Setor de cloro-álcalis realiza 15º exercício simulado de emergência

ABICLOR

O treinamento leva à perfeição.

Essa máxima tem sido seguida à risca pelo setor de cloro-álcalis, que há 15 anos realiza Exercícios Simulados de Emergências Químicas.

Uma forma de exercitar as melhores práticas de segurança no transporte e manuseio dos produtos e evitar acidentes.

Promovido pela Comissão de Manuseio e Transporte (CMT) da Associação Brasileira da Indústria de Álcalis, Cloro e Derivados (Abiclor), o simulado deste ano foi realizado em 25 de maio, na sede da transportadora Cesari, em Cubatão-SP, e contou com a participação do Corpo de Bombeiros de Cubatão, da Polícia Militar, da equipe de socorro do Samu e de membros da Associação Brasileira de Transporte e Logística de Produtos Perigosos (ABTLP).

Dezenas de profissionais de transporte, saúde, segurança e meio ambiente do setor de cloro-álcalis acompanharam, no pátio da transportadora Cesari, a simulação de um acidente entre um caminhão tanque que transportava ácido clorídrico (HCl) e um veículo de passeio.

Setor de cloro-álcalis realiza 15º exercício simulado de emergência ©QD Foto: Divulgação
Exercício simulou colisão de automóvel com carreta contendo ácido clorídrico

O motorista do carro de passeio teria ficado ferido na colisão com o caminhão, precisando ser socorrido pelos bombeiros e pelo Samu.

“O treinamento é uma forma de testar na prática o que pode ocorrer num atendimento emergencial”, explica Milton Rego, presidente-executivo da Abiclor.

O executivo, que assumiu em maio a presidência-executiva da Abiclor, afirmou que tão importante quanto o Exercício Simulado é avaliar minuciosamente o que aconteceu e extrair lições do evento.

Durante a ação, foi possível observar, na prática, a importância de instruir corretamente os motoristas que transportam produtos perigosos – afinal, são as primeiras pessoas a realizar os procedimentos de contenção do dano.

A CMT da Abiclor tem investido em mais treinamentos para os motoristas e na aplicação de rigorosos checklists nas atividades de transporte de produtos da indústria, com a finalidade de reduzir cada vez mais o número de acidentes nas estradas.

Além dos motoristas, os demais profissionais, como os bombeiros, que são os primeiros a chegar ao local do acidente, também precisam ser devidamente treinados e orientados sobre como proceder em caso de ocorrências com produtos da indústria de cloro-álcalis.

No dia do 15º Exercício Simulado, um grupo de 27 bombeiros recebeu um treinamento específico sobre o uso de kits de socorro para atendimentos de emergência com cloro.

Para Giovanni Borlenghi, diretor de negócios do Grupo Cesari, todos os produtos químicos classificados como perigosos precisam ser respeitados e transportados com muita segurança.

Setor de cloro-álcalis realiza 15º exercício simulado de emergência ©QD Foto: Divulgação
Drone registrou imagem aérea da operação de socorro

“O simulado é uma forma de testar na prática tudo o que pode acontecer durante um atendimento a emergência em um acidente envolvendo o transporte de produtos perigosos”, diz ele, acrescentando que os cuidados para evitar acidentes começam na fabricação dos tanques, que precisam seguir as normas de segurança, especificação correta dos materiais e dos revestimentos internos, técnicas construtivas e ensaios dos materiais, além de um minucioso registro de todas as fases.

Antes de ser colocado no mercado, o caminhão tanque passa por uma rigorosa inspeção para averiguar se está em conformidade com os requisitos de segurança e se atende às normas e exigências legais.

Segundo Gilberto Tardochi da Silva, coordenador de Estudos e Prevenção de Acidentes Rodoviários no Transporte de Produtos Perigosos, da Secretaria de Logística e Transporte do Estado de São Paulo, o setor de cloro-álcalis apresenta um dos melhores índices na redução de acidentes.

Levantamento feito pela Abiclor mostra que o número de acidentes durante o transporte rodoviário de produtos da indústria cloro-álcalis caiu mais de 80% no período entre 2005 e 2022.

“As empresas estão se aprimorando cada vez mais, pois um acidente pode ter desdobramentos importantes para o meio ambiente e para as pessoas”, afirma Tardochi.

Setor de cloro-álcalis realiza 15º exercício simulado de emergência ©QD Foto: Divulgação

ABICLOR

A Abiclor (Associação Brasileira da Indústria de Álcalis, Cloro e Derivados) representa os interesses das principais produtoras de cloro-soda instaladas no País. São 7 plantas produtivas, que respondem por 60% de todo o mercado latino-americano. A indústria é uma importante fonte geradora de empregos e de pagamento de impostos para o País.

Leia Mais:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.