Rio Pipeline: Brasil investe nos dutos – Pré-sal e etanol justificam os investimentos de US$ 8 bi na malha nacional de dutos, o quarto melhor mercado do planeta

Os fóruns trarão abordagens mais específicas, como modelagem de taxa de corrosão, para prever a integridade futura com maior confiabilidade, e assuntos relevantes, como as novas tecnologias e os grandes desafios na construção e montagem de dutos terrestres. Minerodutos e alcooldutos entram definitivamente
para a pauta da Rio Pipeline, que vai analisá-los em dois fóruns: a questão dos dutos como opção para a exportação de biocombustíveis e a expansão dessa alternativa como meio de transporte de minérios.

“A construção de alcooldutos é um olhar para o futuro”, afirma o diretor da Transpetro, Marcelo Rennó, agregando que o Brasil deve aproveitar todo o seu conhecimento sobre a indústria para se transformar em uma grande plataforma na exportação do trabalho de dutos para o Cone Sul.

O gran finale da feira e conferência brasileira do setor será um painel em que será discutido o futuro da indústria mundial de dutos, com a participação de especialistas da China, Arábia Saudita, Turquia, Estados Unidos e Canadá. Terá como moderador Rogério Manso, vice presidente- executivo da Brenco (Companhia Brasileira de Energia Renovável), que tem em sua bagagem mais de duas décadas de bons serviços na Petrobras, da qual chegou à diretoria de Abastecimento. A diretora de Gás e Energia da Petrobras, Maria das Graças Foster, que também é chairwoman da Rio Pipeline, vai encerrar a festa, destacando a tendência de expansão da malha dutoviária, em razão dos novos patamares de produção de petróleo.

“A Rio Pipeline é um grande centro de encontro de profissionais do setor para a troca de informações, atualização de conhecimentos, discussões sobre tendências e expectativas da indústria. O evento oferece espaço para as empresas, instituições de pesquisas e desenvolvimento mostrarem novas aplicações tecnológicas e experiências”, destaca Ernani Filgueiras. “Essa troca é fundamental para o desenvolvimento da indústria mundial de dutos, e contribui também para a constituição de novas parcerias e negócios, além de ser um canal de relacionamento profissional muito eficaz.”

Química e Derivados, Marcelo Rennó, Diretor de Gás Natural da Transpetro e coordenador da Comissão de Dutos do IBP e do comitê organizador da Rio Pipeline 2009, Rio Pipeline
Marcelo Rennó: transporte do etanol abre novas oportunidades

“A proposta da Rio Pipeline é trazer o que há de mais novo em todas as áreas no transporte por dutos por meio da visão de especialistas do mundo inteiro”, conclui Marcelo Rennó, presidente do Comitê Técnico da Conferência.

 

 

 

 

 

Destaque da exposição (Texto produzido com base nas respostas enviadas pelas empresas que atenderam ao convite feito por Química e Derivados a todos os expositores.)

 

CHEMTECH

Empresa do grupo Siemens, terá estande para mostrar aos visitantes as soluções que desenvolveu para as áreas de engenharia, controle/automação, logística e operação, análise de riscos, avaliação ambiental, confiabilidade e segurança operacional. Durante o congresso, apresentará palestra sobre simulação de fluxo transiente não-isotérmico em redes de gasodutos, estudo financiado pela Finep, Petrobras e Chemtech, executado em parceria com a UFRJ e a própria companhia.

CTDUT

Centro compartilhado de tecnologia, atualmente com mais de 40 associados, oferece instalações em escala real para prestação de serviços, pesquisas e treinamentos em dutos. Conta com um duto de testes de 14 polegadas com defeitos inseridos e mapeados, para uso em testes de acessórios e treinamentos. O centro mantém um laboratório de integridade estrutural para ensaios destrutivos e não-destrutivos, um conjunto de tubos de 6 a 16 polegadas para testes de equipamentos e uma área dedicada a treinamentos em proteção catódica. Estão sendo construídos outros dois loops com 2,5 km, um de óleo e outro de gás. Na feira, lançará um glossário de termos do setor no formato “wiki”.

FT AUTOMAÇÃO

Química e Derivados, Fibra óptica monitoria tubos, Rio Pipeline
Fibra óptica monitoria tubos

A FT Automação/Flowtech lançará na Rio Pipeline um sistema de monitoramento de dutos com sensores de fibra óptica, com características muito superiores aos sistemas de sensoriamento convencionais. A novidade consegue medir temperaturas e tensões em milhares de pontos ao longo da fibra óptica, dados fundamentais em dutos. Pode detectar vazamentos, verificar parâmetros operacionais dos dutos, prevenir falhas em áreas de desmoronamento e otimizar o transporte de óleo a partir de poços. Além da novidade, a empresa exibirá sua linha de produtos para medição de vazão de líquidos e gases, bem como os dispositivos eletrônicos para leitura e transmissão de dados, chaves de nível e sensores. Com mais de vinte anos de mercado, a FT também atua em equipamentos para áreas classificadas, contando com engenharia própria de projetos e instalação.

Página anterior 1 2 3 4 5Próxima página

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios