Máquinas e Equipamentos

31 de agosto de 2017

Revolução tecnológica promoverá integração dos sistemas de produção em tempo real – Abiquim

Mais artigos por »
Publicado por: Quimica e Derivados
+(reset)-
Compartilhe esta página

    Química e Derivados, Centro de tecnologia da IBM, em Munique, gera sistemas de gestão avançada

    Centro de tecnologia da IBM, em Munique, gera sistemas de gestão avançada

    Indústria 4.0 contará com monitoramento remoto de processos e demandará mudanças no perfil dos profissionais. Tema será um dos destaques do Seminário Abiquim de Tecnologia e Inovação.

    Ao longo da história, processos inovadores promoveram o aumento e melhoria na produção. Atualmente os processos industriais passam por sua quarta revolução, também chamada de Indústria 4.0. Ao contrário das outras revoluções industriais, que foram observadas e diagnosticadas posteriormente, pela primeira vez os acontecimentos e as ações para promover as mudanças são previstas como tendências.

    A primeira revolução industrial aconteceu na Inglaterra entre os anos de 1760 e 1860 e promoveu a utilização do carvão como fonte de energia e, por consequência, o desenvolvimento da máquina a vapor. A segunda revolução industrial, que aconteceu de 1870 até a primeira guerra mundial, promoveu o emprego da energia elétrica e o uso do motor a combustão. Já a terceira revolução industrial foi marcada pelo início do uso da energia nuclear na década de 1950 e a implantação da robótica na década de 1970.

    Química e Derivados, Arouche: indústria terá maior capacidade de monitoramento

    Arouche: indústria terá maior capacidade de monitoramento

    O conceito de Indústria 4.0 foi apresentado em 2011, na Feira de Hannover, principal evento mundial de tecnologias para a indústria. Mas se originou no projeto High Tech Strategy, lançado pelo governo alemão em 2006, com o objetivo de aumentar a produtividade da indústria por meio da inovação e elevar sua competitividade para concorrer com o mercado asiático. Deste projeto nasceu o plano de ação High Tech Strategy 2020, lançado em 2010, que incluía o conceito da quarta revolução industrial, regida pela habilidade de operação em tempo real com a aquisição e tratamento de dados de forma instantânea, possibilitando a tomada de decisões simultaneamente; e a virtualização, criação de uma cópia virtual de cada fábrica inteligente, o que permite a rastreabilidade e o monitoramento remoto de todos os processos por meio de sensores distribuídos na planta industrial.

    A implementação do conceito também depende da descentralização do sistema cyber-físico, objetos com software integrado e conectados entre si ou via internet para formar um sistema único em rede, o que é possível pelo desenvolvimento da Internet of Things (IoT) e permite a possibilidade de tomar decisões conforme as necessidades de produção em tempo real, pois as máquinas recebem e fornecem informações sobre seu ciclo de trabalho. Como consequência, a produção é dimensionada conforme a demanda.

    Segundo o consultor da IBM Brasil para a indústria química, Luis Arouche, para uma planta ser considerada Indústria 4.0 é necessário que equipamentos, sensores e pessoas estejam conectados e se comunicando entre si. “Por meio dos sensores é gerada uma cópia virtual do mundo físico com a finalidade de explorar estes dados. Com isso, os sistemas podem apoiar os humanos a tomarem decisões e resolverem problemas, assim como apoiá-los com atividades muito complexas ou perigosas. E, em seu último estágio, pode-se capacitar os sistemas para que tomem decisões por conta própria e tornem-se mais autônomos possíveis”.

    O diretor-executivo da VDI Brasil (Associação de Engenheiros Brasil – Alemanha), Johannes Klingberg, explica que a transformação digital na indústria se dá muito mais em termos de conectividade dos meios de produção do que da introdução de novas tecnologias. “Ferramentas como robótica, computação em nuvem ou machine learning já estão disponíveis faz tempo. A novidade é a integração destas ferramentas, que passam a elaborar soluções ótimas de produção de forma autônoma e todos os meios de produção precisam se comunicar entre si para elaborar de forma cooperativa e automatizada as soluções para a produção”.

    Para o líder de Mercado da Ecolab, Jatyr Drudi Junior, o monitoramento feito por computadores nas indústrias químicas está diretamente ligado à Indústria 4.0. “A automação dos processos produtivos assegura maior produtividade e menor variabilidade das etapas produtivas com consequente ganho de qualidade do produto final. A comunicação online entre os diversos equipamentos suporta um nível superior de produtividade e ganho de competitividade”.

    A Ecolab possui a tecnologia de monitoramento para sistemas de tratamento de água, 3D TRASAR, que possibilita a produção em tempo real de relatórios detalhados em uma página na internet, permitindo uma resposta proativa às mudanças ou problemas. “Para a gestão e controle dessa tecnologia contamos com um centro de monitoramento contínuo, o System Assurance Center, que acompanha todos os dados dos sistemas de nossos clientes, 24 horas por dia, 7 dias da semana. Qualquer alteração significativa é informada ao vendedor especialista Ecolab e ao cliente e em caso de urgência, alarmes são disparados em seus celulares. Tudo isso gera mais segurança e confiança para o cliente e um melhor resultado para todos”, explica Drudi Junior.


    Página 1 de 212

    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *