Serviços: Demanda cresce mais pela terceirização

A legislação ambiental exige correto tratamento de efluentes e resíduos; as normas de qualidade, a calibração de equipamentos de laboratório; e a concorrência, o desenvolvimento de novos produtos. Montar estações de saneamento, executar as próprias aferições de instrumentos e ter um laboratório de pesquisa e desenvolvimento seriam as soluções recomendadas, não fossem elas onerosas para as grandes empresas e, em geral, inviáveis para as pequenas e médias. A saída quase sempre é a terceirização dessas e de várias outras atividades. Em conseqüência, um número expressivo de empresas prestadoras de serviços surgiu para atender a essa demanda. Quem são alguns representantes expressivos desse grupo e que serviços oferecem é o propósito central deste artigo.

A necessidade constante de reduzir custos, res­ponsável por notável incremento da busca por terceirização, ocorre nas indústrias químicas em outras áreas além dos re­fei­tórios, da segurança ou limpeza das instalações. Um grande nú­mero de empresas sobre­vive da pres­tação dos chamados serviços “técnicos” para indústrias quí­micas. Dife­ren­temente dos casos citados, os serviços técnicos tercei­rizados demandam mão-de-obra quali­ficada, além de investi­mentos signi­ficativos em equipamentos ou insta­lações por parte dos prestadores.

A área ambiental é a que mais requer a contratação de serviços. Conscientes da necessidade de preser­var o meio ambiente, ou pressionados pelos órgãos públicos responsáveis, as indústrias químicas precisam dar destino adequado aos seus efluentes, resíduos e emissões gasosas nocivas e, para isso, muitas empresas prestadoras de serviço surgiram para auxiliá-las nessa tarefa. A de maior porte é a Cetrel S.A. Empresa de Proteção Ambiental, que iniciou suas atividades em 1978, juntamente com as indústrias do Pólo Petroquímico de Camaçari, na Bahia, sendo responsável, desde então, pelo tratamento e disposição final dos efluentes e resíduos industriais, assim como pelo monitoramento ambiental de toda área sob influência do complexo industrial.

A Cetrel é uma empresa privada, com cerca de 70% de suas ações pertencentes às indústrias do pólo petroquímico de Camaçari e 30% de propriedade do Governo do Estado da Bahia, representando um investimento global de US$ 250 milhões. Criada com a função inicial de tratar os efluentes líquidos gerados pelas indústrias do Pólo, a Cetrel foi ampliando gradati­vamente seu leque de atividades. Hoje mantém, opera e controla um sistema de coleta, transporte, tratamento e destinação final de efluentes industriais, utilizando o processo biológico de lodos ativados. A estação de tratamento de efluentes (ETE), umas das maiores e mais modernas do País, tem capacidade para processar um volume de 144 mil m3/dia, com um desempenho opera­cional comparável ao dos sistemas mais avançados do mundo.

Dentro da política de expansão do seu mercado a Cetrel tem buscado cada vez mais atender empresas não perten­centes ao Pólo. Segundo informações de sua assessoria de imprensa, do faturamento anual de R$ 40 milhões, cerca de 40% advêm de clientes situados fora da Bahia. São oferecidos serviços nas áreas de tratamento de efluentes líquidos, processamento de resíduos industriais especiais, incine­ração de resíduos líquidos e sólidos, monitoramento do ar, monitoramento das águas subterrâneas e de superfície, e serviços de laboratório.

Certificada pela ISO 14001, a Cetrel processa resíduos sólidos Classe I e Classe II gerados no Pólo, podendo também prestar esse serviço para clientes externos, com emissão do certificado de destruição. Possui também aterros industriais e áreas de estocagem temporária. Seu parque de incineração da empresa, composto de um incinerador para resíduos líquidos organoclorados e de outro para resíduos sólidos perigosos, está capa­citado a atender a demanda nacional de incineração. Os serviços dispo­níveis in­cluem a inci­neração de resíduos orga­no­clorados, dentre os quais ascarel (PCB, bifenila poli­clorada), hexaclorobenzeno (BHC) e pesticidas. Trata-se de um dos três únicos incineradores do Brasil autorizados a queimar a perigosa bifenila usada como óleo de transformador. A su­pervisão e assessoria no manejo, acondicionamento e transporte dos resíduos, inclusive obtenção de licenças também podem ser con­tratados com a Cetrel.

Dentre as várias outras empresas que oferecem serviços similares, destaca-se a EP Engenharia do Pro­cesso, de Guarulhos-SP, que iniciou suas atividades em 1970, atendendo diversos tipos de solicitações quanto à recuperação, reciclagem ou destruição de resíduos e tratamento de efluentes. Contando com uma equipe de 120 funcionários, oferece serviços de caracterização de efluentes, estudo de tratabilidade em laboratório e em unidade piloto, seguindo-se o desen­volvimento de projetos e processos de tratamento. A tecnologia desenvolvida é vendida ao cliente, inclusive com a construção de equipamentos, se for o caso. É possível ainda contratar a EP para operar as estações de tratamento de água e efluentes instaladas ou para treinar e capacitar mão-de-obra própria na execução das tarefas.

Na sede da empresa funcionam as unidades de Engenharia, Desen­vol­vimento de Tecnologias e Análises Químicas. Na via D. Pedro I, km 54,5, em Nazaré Paulista-SP, está localizada a Unidade Industrial, composta por depósito para resíduos perigosos, transformação de resíduos em um sistema de pirólise a vácuo, cuja tecnologia foi desenvolvida e licenciada pela EP. Ao todo são 4 mil m2 de galpões em 72 mil m2 de área industrial e mais 1.000 m2 em prédios administrativos.

A EP implantou há pouco na unidade da Volkswagem, em São Bernardo do Campo-SP, uma estação para trata­mento da água efluente da torre de resfriamento. Essa água, após tratada, passou a ser reutilizada na lavagem das carrocerias antes da pintura. O tratamento é feito por osmose reversa, um sistema limpo e eficiente. Segundo o diretor químico Rogério Toledo de Almeida sempre que possível faz-se a opção por esse tipo de sistema ou pela ultrafiltração.

A EP opera ainda as estações de tratamento da Volkswagem, em São Carlos-SP, e da Scania, também em São Bernardo do Campo. Os serviços são pagos por metro cúbico tratado e variam em função das características iniciais da água ou efluente. Um exemplo: o tratamento por membrana de 1 m3 de água de superfície, de modo a adquirir qualidade para uso industrial, custa desde R$ 3 até R$ 4.

Algumas empresas fabricantes de produtos químicos possuidoras de grandes unidades de incineração também prestam serviços nessa área. É o caso da Clariant S.A.. A busca de soluções ambientais, com proteção ao meio ambiente, à saúde e à segurança já rendeu à empresa a certificação pela ISO 14.000. A unidade de incineração de resíduos industriais, instalada em sua fábrica de Suzano-SP, atende às neces­sidades internas da empresa e também de terceiros. Sua capacidade de queima chega perto das 4 mil t/ano. Segundo o responsável pela unidade Michel René, o custo médio da incineração varia desde R$ 1,5 mil até R$ 3 mil por tonelada, em função do volume, composição, tipo de resíduo e do acondicionamento.

Assessoria em legislação ambiental e licenciamento, isto é, regularização junto aos órgãos públicos, como Cetesb (Companhia de Tecnologia e Sanea­mento Ambiental), Feema (Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente) e Secretarias do Meio Ambiente, são serviços que podem ser contratados junto a empresas como a Qualitá Engenharia e Gerenciamento Ambiental Ltda. Fundada em 1991, também executa projetos na área técnica. Servindo desde o ano passado a Sabesp (Cia. de Saneamento Básico do Estado de São Paulo), a Qualitá faz inspeções nas redes de águas pluviais e de esgotos da companhia, para detectar a existência de ligações clandestinas.

Outro trabalho interessante reali­zado pela empresa foi o projeto de recuperação de resíduos de tinta-esmalte na Bosch Siemens Continental. Usada na pintura dos eletrodomésticos produzidos pela empresa, os resíduos dessa tinta constituíam sério problema. Segundo o diretor da Qualitá João Carlos Vilela, a obra permitiu reapro­veitamento de 100% do material, com grandes benefícios econômicos para a contratante. Vilela aponta como seus principais concorrentes a Ambiental Laboratório e Equipamentos Ltda., a Efluentes Consultoria Industrial e a Ecolife Consultoria e Comércio Ltda., além da já citada EP Engenharia do Processo. Ressalta ainda que em São Paulo, a grande maioria das prestadoras de serviço na área ambiental pertencem a ex-funcionários da Cetesb ou Sabesp.

Diagnóstico ambiental, recuperação de solo e de águas subterrâneas, avaliação e execução da remediação em casos de derramamento e acidentes, estudos de impacto ambiental (EIA) e emissão de relatórios de impacto no meio ambiente (Rima), também são serviços oferecidos por vários desses prestadores.

Química e Derivados: Serviços: J. Peter, da Rueckert, produz 600 cosméticos diversos.
J. Peter, da Rueckert, produz 600 cosméticos diversos.

Terceirização da produção – Em alguns segmentos industriais, como o de cosméticos, é de hábito a contratação de serviço de fabricação em unidades industriais de terceiros. São pelo menos dez as grandes empresas em São Paulo dedicadas a esse tipo de produção, tendo a primeira surgido há 20 anos. Segundo Johnny Peter, diretor geral da Rueckert do Brasil, o total de pres­tadores no País chega a 50, incluindo pequenos e médios.

Presente no primeiro mundo (Suíça e Estados Unidos), a Rueckert está instalada no Brasil em uma área fabril de 2,8 mil m2, com capacidade atual para produção de 12 t/dia, ou 3 milhões de unidades por mês de produtos acabados. Os interessados podem contratar a produção de colônias, batons, cremes, loções, géis, xampus, máscaras, hidratantes, reparadores de pontas, relaxantes, produtos para tratamento facial, desodorantes, sabo­netes líquidos, condicionadores, bron­zeadores e outros.

A Rueckert tem cerca de 60 clientes no País, fabricando perto de 600 produtos diferentes. A produção míni­ma aceita é de mil peças ou de 300 kg, dependendo do tipo de produto. O serviço é pago pela quantidade pro­duzida. Os acordos variam caso a caso, mas em geral, parte das matérias-primas são compradas pela Rueckert, enquanto os ativos e essências são fornecidos pelos clientes.

Os terceirizadores em geral ofe­recem gratuitamente assessoria no desenvolvimento das formulações cosméticas e no seu registro junto ao Ministério da Saúde. Lipson Cos­méticos Ltda., Haya Cosméticos, Mary Hill Perfumes Bioskin Cosméticos são outros exemplos de prestadores deste tipo de serviço. Já empresas como a Aercamp e a Aerogas não fabricam, apenas envasam para terceiros produtos em aerossol, como inseticidas, cupin­cidas, óleos lubrificantes, produtos veterinários, agrícolas e cosméticos.

Também no segmento farmacêutico é possível contatar serviços de produ­ção. A Billy Farmacêutica Ltda. além dos próprios produtos da marca Euro­farma, presta serviços de fabricação para terceiros, de produtos veterinários e fármacos. A terceirização responde por cerca de 30% da produção da empresa. Os clientes fornecem as matérias-primas, formulações e instru­ções de fabricação. Com freqüência, antes da comercialização, executam análises para controle da qualidade do produto manufaturado.

Algumas indústrias terceirizam apenas algumas etapas do seu processo, como a recuperação de solventes. A solução mais econômica e ambien­talmente segura para a destinação de solventes contaminados é sua reci­clagem de acordo com as orientações e disposições legais existentes. A Adesol Produtos Químicos Ltda. presta este serviço para indústrias químicas, seguindo os procedimentos exigidos pela Cetesb. São cobrados de R$ 0,50 a R$ 2,00 por litro de solvente recu­perado, dependendo do tipo de produto e do seu grau de contaminação. Exem­plos de solventes cujas recuperações são freqüentemente solicitadas in­cluem: álcoois, solventes aromáticos (tolueno e xileno), organoclorados (percloroetileno) e acetona.

Já a empresa Fulltev Ind. e Com. Ltda., instalada há 15 anos em Mauá-SP, especializou-se na recuperação de óleos térmicos sintéticos, de baixo e alto pontos de ebulição, sendo in­clusive, conforme informação de Rogério Piccoli, do departamento. comercial, indicada pela própria Dowtherm, fabricante do produto, para tal atividade. São contratantes desse serviço: Rhodia-Ster, DuPont e Basf, dentre outros. O óleo impuro é enviado à Fulltev para ser tratado, readquirindo suas características originais. Antes de devolvê-lo ao cliente, uma amostra é analisada pela própria Dowtherm para aprovação. O cliente recebe o produto purificado, e o resíduo removido, é incinerado. Recuperações de solventes como glicerol, etileno e propile­noglicol, ou plastificantes, como diisobutilftalato ou diisoctilftalato, também podem ser realizadas por essa prestadora.

Para empresas que usam óleos solúveis em água, a Fulltev oferece serviços de destinação final do produto usado. Com autorização da Cetesb, após separação da mistura óleo/água, o fluido orgânico é incinerado, sendo fornecido à empresa o atestado refe­rente. A água é encaminhada à rede coletora da Sabesp, também com atestado de destinação. Os serviços são cobrados por litro de óleo processado, sendo o valor calculado em função do seu estado de degradação. Para presta­ção desses serviços, a empresa conta com uma unidade de evaporação em aço inox 304, com capacidade de 1,5 toneladas por dia, e duas unidades de destilação, uma descontínua e outra contínua, com capacidades de duas e 12 toneladas por dia, respectivamente.

Micronização e tambores – Operações de moagem e micronização também podem ser contratadas, por exemplo, junto a Hermes-Collore Ind. e Com., de Indaiatuba-SP. Especializada na comercialização de pigmentos orgâ­nicos e inorgânicos, a empresa, estabe­lecida desde 1982, iniciou há dois anos a prestação de serviço de moagem ultrafina de sólidos secos. A terceiri­zação do serviço de moagem é uma forma econômica de enobrecer o produto em questão, sem necessidade de altos investimentos em equi­pa­mentos, manutenção e em pessoal especializado. O me­nor tamanho das partículas favorece em muito os re­-sultados de reações químicas, dis­persões, misturas, com­bustão, impres­são gráfica e outros.

A ação de moinhos de im­pacto mecânico não é efi­ciente para obter partículas abaixo de 20 micra. O pro­cesso da Her­mes-Collore usa ar comprimido seco e isento de contaminantes, que pro­voca o choque entre as partí­culas. Esse processo é indi­cado para materiais sen­síveis à tempe­ratura, como os antibióticos. Podem ser obtidos pro­dutos finais na faixa de 0,5 a 45 micra. Segundo o diretor João Pedro Altmann, os grandes usuários desse serviço são os fabricantes de pigmentos, como a Clariant.

Também a destinação das emba­lagens usadas na indústria quí­mica, tais como tambores, bombonas e con­tainers, requer procedimentos adequa­dos. Há empresas como a Tambor-line Recu­peradora de Tam­bores Ltda. que adquirem essas emba­lagens e tratam-nas adequadamente, removendo os resíduos nelas contidos e recuperando-as. A empresa está credenciada pela Cetesb para prestar esse serviço.

Serviços laboratoriais – Determinações analíticas sem condições de serem feitas no laboratório de controle de qualidade de uma indústria química podem ser terceirizadas. O Guia das Análises’2000, publicação anual da Editora QD Ltda., é um vasto banco de dados de prestadores desse tipo de serviço. Trata-se de uma lista de produtos e segmentos da indústria química em ordem alfabética, seguidos das análises normalmente neles reali­zadas, indicando as empresas públicas ou privadas que as realizam para terceiros.

Na edição de 2001, a ser publicada em julho, novos integrantes estarão aparecendo pela primeira vez, como por exemplo a Basf. Em recente decisão, a empresa optou por oferecer aos interessados sua bem equipada estrutura analí­tica. Poderão ser solici­tadas análises ao setor de intem­perismo acelerado, onde exis­tem equipamentos como salt pray, câmara úmida, weather-o-meter e outros. Seu labo­ratório analítico está disponível para espectro­fotometria no infravermelho, cromatografia (gasosa e lí­quida) e calorimetria dife­rencial de varredura.

A Basf, porém, não é a primeira grande empresa a buscar na prestação de servi­ços uma complementação para o orçamento laboratorial. O departa­mento de meio am­biente da Bayer S.A., localizado em Belford Roxo-RJ, há alguns anos presta serviços de análises em amostras de água e efluentes, como determinação de dioxinas, DBO (de­manda bio­química de oxigênio), DQO (demanda química de oxigênio) e várias outras.Outra grande empresa, a Solvay, buscou solução diferente para reduzir custos: desativou seu controle de qualidade e terceirizou-o aos próprios funcionários, que criaram a Conceito Tecnologia Química S/C Ltda. A prestadora, que ocupa as mesmas instalações e equipamentos já exis­tentes, levou à eliminação da neces­sidade de contratação da mão-de-obra, reduzindo as despesas de forma significativa.

Química e Derivados: Serviços: Eliana, da Micropress, calibra instrumental analítica.
Eliana, da Micropress, calibra instrumental analítica.

Calibração de instrumentos – Além da necessária manutenção, os instru­mentos usados na realização das análises laboratoriais também obrigam a busca de serviços de calibração, com número expressivo de prestadoras.

Atuando há 23 anos nesse mercado e detentora da certificação ISO 9002, a Microprecs Microprecisão Técnica Ltda. segundo informa a coordenadora de vendas Eliana Amaral, oferece serviços de manutenção e calibração de inúmeros instrumentos de medição, desde os usados em concessionárias de veículos, como os calibradores de pneus, ou medidores de pressão de óleo, até os encontrados em hospitais, como monitores cardíacos, monitores de pressão e outros.

A empresa tem condições técnicas de calibrar equipa­mentos para medir dimensões, massa, força, pressão, assim como instru­mentos ópticos e elétrico-eletrônicos.

Laboratórios químicos que precisem calibrar picnômetros, densímetros, balanças eletrônicas, analíticas e semi-analíticas, pHmetros, viscosímetros ou refratômetros, podem contratá-la. A calibração de um pHmetro digital custa R$ 120,00. Empresas como Oxiteno, Dragoco Perfumes e Aromas e BYK Química e Farmacêutica aparecem em sua lista de clientes.

Revendedores de equipamentos também oferecem esse tipo de serviço. Por exemplo, calibrações de aparelhos para análise térmica, como analisadores termogravimétricos, ou de instrumentos usados nas aferições ligadas à saúde e à higiene industrial, como deci­belí­metros, bombas para amostragem do ar e outros, são feitas pela dpUnion Instrumentação Analítica e Científica Ltda., fornecedora desse tipo de instrumental analítico. Em geral o usuário desse tipo de serviço busca empresas que pertençam à RBC (Rede Brasileira de Calibração).

A KNWaagen Balanças e Equipa­mentos de Precisão Ltda. é uma das integrantes da RBC. Executa calibração de pesos-padrões de 1 mg a 600 kg e de balanças até 3 toneladas. No labo­ratório de volumetria podem ser calibradas micropipetas, pipetas, seringas, buretas digitais, dispensadores e outros equi­pamentos volumétricos com capaci­dade desde 0,1 ml até 20 litros.

Outra empresa dedicada à prestação de serviços na área metrológica é a Quimlab Química e Metrologia. Sedia­da no Campus da Universidade do Vale do Paraíba, desenvolve e comercializa padrões químicos rastreados ao Na­tional Institute of Standards and Technology (NIST), localizado nos EUA. Os padrões são desenvolvidos em parceria com a Universidade de São Paulo, sendo o projeto financiado pela Fundação Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

A Quimlab faz parte do Subcomitê de Metrologia em Química que está sendo organizado pelo Inmetro/IPT para normalização de ensaios químicos, intercâmbios laboratoriais e fabricação de materiais de referência. A empresa produz padrões de calibração para pH, condutividade iônica, atividade iônica (F-, Cl-, Na+, K+, Ag+), comprimento de onda (UV, visível e infravermelho), absorbância e transmitância (UV e visível), elementos para absorção e emissão atômica, além de padrões primários para volumetria.

Há ainda alguns outros serviços necessários em um laboratório. Por exemplo, alguns procedimentos ana­líticos e de amostragem, requerem a utilização de vidraria ou instrumental específico, não encontrado à venda para pronta entrega. Empresas como An­drade’s Com. de Materiais para Labo­ratório, Vidrolabor – Astra Brasil Ind. de Vidros e Laborglas Ltda. fabricam vidraria ou utensílios em inox sob encomenda, bastando apresentação de um desenho detalhado da peça desejada.

Terceirização em P&D – A custosa infra-estrutura de um laboratório de pesquisas muitas vezes torna inviável às pequenas empresas o desen­vol­vimento de novos produtos e for­mulações. Buscando viabilizar essa atividade, instituições públicas e privadas oferecem serviços nessa área.

Um exemplo são as empresas juniores, associações civis, sem fins lucrativos, constituídas por alunos de graduação de estabelecimentos de ensino superior, que prestam serviços e desenvolvem projetos nas suas áreas de atuação, sob a supervisão de professores e profissionais especia­lizados.

As empresas juniores têm a natu­reza de uma empresa real, com diretoria executiva, conselho de administração, estatuto e regimentos próprios, e ainda uma gestão autônoma em relação à direção da faculdade, centro acadêmico ou qualquer outra entidade.

Os custos dos projetos são bem inferiores aos de uma empresa de consultoria privada, por utilizar mão-de-obra de estudantes não sujeita à mesma carga tributária. A qualidade do serviço é garantida pela orientação dos professores das escolas onde essas empresas estão estabelecidas ou, em alguns casos, pelo auxílio de profis­sionais da área.

As empresas juniores foram criadas com o objetivo de proporcionar ao estudante a aplicação prática de conhecimentos teóricos, relativos à sua área de formação profissional especí­fica; desenvolver o espírito crítico, analítico e empreendedor do aluno; intensificar o relacionamento empresa/escola; valorizar a instituição de ensino como um todo, facilitando o ingresso de futuros profissionais nela graduados no mercado de trabalho; e contribuir com a sociedade, pela prestação de serviços, proporcionando ao micro, pequeno e médio empresário um trabalho de qualidade a preços aces­síveis. All Química, Inovação Química e QJPC – Química Projetos & Consul­toria são as empresas juniores dos Institutos de Química da Unicamp, USP e Unesp de Araraquara, respectiva­mente.

Outras formas de prestação de serviços técnicos são oferecidas pelas instituições públicas. Na Universidade de São Paulo (USP) existe o Disque Tecnologia, criado em setembro de 1991, em parceria com o Sebrae-SP (Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo).

A proposta do Disque Tecnologia é oferecer às empresas ou empreen­dedores a competência da USP para a solução de problemas específicos de natureza tecnológica ou de gestão. São atendidas empresas de todos os seg­mentos, sendo as do ramo químico responsáveis por um número expressivo de consultas, que já somam 15 mil. As solicitações podem ser apresentadas por carta, telefone, fax, e-mail ([email protected]) ou, ainda, pessoalmente.

Atualmente, são recebidas 15 por dia, das mais variadas regiões do País. Em média, as consultorias são con­cluídas em dez dias. A estrutura do Disque Tecnologia já inspirou a criação de serviços similares em 16 instituições no País e duas na Argentina. A maioria dos usuários do serviço é formada por empreendedores potenciais (55%), seguidos de empresas (39%) e profis­sionais liberais (6%).

O atendimento às consultas envol­veu, nos últimos quatro anos, 44 unidades e órgãos da universidade, com a colaboração de docentes (20%), técnicos (2%), estudantes de pós-graduação (2%), estudantes afiliados às empresas juniores (27%) e parceiros tecnológicos externos (24%).

Serviços de consultoria em pesquisa e desenvolvimento também são ofere­cidos pela iniciativa privada. Algumas prestam consultoria para segmentos industriais específicos. É o caso da Sucro Álcool Química & Consultoria Ltda. Localizada em Araraquara-SP, a empresa atende há 15 anos as destilarias de álcool, fornecendo assessoria nos processos de produção, tratamento químico de água etc. Outras atendem a segmentos diversos, oferecendo um leque de serviços como faz a P&D Consultoria Química de São Paulo, criada em abril de 1987. Contando com um corpo técnico experiente a empresa já desenvolveu para terceiros, nesses quase 14 anos de existência, inúmeros produtos e processos, como o de produção de tiossulfato de amônio, fenolftaleína, argamassa autonivelante ou verniz contendo cápsulas de essência (ver QD – novembro de 2000).

Podem ser contratados serviços completos, que terminam com o acompanhamento da produção indus­trial, ou só algumas etapas do desen­volvimento, do tipo pesquisa biblio­gráfica. O acesso a bancos de dados internacionais e um cadastro de tradu­tores técnicos das mais variadas línguas, incluindo, russo, japonês e chinês, são algumas facilidades usadas pela em­presa para o bom embasamento teórico dos projetos. Seus convênios com várias instituições de ensino e pesquisa em todo o País reduzem os custos da etapa experimental. Além do desen­volvi­mento de novos produtos, a P&D terceiriza também serviços de meto­dologia analítica, desde a assessoria na implantação de um laboratório com­pleto, para controle físico-químico da qualidade, até apenas a pesquisa de método para uma única determinação analítica.

INMETRO credencia RBC na calibração

O movimento da qualidade no Brasil e a substituição da política econômica protecionista estimularam de forma expressiva a busca por serviços metrológicos, o que suplantou a capacidade de atendimento dos laboratórios do Inmetro. Com o objetivo de oferecer uma infra-estrutura de serviços que atendesse a essa demanda, foi criada, em 1980, a Rede Brasileira de Calibração (RBC).

Química e Derivados: Serviços: Expolabor mantém show-room só com fornecedores .
Expolabor mantém show-room só com fornecedores .

Constituída por laboratórios vinculados a indústrias, universidades e institutos tecnológicos, credenciados pelo Inmetro, a RBC congrega instituições habilitadas à realização de serviços de calibração. O credenciamento subentende a comprovação da competência técnica, credibilidade e capacidade operacional do laboratório.

A concessão do credenciamento é atribuída pelo Inmetro, por intermédio da Divisão de Credenciamento de Laboratórios de Calibração, vinculada à Diretoria de Metrologia Científica e Industrial. Efetua-se em conformidade com procedimentos internacionais de “acreditação” constantes do ISO/IEC Guide 25 (1990), disponíveis em publicação própria do Inmetro.

Cursos de atualização proliferam no país

Manter seus funcionários em dia com as atualizações tecnológicas ou suprir algumas carências de formação é outra necessidade das indústrias químicas. Visando atendê-la, cursos de atualização ou reciclagem de conhecimentos são oferecidos regularmente aos profissionais da Química por vários prestadores de serviços. Um exemplo é a Expolabor, entidade sem fins lucrativos, criada em 1980, que reúne várias empresas do mercado brasileiro de produtos para laboratórios, tais como fornecedores de bancadas, capelas, equipamentos nacionais e importados, reagentes, vidrarias, engenharia, assistência técnica e serviços. Entre elas estão a Bronzinox, Varian, Vidy e White Martins. A Expolabor dispõe de Show-Room de cerca de 400 m2, onde são expostos em funcionamento permanente produtos de todas as empresas associadas. Permanece aberto para visita dos técnicos da área.

Química e Derivados: Serviços: Patrícia assessora o marketing da Expolabor.
Patrícia assessora o marketing da Expolabor.

Segundo a assessora de marketing Patrícia Pacheco, um dos principais objetivos da Expolabor é fornecer informações aos profissionais de pesquisa, indústria, ensino e saúde, no que diz respeito ao laboratório, desde o projeto civil até a especificação de equipamentos e suprimentos.

A empresa realiza anualmente cerca de 20 cursos e seminários técnicos ministrados por profissionais qualificados. A programação é voltada à área analítica, sendo os cursos ministrados em suas próprias instalações, na Rodovia Régis Bittencourt.

Os fabricantes e revendedores de instrumentos analíticos também fornecem periodicamente cursos sobre seu funcionamento. Assim, a PerkinElmer do Brasil oferecerá ao longo de 2001, cursos sobre cromatografia, incluindo conhecimentos básicos/aplicados de CG e HPLC, além de técnicas especiais como HeadSpace, dessorção térmica, CG/MS, etc.; espectroscopia atômica, onde serão tratados princípios e aplicações da espectroscopia de absorção atômica (EAA) e de emissão com plasma (ICP); espectroscopia molecular, abordando conceitos básicos e aplicados de espectroscopia de infravermelho (FTIR) e UV-visível e análise térmica, com introdução, princípios, instrumentação e aplicações dessa técnica. Os cursos podem ser ministrados na PerkinElmer ou na empresa interessada.

A Racine Qualificação e Assessoria Ltda. é outra empresa totalmente dedicada a ministrar cursos aos profissionais que trabalham no setor cosmético e farmacêutico. Um deles é o Curso Racine de Cosmetologia Express, com aulas teóricas e prática em laboratório, em quatro finais de semana, num total de 80 horas/aula. O curso, pelo qual já passaram mais de 600 profissionais, engloba os fundamentos técnicos e mercadológicos para a criação e desenvolvimento de cosméticos.

Também a P&D Consultoria Química oferece mensalmente, em parceria com o CRQ – Conselho Regional de Química – IV Região, dois cursos: “Técnicas de Pesquisa e Desenvolvimento na Indústria Química” e “O Laboratório de Controle de Qualidade: implantação e funcionamento”, ambos com sete horas de duração. No primeiro é descrita a técnica adotada pela empresa nos projetos de desenvolvimento executados para seus clientes, que inclui embasamento teórico, elaboração de plano de ensaios em bancada, testes de laboratório, escala piloto e implantação industrial.

Controle de custo nos projetos e exemplos práticos fazem parte do programa. No outro curso são descritas as etapas envolvidas na implantação de um laboratório de controle físico-químico da qualidade, incluindo indicação de fontes de metodologia confiável, e revisões de conceitos de lay-out, segurança, correto manuseio da vidraria, entre outros. Também nesse caso é possível que os cursos sejam ministrados em outros locais a combinar.

Vários outros serviços são ofertados para as indústrias químicas, como auxílio no registro de alimentos, cosméticos e fármacos junto ao Ministério da Saúde; pesquisas de mercado executadas por profissionais de formação técnica; manutenção preditiva de equipamentos; e consultorias especializadas em preparação para certificação ISO. Não há, entretanto, um diretório ou guia que permita uma rápida localização do prestador necessário. Buscando suprir esta carência de modo a beneficiar os prestadores de serviços e usuários, a P&D Consultoria Química dispõe de cadastro interno com mais de 280 prestadores de serviços técnicos listados à disposição dos interessados. Para isso, é só ligar para (11) 5579-1239 ou para o e-mail [email protected].

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.