Têxtil

Química Têxtil: Regras ambientais forçam a banir substâncias agressivas

Quimica e Derivados
18 de setembro de 2019
    -(reset)+

    Química e Derivados - Dougall: produção da unidade de Cajamar-SP segue normas globais

    Dougall: produção da unidade de Cajamar-SP segue normas globais

    O grupo alemão CHT, que há mais de 65 anos oferece produtos químicos, auxiliares e aditivos para vários setores industriais, inclusive o têxtil, tem se dedicado à produção de químicos amigáveis ao meio ambiente. Lawrence Alexander Dougall, diretor geral da CHT no Brasil, cita como exemplo a linha OrganIQ, de produtos verdes para a área de lavanderia de jeans, que substitui químicos agressivos, por exemplo, o permanganato. “Como empresa global, a CHT atua de uma forma única, trazendo soluções que economizam água, energia e recursos. Portanto, os níveis de exigências na Europa e nos EUA são aplicados em todos os mercados onde a empresa está presente. Por exemplo, nós não produzimos auxiliares à base de nonilfenóis etoxilados, devido a sua pouca biodegradabilidade. Hoje, somos parceiros das marcas globais mais sustentáveis”.

    Membro da Mesa Redonda Global da Indústria Química (GCIRT), um grupo formado pelos principais fornecedores de soluções químicas em conformidade com o programa ZDHC, a CHT é atuante no sentido de promover a química sustentável. “A CHT apoia a iniciativa da ZDHC desde o seu começo. A empresa também é auditada pela Bluesign no mais alto nível (3) da ZDHC, com 1.604 produtos em conformidade no Gateway, base de consulta e referência da ZDHC para os nossos clientes. Como integrantes do conselho, observamos um aumento significativo na quantidade de clientes que exigem produtos em conformidade ZDHC, o que nos motivou a registrar nossos produtos no Brasil dentro deste padrão. Hoje temos produtos de fabricação local dentro do Gateway ZDHC”.

    Química e Derivados - Dougall: produção da unidade de Cajamar-SP segue normas globais

    Produção da unidade de Cajamar-SP segue normas globais

    A questão da sustentabilidade tem sido tão discutida no setor têxtil que foi o tema central, juntamente com a Indústria 4.0, da ITMA 2019, maior feira internacional de máquinas, equipamentos e produtos para a indústria têxtil e de confecção, realizada em Barcelona no mês junho. A CHT participou como expositor, apresentando o processo “4Success”, que utiliza produtos para um processo de tingimento sem branqueio, a baixa temperatura e com um processo muito curto que permite economizar água, energia, tempo e reprocesso. Sendo o Brasil um dos principais mercados da CHT global e diante da repercussão do acordo com a UE, Lawrence Dougall considera que a indústria local deve ser cada vez mais competitiva em direção à produção limpa e livre de substâncias tóxicas. “Já existem normativas no Brasil da ABNT, referentes às restrições de uso de produtos químicos perigosos. Todos os segmentos da cadeia têxtil devem assumir sua responsabilidade para garantir a competitividade tanto dentro da Europa como do Mercosul”, observa.

    Química e Derivados - Galardo e laboratório da TIQ: Brasil se adaptará facilmente às normas europeias

    Galardo e laboratório da TIQ: Brasil se adaptará facilmente às normas europeias

    Brasileira certificada – A Tremembé Química iniciou suas atividades na cidade de Tremembé-SP, em 1991. No ano passado, inaugurou sua nova fábrica em Taubaté-SP, ocupando área de 16 mil m², com quatro laboratórios de análises, incluindo uma planta piloto. Com capacidade instalada hoje de 2 mil t/mês, a empresa, segundo o diretor de Negócios, Mario Galardo, possui mais de 95% de seus produtos em conformidade com as normas ZDHC, Oeko-Tex, Reach entre outros certificados.

    Durante alguns anos, a TIQ, como é conhecida no mercado têxtil, atuou em parceria com a multinacional Avebe no segmento de engomagem de fios. Com o fim da parceria, a Tremembé se voltou para a gama de auxiliares químicos que abrange os processos de pré-tratamento e beneficiamento. Mario Galardo comenta: “Com relação à saída do segmento engomagem, a decisão foi tomada porque a operação só é viável quando se tem uma fecularia (fábrica que produz gomas de amido) própria aqui no Brasil. Naquela oportunidade, tínhamos apenas parceria com um fabricante, dessa forma, resolvemos focar no segmento em que realmente temos capacidade e know-how. Por essa razão, hoje oferecemos em nosso portfólio produtos para desengomagem têxtil, todos ambientalmente corretos”.

    Química e Derivados - Laboratório da TIQ: Brasil se adaptará facilmente às normas europeias

    Laboratório da TIQ: Brasil se adaptará facilmente às normas europeias

    Ele cita entre a vasta gama produzida pela Tremembé, tensoativos isentos de nonilfenol etoxilado; resinas melamínicas com menos de 0,5% de formol livre; fixadores para reativos completamente isentos de formol e enzimas capazes de fazer purga e alvejamento eficientes em baixas temperaturas. Mario Galardo considera positivo o acordo Mercosul-UE e não vê dificuldades para o Brasil se adaptar à concorrência externa. “A indústria química brasileira já vem há anos sendo norteada pelas diretrizes europeias. Acreditamos muito no crescimento interno se houver destravamento da economia nacional. Prova disso é que inauguramos um site muito maior do que o anterior, totalmente construído com capital próprio”.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *