necessidade de operação manual para remover o lodo, como no filtro convencional, que cai por gravidade com o auxílio dos elementos de drenagens. “O lodo fica por fora do tecido e as mangueiras vertem o líquido”, disse o gerente. A Degrémont se baseou na tecnologia a pistão de deságue utilizada na indústria de alimentos (Bucher Unipektin), a qual conta com mais de 2 mil referências no mundo.

    O sistema, segundo Collette, ainda não foi vendido no Brasil, mas a empresa está trazendo uma planta piloto para testar em clientes. Seu custo inicial é maior do que os convencionais, mas a operação, considerada mais eficiente, pelo fato de desidratar melhor e de forma mais rápida em ciclos de duas a três horas, deve ser um diferencial competitivo. De acordo com ele, sua manutenção é prática, baseada nas trocas dos revestimentos das mangueiras, que se desgastam com o tempo.

    Química e Derivados, Esquivel: painel de aeração economiza 30% de energia

    Esquivel: painel de aeração economiza 30% de energia

    Na espera – A Parkson do Brasil conseguiu chamar a atenção com a exposição de um painel de aeração feito com membrana de poliuretano, em placas de 1,2 X 3 metros, para instalação em leito de tanque de tratamento aeróbio. O sistema HiOx trabalha com borbulhas finas de ar (menores do que 1 mm) – injetado abaixo das placas por aerador especial –, que perpassam a superfície microperfurada do painel. As placas, que trabalham de forma independente, podem ser instaladas em até 60% da área do tanque.

    Segundo o gerente regional de vendas da Parkson, Fernando Esquivel, o sistema consome 30% menos energia do que o sistema de difusores de ar de borracha, em formas redondas e menores, e até 50% menos em comparação com os aeradores mecânicos. O HiOx ainda não foi instalado no Brasil, mas a filial da empresa norte-americana espera em breve fazer a primeira venda local.

    A B&F Dias também espera fazer a primeira venda local de um novo sistema para aumento de capacidade de tratamento biológico em estações de esgotos sanitários e efluentes industriais. Trata-se da tecnologia alemã Cleartec, lançada no começo do ano no Brasil pela empresa de Vinhedo-SP e que utiliza mídias têxteis de polipropileno afixadas em skid. Durante a feira, apesar de receber muitas consultas sobre a tecnologia, ainda nenhum contrato foi fechado, segundo revelou o gerente Bruno Dinamarco.

    As mídias têxteis são eficientes espaços para fixação e colonização de microrganismos, e sua instalação duplica a capacidade da estação sem a necessidade de obra civil. A estrutura de aço inoxidável pode ser montada em sistemas de aeração existentes ou não. “O sistema une as duas tecnologias: a de leito fixo e móvel, com vantagens sobre ambos”, disse Dinamarco. Os fixos usam britas ou peças grandes no tanque e os móveis são os MBBRs, com carriers.

    Os módulos mais comuns são de 2 X 2 X 2 metros, mas podem ser customizados. Normalmente, em cada estrutura são colocados 11 tecidos. A área disponível para a colonização é bastante superior à dos carriers móveis (pequenas peças plásticas, de cerca de 10 a 155 mm de diâmetro). Enquanto a tecnologia MBBR tem 490 m2/m3 de área de colonização, a da Cleartec chega a 4.400 m2/m3. Com vida útil de 20 anos, o sistema, segundo Dinamarco, é muito fácil de ser implementado e de ser removido para manutenção.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *