Setor de saneantes é marcado pela inovação – ABIPLA

A Abipla tem participado de uma série de eventos relacionados à indústria de produtos de limpeza, em 2023, e fico sempre impressionado com a capacidade de inovação das empresas do setor de saneantes.

Em poucos anos, é comum ver linhas inteiras de produtos reformuladas, sempre com o intuito de termos saneantes mais eficientes, seguros e sustentáveis.

No mais recente evento do gênero, o Cleaning Products Latin America, realizado em São Paulo-SP, em junho, um dos destaques foi o desenvolvimento e a manipulação cada vez mais eficiente de enzimas para limpeza e tratamento de tecidos.

E essa tendência inclui, por exemplo, os probióticos que, além de serem usados na lavagem de roupas, têm mostrado grande potencial de desinfecção, até mesmo em ambientes críticos hospitalares – segundo um estudo realizado pela Universidade de Huddersfield, no Reino Unido, a adoção experimental de produtos de limpeza à base de probióticos reduziu o número de organismos detectados nas superfícies, gerando uma diminuição de 52% nas infecções hospitalares e de 75% nos custos relacionados à prescrição de antibióticos.

A tese é que os probióticos teriam a capacidade de reduzir ou eliminar a camada de biofilme de patógenos que se alojam em superfícies, gerando, com isso, uma limpeza duradoura, já que os probióticos continuariam agindo por muito tempo após a aplicação do produto.

Vale destacar, ainda, as múltiplas possibilidades da nanotecnologia em produtos de limpeza. Por meio do uso de nanopartículas, é possível criar desde desinfetantes poderosos até aplicá-las na fabricação de produtos que limpam sem deixar nenhum tipo de resíduo.

Isso mostra quão sofisticados e necessários à saúde pública são os produtos de limpeza. E afirmo que a indústria brasileira está perfeitamente alinhada com as principais tecnologias de limpeza existentes no mundo.

Somos, atualmente, o quarto maior mercado de produtos de limpeza do planeta e com um dos maiores potenciais de crescimento, já que, segundo levantamento da Euromonitor International, a previsão é que o consumo de saneantes no Brasil cresça 35% até 2027. Hoje, o consumo nacional só é menor que o dos Estados Unidos, da China e do Japão.

O setor químico, no qual estamos inseridos, investe cerca de R$ 2,5 bilhões em inovação no Brasil anualmente, segundo dados da CNI – Confederação Nacional da Indústria. Todo esse investimento contribui para a geração de empregos, qualificação e desenvolvimento profissional, ambientes mais saudáveis e com melhor qualidade de vida. O fato é que entendemos Pesquisa e Desenvolvimento como a uma das premissas do negócio.

Sustentabilidade no setor de saneantes

O investimento em inovação também é aplicado ao desenvolvimento sustentável do setor de saneantes. Exemplo disso é o desenvolvimento de novas variedades de surfactantes (ingredientes que diminuem a tensão superficial da água e ajudam a remover gordura e outras sujidades), que podem ser usados na fabricação de produtos com maior biodegradabilidade.

A utilização consciente de recursos naturais, por sinal, é tema de profícuas discussões na área de saneantes e é interessante a abordagem sistêmica que a indústria tem adotado nessa questão. Noto que há um esforço intersetorial no intuito de alcançar não apenas fórmulas com maior biodegradabilidade e embalagens reutilizáveis ou de baixo impacto ambiental mas também tentando aumentar a vida útil de tecidos e equipamentos de limpeza, como máquinas de lavar roupas ou louças, por exemplo.

Acredito que há caminhos para o desenvolvimento de soluções compartilhadas para atender a um público cada vez mais exigente em relação à sustentabilidade que, segundo recente pesquisa da Euromonitor, valoriza e está disposto a optar pelos chamados “produtos verdes”, em suas próximas compras, mas ainda confessa desconhecer toda a evolução que a indústria tem alcançado.

Leia Mais:

Publicações da Abipla


Em junho, a ABIPLA lançou seu Anuário 2023 e atualizou seu Guia de Produtos de Limpeza. O Anuário contempla dados compilados de 2022, é referência em informações sobre a indústria de limpeza, reunindo dados do setor, como faturamento, origem de importações, destino de exportações, empregos, número de empresas em atividade, crescimento de produção industrial e o sobe e desce de diversos produtos da cesta de limpeza nacional. Mais do que isso, ele faz uma análise, em profundidade, sobre o comportamento da indústria de limpeza no País.

Domissanitários: O que esperar de 2023 ©QD Foto: iStockPhoto
Paulo Engler é diretor-executivo da Abipla

Por sua vez, a edição atualizada do Guia de Produtos de Limpeza da Abipla aborda, além das principais categorias de produtos saneantes, os diferentes processos de higienização, como limpeza, desinfecção e esterilização, e alerta o consumidor sobre a necessidade de se atentar às informações do rótulo do produto, que deve ser, obrigatoriamente, homologado pela Anvisa – Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

O Anuário e o Guia podem ser baixados, gratuitamente, no site da Abipla (https://abipla.org.br). Vale a pena conferir! Afinal, para fazer as melhores escolhas, é preciso ter, sempre, as informações mais completas e de maior credibilidade!

Vamos em frente!

Veja Também:

O AUTOR

Paulo Engler é diretor-executivo da Associação Brasileira das Indústrias de Produtos de Higiene, Limpeza e Saneantes de Uso Doméstico e de Uso Profissional (Abipla).

Oportunidades para empreender com saneantes - ABIPLA ©QD Foto: iStockPhoto

ABIPLA

Fundada em 1976, a Abipla representa os fabricantes de sabões, detergentes, produtos de limpeza, polimento e inseticidas, promovendo discussões sobre competitividade, inovação, saúde pública e consumo sustentável. Seus associados representam o mercado de higiene, limpeza e saneantes do Brasil, setor que movimenta R$ 32 bilhões anuais e responde por cerca de 90 mil empregos diretos.

Para encontrar fornecedores do setor de saneantes no Brasil, não deixe de consultar o guia QD, o mais eficiente Guia de Compra e Venda da indústria química, saneamento, processos químicos, petrolífera, energética, laboratorial e do plástico.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.