Prejuízo da Braskem em 2023

Petroquímica: Braskem tem prejuízo em 2023, mas prevê retomada neste ano

Os resultados da Braskem no quarto trimestre de 2023 apontaram um Ebitda recorrente US$ 211 milhões, totalizando US$ 743 milhões no ano de 2023. A companhia registrou prejuízo da Braskem de aproximadamente US$ 935 milhões em 2023, com um consumo de caixa recorrente, excluindo os pagamentos relacionados às indenizações de Alagoas, de US$ 375 milhões no ano.

Mesmo assim, a diretora de relações com investidores, planejamento estratégico e inteligência de mercado corporativo Rosana Avolio informa que a companhia mantém posição de liquidez robusta, fechando 2023 com um caixa de US$ 3,6 bilhões, montante suficiente para cobrir os vencimentos de dívida nos próximos sete anos, sem considerar a linha de crédito rotativo internacional disponível, no valor de US$ 1 bilhão até 2026. O perfil de endividamento da Braskem permanece bastante alongado, com prazo médio de 12 anos, sendo mais de 60% com vencimento após 2030, como indicou.

Como avaliou a diretora, durante o ano passado, o desbalanceamento entre oferta e demanda global, causado pela entrada de novas capacidades de polietileno e polipropileno nos Estados Unidos e na China, associado ao menor nível de consumo global, resultou em spreads internacionais nas suas mínimas históricas ao longo do ano, pressionando a rentabilidade da indústria química e petroquímica global. A companhia encerrou o ano com uma alavancagem 8,12x, uma redução de aproximadamente 4x frente ao trimestre anterior.

A taxa de utilização das centrais petroquímicas brasileiras no quarto trimestre de 2023 foi de 66%, dois pontos percentuais abaixo do terceiro trimestre devido, principalmente, à parada programada na central petroquímica da Bahia. No mercado brasileiro, o volume de vendas de resinas foi 11% menor em relação ao trimestre anterior, que se explicou pela estratégia de priorizar vendas de maior valor agregado e pela sazonalidade do período.

Em contrapartida, maiores oportunidades comerciais de polietileno e de polipropileno na América do Sul aumentaram o volume das exportações da companhia. Com isso, Ebitda recorrente do segmento no 4T23 foi de US$ 123 milhões, um aumento de 7% em relação ao trimestre anterior e representando 52% do Ebitda consolidado da companhia no trimestre.

A produção de eteno verde foi impactada por restrições no fornecimento de etanol em dezembro, devido as condições climáticas na região do complexo petroquímico do Rio Grande do Sul. Com isso, a taxa de ocupação de eteno verde foi de 62%, 46 pontos percentuais abaixo do registrado no trimestre anterior. Rosana ressaltou que as taxas de utilização no terceiro e quarto trimestre de 2023 já refletiram o aumento de capacidade instalada de eteno verde.

Com relação às vendas, no último trimestre, o volume aumentou em 17%, principalmente em função de maior demanda sazonal, suportado pelos estoques formados depois da expansão de capacidade. A atualização do estudo de sustentabilidade contratado pela Braskem evidenciou que cada quilo de PE verde evita a emissão de aproximadamente 2,12 quilos de CO2 equivalente.

No exterior

Nos Estados Unidos e Europa, a taxa de utilização de capacidades no último trimestre foi de 82%, em linha com o trimestre anterior e com a média do ano, que ficou em 81%. No entanto, o volume de vendas caiu 6% em relação ao trimestre anterior. Nos Estados Unidos, o volume de vendas foi impactado pela sazonalidade do período e pelo processo de desestocagem na cadeia de transformação. No quarto trimestre, o Ebitda recorrente foi de US$ 87 milhões, 45% superior ao 3T23, e isso correspondeu a 37% do Ebitda recorrente consolidado da companhia em dólares no trimestre. Este aumento é explicado, principalmente, pela otimização do mix de vendas e da flexibilidade na compra de propeno naquele país.

Nos Estados Unidos, as plantas de polipropileno localizadas em Oyster Creek, Neal e La Porte performaram acima da média da indústria no período, reportando recordes de produção.

No México, a taxa de utilização do quarto trimestre chegou a 84%, um aumento de 18 pontos percentuais sobre o indicador do trimestre anterior, após a retomada das operações. No ano todo, a taxa de utilização do México aumentou em 5 pontos, para 77%, a maior taxa de utilização anual da operação mexicana nos últimos cinco anos.

A diretora da RI destacou que o suprimento médio de etano pela Pemex foi de 35 mil barris/dia no trimestre, superando o volume mínimo contratual, e a importação média de etano via Fast Track chegou a 18 mil barris por dia. O volume de vendas no México foi menor quando comparado ao trimestre anterior em função, principalmente, da recomposição dos estoques. O Ebitda recorrente no período foi de US$ 26 milhões, quase três vezes superior ao resultado do trimestre anterior, e representou 11% do Ebitda consolidado da companhia em dólares no trimestre.

Prejuízo da Braskem não impede perspectivas animadoras

A diretora Rosana Avolio salientou que as perspectivas do setor petroquímico no Brasil para 2024 “são positivas, com aumento nas taxas de utilização, em função da retomada dos níveis de operação depois das paradas programadas realizadas em 2023, com expectativa do aumento do volume de vendas, principalmente no mercado local”.

Quanto aos spreads, a tendência apontada pelas consultorias internacionais contratadas pela Braskem é de aumento no próximo trimestre, devido aos maiores preços de resinas no mercado internacional, com tendência de estabilização ao longo do ano. Para o PE verde, a expectativa também é positiva tanto na taxa de operação quanto em volume de vendas, em função da retomada do fornecimento de matéria-prima e da consolidação do aumento de produção de eteno verde.

Nos Estados Unidos e Europa, há uma tendência de estabilização nas taxas de utilização das plantas. “Os volumes de vendas devem aumentar no curto prazo, frente à sazonalidade do final do ano, mas devem se manter estáveis na comparação anual”, afirmou. Com relação aos spreads, a perspectiva de aumento no curto prazo é em função do aumento do preço de resinas, mas para o ano a expectativa é de manutenção.

No México, a tendência para o primeiro trimestre é de manutenção da produção, frente ao recente aumento a taxa de utilização, com maior disponibilidade de produto para vendas e maiores spreads gerados pela tendência de queda nos preços de etano e aumento nos preços de polietileno. Para o ano de 2024, a perspectiva é positiva, em todos os indicadores.

“Em 2024, a Braskem continuará focada nas frentes de atuação de criação de valor, que buscam o equilíbrio entre a otimização do portfólio de ativos atuais e a execução dos investimentos de crescimento e de transformação, para assegurar a rentabilidade e higidez financeira”, salientou a diretora.

Roberto Bischoff, CEO da Braskem, acompanhou a visão otimista. “Para 2024, estamos confiantes com o início da normalização do ciclo petroquímico. Há alguma incerteza sobe a velocidade e momento em que isso vai acontecer e momento, mas é esperada uma entrada menor de capacidades produtivas petroquímicas no mundo, variando de produto a produto, mas com certeza com uma redução em relação ao que vinha se percebendo nos últimos anos”, afirmou.

Bischoff comentou que 2023 foi um ano difícil para o setor, com forte desbalanceamento entre oferta e demanda, enquanto o consumo global não se recuperou numa velocidade compatível, derrubando spreads que bateram as mínimas históricas ao longo do ano.

Braskem tem prejuízo em 2023 ©QD Foto: Divulgação
Bischoff: ciclo petroquímico deve se normalizar em 2024

“Se vocês lembrarem, a gente começou com um ano com um nível de spread um pouco mais elevado e a partir de abril/maio a gente viu um agravamento dessa situação, que, na verdade, afetou toda a petroquímica global. Nesse cenário desafiador, mantivemos o nosso compromisso constante com resiliência e a rigidez financeira da companhia. Implementamos diversas iniciativas de redução de custos fixos, de todo tipo, em diversas frentes, otimização de vendas globais e capital de giro operacional que tiveram um impacto relevante, tanto do ponto de vista de resultado, como impacto relevante em caixa”, comentou.

Estratégias de desenvolvimento

Em 2023, a companhia registrou avanços positivos no programa de descarbonização industrial, com o total de 80 iniciativas previstas no roadmap para 2030. Na frente de tecnologia e inovação, foram investidos cerca de R$ 554 milhões em 2023, evidenciando a importância desse importante pilar na estratégia corporativa.

No segmento classificado por Rosana como tradicional, foi concluído o financiamento da construção do terminal de importação de etano no México, pela Terminal Químico Puerto México (TQPM). “Esse investimento representou mais um passo importante em direção a maior disponibilidade e estabilidade de fornecimento de matéria-prima para a Braskem Idesa”, salientou.

Em março de 2023, a companhia comunicou um novo acordo de compra de energia eólica com a Casa dos Ventos, que prevê o fornecimento por até 22 anos. Em novembro, foi inaugurada a usina de produção de energia renovável a partir de biomassa, desenvolvida pela Veolia em parceria com a Braskem. O vapor gerado na usina já está sendo fornecido para as plantas da companhia em Alagoas e contribuirá para a redução potencial de cerca de 150 mil toneladas de gases de efeito estufa anualmente.

No campo dos produtos bio-based, foi concluída em 2023 a expansão da capacidade de produção de eteno verde para 260 mil t/ano, um aumento de 30% em relação à capacidade anterior. Além disso, em agosto, a Braskem e a SCG Chemicals assinaram um acordo para formação de uma joint-venture, a Braskem Siam, com o objetivo produzir eteno verde por desidratação de etanol.

Na reciclagem, a Braskem concluiu a aquisição acionária de 61,1% da Wise Plásticos, empresa brasileira do setor de reciclagem mecânica, e a formação da joint-venture Upsyde, entre Braskem e Terra Circular, na Holanda, que detém tecnologia patenteada e proprietária de reciclagem de resíduos plásticos.

“Também firmamos contratos com fornecedores de matéria-prima circular, como a Nexus nos Estados Unidos e a Vitol na Europa, garantindo parcerias estratégicas nessa cadeia de valor”, informou Rosana.

Prejuízo da Braskem e Impacto de Maceió

O ano passado foi marcado pelo afundamento de uma grande área urbana de Macieó-Al, resultado do colapsamento de câmaras subterrâneas formadas pela extração de sal gema com o uso de poços. O sal é matéria-prima para a produção de soda cáustica e cloro, este usado na síntese de dicloroetano, que depois forma MVC e PVC. A Braskem opera essa indústria na região e está cumprindo um plano de realocação de pessoas e suas habitações, indenizações pessoais e ambientais, bem como a remediação dos danos, incluindo o preenchimento das cavidades subterrâneas, quando possível.

O total de provisões feitas pela Braskem referente ao evento geológico de Alagoas até o momento é de R$ 15,5 bilhões, informou Rosana, dos quais R$ 9,5 bi já foram pagos, aproximadamente R$ 1,1 bi estão registrados em outras obrigações a pagar e cerca de R$ 500 milhões referentes à realização do ajuste a valor presente. “Por fim, ao final do ano de 2023, o saldo provisionado era de R$ 5,2 bi. Adicionalmente, as ações do plano ambiental conforme as provisões realizadas seguem em andamento com expectativa de conclusão em 2028”, relatou a diretora.

O programa de realocação dos moradores continua avançando e, até fevereiro de 2024, 99,6% do programa havia sido executado, sendo 100% o nível de desocupação na área de risco e 98% na área de monitoramento. Quanto às propostas do programa de compensação financeira e apoio à realocação (o PCF), foram apresentadas mais de 99% das propostas estimadas, sendo que cerca de 97,9% já foram aceitas e cerca de 95,1% já foram pagas, com índice de aceitação geral de 99,4%, apontou a diretora.

Com relação ao fechamento e monitoramento de poços, a companhia informou que o grupo de preenchimento com areia tem o total de 13 poços, dos quais, 5 estão com o enchimento concluído e 2 em andamento. Seis cavidades foram recém incluídas após a conclusão das ações de monitoramento e estão em fase de preparação. O grupo de preenchimento natural tem um total de 6 direcionados, sendo que 5 estão em confirmação de preenchimento completo. A cavidade 18, que foi movida recentemente para este grupo, encontra-se em fase de avaliação, com indicação de que não serão necessárias medidas de preenchimento com areia. Por fim, dos 16 poços direcionados para o grupo de tamponamento e pressurização, 7 já estão pressurizados e estão sendo monitorados, e 9 encontram-se em etapa de confirmação de conclusão.

Leia Mais:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.