Pré-Sal coloca o Brasil em destaque no mapa da indústria offshore – OTC 2015

Química e Derivados, OTC 2015: Pré-Sal coloca o Brasil em destaque no mapa da indústria offshoreTodos esperam que os participantes da árdua tarefa de pesquisa e desenvolvimento em offshore, nas empresas, centros de pesquisa e universidades, atentem para o momento crítico mundial da indústria petrolífera. E percebam que, mais do que pesquisas do tipo blue sky, na qual se busca o estado da arte, o momento requer inovações para otimizar custos, assegurar maior confiabilidade e garantir a produção de hidrocarbonetos, gerando receita.

É nesse contexto que se realiza, pela terceira vez no Brasil, entre os dias 27 e 29 de outubro, no Riocentro, o evento internacional com a chancela da Offshore Technology Conference (OTC), um dos maiores da indústria offshore mundial, criado em 1969 por doze entidades do setor nos Estados Unidos.

Foi o pré-sal que acabou por atrair esse congresso para o país, da mesma forma que motivou investidores, companhias petrolíferas e toda uma cadeia de fornecedores a se posicionar por aqui. Muitos deles com plantas fabris e centros de pesquisa. Interesses esses que levaram a OTC a firmar parceria com o Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (IBP) para organizar esse congresso.

Inovar é preciso – O objetivo mútuo é fazer desse evento um fórum de debates dos principais desafios tecnológicos dessa indústria, que vem avançando para novas fronteiras, em águas mais e mais profundas e em condições operacionais cada vez mais severas.

Realizado no Riocentro, o evento tem como principal atrativo a programação especializada – com 39 sessões técnicas e 12 painéis – na qual especialistas do mundo inteiro debaterão as características das reservas do pré-sal no Brasil e na costa oeste da África, os desafios em perfuração, engenharia e segurança em águas profundas. Também serão abordadas as tecnologias emergentes em engenharia de poços, ancoragem de unidades flutuantes de produção, caracterização de reservatórios, processamento submarino, entre outros temas.

Também estão programados os almoços-palestras, alguns deles com lotação esgotada antes mesmo da feira, uma vez que reunirá executivos e especialistas de empresas de atuação global e com expertise offshore.

O cardápio desses almoços inclui apresentações sobre questões estratégicas, como o preço do petróleo e seus impactos no Brasil e no mundo, oportunidades de negócios em E&P no México, rodada brasileira, conteúdo nacional, entre outros temas, continua sendo um dos pontos altos da OTC 2015.

Desafios e prêmios – Os megaprojetos de óleo e gás são o prato principal do primeiro almoço, que se realizará no dia 27. O tema será detalhado por Edward Merrow, fundador e presidente do Independent Project Analysis (IPA), um dos maiores especialistas na execução de projetos de grande porte.

No segundo dia, a diretora de Exploração e Produção da Petrobras, Solange Guedes, comandará o almoço de premiação da OTC. O Distinguished Achievement Award da OTC Brasil, promovido pela primeira vez no evento local, será entregue ao profissional da Petrobras Antônio Capeleiro Pinto, por suas realizações individuais, e à empresa Subsea7, por suas realizações corporativas.

Engenheiro elétrico de 57 anos de vida e 33 de Petrobras – atuou na Divisão de Reservatórios, na área de óleos pesados, e na implantação do projeto de Marlim, da Bacia de Campos – Capeleiro foi consultor técnico para diversos outros projetos offshore, quando integrava os quadros do Centro de Pesquisas (Cenpes). Desde 2007, é o responsável técnico pelas concepções dos projetos de desenvolvimento da produção para os reservatórios carbonáticos do pré-sal na Bacia de Santos.

Vencedora na categoria Corporativo, a Subsea7 Buoy Supporting Risers (BSR) recebeu o prêmio por causa, principalmente, do desenvolvimento de um sistema inovador de riser em águas profundas, desde o conceito até a sua produção, superando outras tecnologias. Hoje o sistema da BSR está instalado nos campos de Sapinhoá e Lula Nordeste.

Por sua vez, o prêmio OTC Brasil 2015 Spotlight on New TechnologySM Award foi concedido à FMC Technology, por soluções submarinas desenvolvidas nos últimos anos e que vêm ajudando a otimizar a produção de petróleo e gás natural no pré-sal.

No dia 29, a ‘ceia’ é mais ampla: haverá duas apresentações durante o almoço: uma com Bob Fryklund, estrategista chefe de upstream da consultoria IHS Energy, que falará sobre cenários e perspectivas da indústria global de óleo e gás, e outra com o diretor geral e CEO da Pemex Exploração e Produção, Gustavo Hernández-García, que discorrerá sobre os negócios de upstream no país, que fez o primeiro leilão de áreas este ano, com escasso interesse.

Indústria e academia – A realização da premiação, pela primeira vez na OTC Brasil, é um dos pontos destacados pelo presidente do Comitê Consultivo da OTC Brasil 2015, João Carlos de Luca. “As premiações tradicionais da OTC, Distinguished Achievement Awards e o Spotlight on New Technologies Award, celebram contribuições inovadoras à indústria”, pontua.

Segundo ele, a realização do evento pela terceira vez no país também comprova a importância do Brasil no cenário global da indústria de óleo e gás. “A parceria do IBP com a OTC vem se intensificando ao longo dos anos e nossa expectativa é reunir os maiores especialistas e executivos do setor para conhecer os últimos avanços tecnológicos da indústria e discutir as perspectivas de negócios em âmbito global”, observa.

Outra novidade desta edição é o University R&D Showcase, no qual algumas das mais importantes universidades e centros de pesquisa brasileiros apresentarão tecnologias que serão introduzidas na indústria de petróleo e gás durante os próximos anos. “A parceria entre academia e indústria tem se revelado o caminho mais promissor para a adoção de novas tecnologias em projetos offshore, e confirma a tradição da OTC como o principal palco para apresentação de inovações do setor”, frisa De Luca.

Além das rodadas de negócios e a programação exclusiva para estudantes (“Profissional do Futuro”), a exposição, que reúne players globais de pelo menos 15 países, “confirma o crescente interesse da indústria pelo mercado brasileiro de óleo e gás”, conclui.

Disseminar disseminar – Entre os eventos paralelos, está programado um Encontro de Lideranças das Associações Profissionais, que reunirá entidades de classe do setor, na sessão painel “O papel das Sociedades Profissionais na transmissão do conhecimento e da tecnologia”. O objetivo do encontro, que se realiza no dia 28, é possibilitar que estas lideranças compartilhem ideias e atividades, de forma a reforçar a interação.

Na programação estão previstas apresentações dos seguintes líderes: Jorge Camargo, presidente do IBP; Anelise Lara, gerente executiva da Petrobras para a área de Libra, e os presidentes das entidades internacionais que formam a OTC, Robert Sims, presidente da American Society of Mechanical Engineers (ASME), Robert Stevens, da American Society of Civil Engineers (ASCE), Francisco Aquino, da Sociedade Brasileira de Geofísica (SBGf),e John Bradford, da Society of Exploration Geophysicists (SEG), além de Janeen Judah, que vai assumir a presidência da Society of Petroleum Engineers (SPE).

Também está programado o workshop para professores do Energy Institute, no qual os educadores terão a oportunidade de ampliar o conhecimento sobre a indústria de energia, petróleo e gás.

Haverá ainda a Mostra de Pesquisa e Desenvolvimento Técnico Acadêmico da OTC Brasil, na qual as universidades poderão apresentar seus projetos acadêmicos e mostrar a relevância do que vem sendo feito na academia para o desenvolvimento da indústria offshore.

A OTC Brasil 2015 está oferecendo um programa especial para alunos ao longo dos três dias da conferência, com uma visão geral da indústria, bem como competências técnicas e pessoais.


Números da OTC 2015

Congresso

Trabalhos inscritos – 550 trabalhos, de 34 países

Sessões técnicas – 39 sessões técnicas, nas quais serão apresentados 226 trabalhos

Painéis técnicos – 12 painéis, reunindo 70 especialistas

Exposição – 130 expositores, entre empresas, organizações e pavilhões de países

Países representados – 16 (Brasil, EUA, Alemanha, França, Itália, Holanda, China, Malásia, Noruega, Reino Unido, Taiwan, Índia, Suécia, Japão, Canadá e México)

Pavilhões – 7 (EUA, Alemanha, França, Itália, Holanda, China e Malásia)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.