Química

Pollutec – Feira de Lyon, na França, aposta na tecnologia para preservar o ambiente

Marcelo Furtado
6 de dezembro de 2008
    -(reset)+

     No ar – No universo do controle de emissões atmosféricas, tanto para combater toxicidade como os maus odores, havia também participações interessantes na feira. Nesse sentido, havia espaço até para tecnologias inusitadas, como a da empresa japonesa Sakata, que mostrou uma linha de plantas ornamentais (SunPatiens) com a capacidade aprimorada de absorver poluentes atmosféricos como o dióxido de nitrogênio (NO2), o formaldeído em ambientes internos e, naturalmente, o dióxido de carbono. De acordo com o diretor da Sakata, Taka Miura, a descoberta foi feita por um pesquisador da Universidade de Tóquio e complementa o primeiro objetivo dessas plantas modifi cadas geneticamente, que era o de resfriar o ambiente e suportar totalmente a luz solar. “Foi um ganho adicional que fizemos questão de destacar em uma feira de meio ambiente global importante como a Pollutec”, disse.

    Química e Derivados, Taka Miura,  diretor da Sakata, Pollutec - Feira de Lyon, na França, aposta na tecnologia para preservar o ambiente

    Taka Miura: plantas ornamentais para absorver NOx

    Mas, no oposto das soluções mais naturalistas, havia também a exposição de tecnologias químicas para combater a poluição atmosférica. A tradicional empresa belga Solvay, por exemplo, mostrava sua linha Neutrec para dessulfurização, ou seja, remoção de SOx produzido em vários processos de combustão, como em incineradores e fornos de cimento. A solução envolve a injeção de bicarbonato de sódio seco e fi no nos gases a serem neutralizados. Segundo explicou o gerente de marketing técnico da Solvay, Laurent Dugas, trata-se de uma substituição aos processos úmidos de lavagem de gases, que usam muita água e por isso caem em desuso na Europa. “Está ficando caro gastar tanta água para a dessulfurização”, explicou.

    Em vários casos, a neutralização com o bicarbonato de sódio é feita depois do precipitador eletrostático, necessário para remover materiais particulados. A commodity da Solvay, estocada em um silo, ou em sacos a granel dependendo da aplicação, é injetada direto nos gases por um ventilador de linha. Um reator de contato pode ser instalado caso o tempo de residência de um segundo não seja possível na tubulação instalada. O bicarbonato de sódio neutraliza os ácidos (em particular o ácido clorídrico, dióxido de enxofre e fluoreto de hidrogênio), transformando-os em sais de sódio (cloreto de sódio, sulfato de sódio, fluorato de sódio, carbonato de sódio).

    Química e Derivados, Dugas, gerente,  Pollutec - Feira de Lyon, na França, aposta na tecnologia para preservar o ambiente

    Dugas: bicarbonato de sódio para dessulfurização

    De acordo com o gerente Dugas, o bicarbonato de sódio ainda tem a propriedade de absorver metais pesados, dioxinas e furanos, quando aditivada pequena quantidade de carbono ativado, também injetado a seco junto com o produto, aprimorando assim a despoluição e atendendo às mais rigorosas legislações européias de emissão atmosférica. Os pequenos resíduos secos resultantes da dosagem são capturados por filtro de cesto e transportados para um silo. “Mas é bom acrescentar que as tortas resultantes da filtragem também estão neutralizadas e portanto são de fácil destinação”, disse Dugas.

     

    Em controle de odor, as francesas Ahlstrom e ICare divulgavam parceria para venda de sistema que se baseia em fotocatalisador de dióxido de titânio e carbono ativado da primeira e um sistema de exaustão e equipamento, da segunda. Conforme explicou o pesquisador da Ahlstrom, Cédric Vallet, a área causadora do odor é coberta para exaustão dos gases que seguem para filtro com placas de não-tecidos revestidas em uma face por dióxido de titânio. O ar é purificado pelo filtro e as moléculas odoríficas ficam aprisionadas no carvão ativado no interior do filtro. Aí entra a etapa da fotocatálise: sob o efeito dos raios ultravioleta o TiO2 emite radicais livres que destroem as moléculas de odor. Segundo Vallet, o sistema serve para qualquer tipo de odor, em qualquer tipo de indústria. Um exemplo do que a Pollutec pôde oferecer para seus visitantes: soluções para todos os tipos de problemas ambientais.

    Química e Derivados, Cédric Vallet, pesquisador da Ahlstrom, Pollutec - Feira de Lyon, na França, aposta na tecnologia para preservar o ambiente

    Cédric Vallet: fotocatalisadro para remover



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *