Papel e Celulose

Produção de ácido sulfúrico a partir de gases odoríferos

Quimica e Derivados
13 de novembro de 2020
    -(reset)+

    Experiência Valmet

    Na pequena cidade de Äänekoski, na Finlândia, com uma população de cerca de 20 mil habitantes, foi construída uma das fábricas de celulose mais modernas do mundo, com todas as tecnologias mais recentes, com o intuito de ser pioneira no que o mercado chama de uma fábrica do tipo “biorefinaria”, pois, além de outras vanguardas, é livre do uso de combustíveis fósseis. Lá, a Valmet forneceu para o grupo finlandês Metsä, entre outras áreas da fábrica, a sua primeira planta industrial de produção de ácido sulfúrico a partir de GNCC.

    Química e Derivados - Produção de ácido sulfúrico a partir de gases odoríferos ©QD Foto: Divulgação

    Thomas Timmer trabalha na Valmet há nove anos e atua na área de Processos e Aplicações

    A planta está operacional desde 2017 e produz em média cerca de 85 toneladas por dia, a uma concentração de aproximadamente 60% em peso, o que equivale a uma produção de 50 toneladas por dia de ácido sulfúrico a 100%, sendo assim autossuficiente nesse insumo. Além disso, a qualidade do ácido sulfúrico é bastante superior no que diz respeito a impurezas, quando comparada à do ácido comprado no mercado, com a única diferenciação sendo a concentração final (a de mercado é tipicamente 98% em peso). Entretanto, como em todos os pontos de consumo é feita a diluição do ácido, a concentração de 60% não tem se mostrado um problema para as aplicações em uma fábrica de celulose.

    Essa fábrica de Äänekoski, tem uma produção nominal de 1.300.000 ADt/ano, enquanto no Brasil há pelo menos 5 fábricas já operantes com capacidades ainda maiores. Isso demonstra a enorme possibilidade de retorno financeiro para essa planta, conforme números apresentados anteriormente, através de uma tecnologia muito estudada e com eficácia e operacionalidade comprovada.

    O grupo Metsä voltou a se interessar pela tecnologia da Valmet em 2020, dessa vez para o projeto de uma nova fábrica de celulose na cidade de Kemi (também na Finlândia) para produção de 1.500.000 ADt/ano. Para esse projeto, já está firmado um acordo preliminar no qual a Valmet seria a fornecedora de todas as ilhas de processo da planta, incluindo a instalação de uma nova planta de ácido sulfúrico a partir do GNCC. A decisão final para prosseguimento é esperada para o terceiro trimestre de 2020 e a partida da planta está programada para 2023.

    A Valmet é uma empresa multinacional finlandesa de engenharia, tecnologia e serviços e está no mercado de celulose há mais de 200 anos (60 no Brasil), com larga experiência em todas as áreas de uma fábrica de celulose, sendo capaz e já tendo fornecido uma fábrica completa, desde o manuseio e preparo da madeira até a celulose finalizada e embalada, passando por todo o ciclo de recuperação química. Possui um centro de tecnologia dedicado para o estudo e desenvolvimento na área de “sistemas ambientais” em Tampere, na Finlândia, onde também executa projetos locais como esse de produção de ácido sulfúrico, além de projetos de coleta e incineração de GNCs, lavadores de gases para diversas aplicações, entre outros. A Valmet também é pioneira com seu setor de P&D e automação de processos, tendo sido a primeira a fornecer diversos tipos de solução e equipamentos para os seus clientes, a exemplo do uso de gaseificadores de biomassa para fornos de cal, para substituir combustíveis fósseis como o gás natural ou o óleo combustível por fontes renováveis e mais econômicas.

    No América do Sul, a Valmet possui cinco escritórios, quatro no Brasil e um no Chile. Em Araucária, na região metropolitana de Curitiba-PR, está o escritório central da região, com cerca de 500 funcionários e conta com o portfólio completo dos produtos da empresa, atuando com proximidade aos seus clientes. No mundo, a Valmet está presente em 30 países e conta com mais de 13.000 profissionais.

    Texto: Thomas Timmer

    O AUTOR 

    Thomas Timmer é graduado em Eng. Química pela UFPR, trabalha na Valmet há nove anos e atua na área de Processos e Aplicações,
    na função de Engenheiro de Processos, especializado nas áreas de Caldeira de Recuperação, Caldeira de Força e Sistemas Ambientais, esta última com maior ênfase nos últimos anos. Possui experiência em diversos projetos no Brasil e no exterior, desde o estudo e a concepção da solução até sua conclusão, passando por todos as etapas da engenharia, montagem, comissionamento e start-up, entre outras atividades.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *