Cosméticos, Perfumaria e Higiene Pessoal

Protetores solares – Produtos agregam funções

Renata Pachione
28 de agosto de 2020
    -(reset)+

    O setor – O mercado de proteção solar encerrou o ano passado com R$ 1,4 bilhão de faturamento, um crescimento de 16,8% em relação a 2018, segundo o Painel de Dados de Mercado da Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec). Apesar da retração econômica dos últimos anos (altas taxas de desemprego e inflação), nota-se o aumento da conscientização do consumidor brasileiro quanto à importância do uso de produtos de fotoproteção.

    O problema é outro. Há algum tempo, o avanço do setor de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos é comprometido pela tributação. A carga tributária média ao consumidor final do protetor solar é de 35% (esse é um percentual médio, oscilando para cada unidade da federação por conta dos regimes tributários estaduais). Vale dizer que essa categoria passou do oitavo produto mais tributado do setor industrial (em 2014) para o segundo (dados atuais).

    Apesar disso, a indústria brasileira de cosméticos segue investindo em inovações. Na avaliação de Kurebayashi, os produtos cosméticos produzidos no Brasil são hoje uma referência global pela sua qualidade, conceito, segurança, eficácia e sensorial. Esse último quesito, aliás, é uma das principais exigências do consumidor, que não tolera sensorial ruim. O diretor explica que atender essa premissa é um grande desafio, porque os formuladores precisam lidar com a larga paleta de tons da pele e a miscigenação da população, além da variação climática de um país extenso como o Brasil.

    Por falar nas particularidades do mercado nacional, deve-se considerar também a oleosidade da pele do brasileiro, reforçada pelo clima tropical (quente e úmido). Segundo Guerra, essa característica faz com que os protetores solares adquiram textura pegajosa e “derretam” no rosto. “Atuar em cima disso tem sido o maior ponto de diferenciação entre os produtos premium no mercado”, afirma.

    No geral, os fabricantes de protetores solares têm respondido ativamente às tendências e às necessidades dos consumidores. Com a proposta de associar tratamentos específicos à proteção solar facial, a marca Chronos, da Natura, atua em várias frentes. O Natura Chronos Protetor Clareador FPS 70 é um exemplo. Por conta da ação conjunta do extrato da aroeira e da niacinamida, ele age contra a formação de manchas, clareando áreas escurecidas e uniformizando o tom da pele.

    Química e Derivados - Multiprotetor FPS 50 (esq.) e FPS 30 antioleosidade

    Multiprotetor FPS 50 (esq.) e FPS 30 antioleosidade

    O Natura Chronos Protetor Antioleosidade Redutor de Poros FPS 30, por sua vez, contém o prebiótico de babaçu, ativo com ação de absorção e controle da oleosidade, e o P-Refinyl, ativo clássico da dermatologia. Oferecido na versão incolor e em duas cores de pigmentação, o produto possui uma combinação de filtros que proporciona UVB 30 e UVA 10. “Eles atuam absorvendo a oleosidade e minimizando os poros, com controle da oleosidade de forma imediata e ao longo de todo o dia, além de hidratar a pele”, comenta Priscila.

    Outro destaque da linha trata-se do Chronos Fluido Multiprotetor FPS 50, um protetor facial de uso diário que além de proteger a pele das radiações UVA (fator 18) e UVB (fator 50), atua contra agressores que aceleram o envelhecimento precoce. “Ele reduz em 62% a perda de colágeno da pele, hidrata e minimiza os efeitos da interação da poluição com a pele”, diz Priscila. Segundo ela, o protetor possui toque seco e aveludado, além de não apresentar resíduo branco.

    Química e Derivados - Renata: protetor esportivo resiste a 2h debaixo d’água

    Renata: protetor esportivo resiste a 2h debaixo d’água

    Focada no segmento esportivo, a Pink Cheeks também investe em produtos multifuncionais. Não por acaso, os fotoprotetores Pink Stick e Shine foram considerados “o filtro do ano” em 2017 e 2018, sucessivamente, pela Abihpec. O primeiro, aliás, é o carro-chefe da marca. Ele tem fórmula enriquecida com vitamina E, antioxidantes que combatem os radicais livres e o envelhecimento cutâneo, além de oferecer opções de tonalidades que ajudam a uniformizar as imperfeições da pele. “O Pink Stick é composto por filtros químicos nobres e filtros físicos que se complementam para oferecer altíssima proteção contra os raios UVA e UVB”, afirma a publicitária Renata Chaim, responsável pelo marketing da empresa.

    Enquanto o Shine reúne propriedades de proteção solar e de efeito iluminador, com resistência à água e ao suor, em um formato dry oil. Outro destaque da marca fica por conta do Sports’It (FPS 75 e FPUVA 45), eleito o filtro solar do ano de 2019 pela Abihpec. O produto, entre outros atributos, possui resistência – comprovada por laboratórios credenciados – de duas horas de submersão na água, sem perder seu fator de proteção original. Hipoalergênico, não possui cheiro e proporciona toque seco, segundo o fabricante.

    Para Renata, a empresa tem sofrido o impacto negativo do isolamento social. “Mesmo com a necessidade do uso de proteção solar dentro de casa, o consumo cai”, relata. No entanto, os investimentos devem continuar. Em 2019, ampliou a linha de filtro solar e até o final do ano prevê mais um ou dois lançamentos. “A depender da recuperação do mercado depois da pandemia”, avisa.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *