PITTCON 2002: Feira divulga avanços tecnológicos

Padrões – A significativa quantidade de estandes de empresas e instituições oferecendo padrões e materiais de referência na Pittcon chamavam a atenção. Num deles estavam os três maiores produtores de material de referência da Europa: o Institute of Reference Materials and Measurement (IRMM), da comunidade européia, o alemão Bundesanstalt für Materialforschung und Prüfung (BAM), e a empresa inglesa LGC. Sob o título “Materiais de referência europeus”, as três empresas promoveram seus produtos, listados em um CD-ROM distribuído aos interessados. Dentre outras aplicações, os padrões são indicados para empresas que buscam certificação pela ISO 17025, já que atendem aos seus requisitos de rastreabilidade.

Química e Derivados: Pittcon: Susan - padrões certificados até para PCBs.
Susan – padrões certificados até para PCBs.

A Dra. Stefanie Trapmann, técnica do IRMM, explicou que esses materiais foram produzidos para uso em análises de rotina, visando auxiliar analistas a verificar e demonstrar a qualidade de seus resultados. Muitas análises requerem complexos procedimentos de preparação de amostras antes da medida final. Uma verificação independente da precisão desses procedimentos é necessária para assegurar que dados confiáveis estão sendo obtidos. Idealmente essa verificação deveria ser feita, usando matriz rastreável a um valor de referência.

Os custos elevados dos materiais de referência certificados tornam proibitivo seu uso toda vez que se realiza uma determinada análise. Conseqüentemente, os laboratórios acabam por produzir seus próprios padrões para uso rotineiro. Embora permitam uma avaliação interna dos resultados, esses materiais não provêem um valor de referência independente para determinação de desvios nos resultados, ou uma conexão desses com um padrão reconhecido. A linha de materiais de referência da LGC visa atender as necessidades dos laboratórios, já que seus preços são bastante acessíveis. Exemplos de itens que podem ser adquiridos incluem, na área de alimentos “a pasta de carne 1” (código LGCQC1001) ou o “chocolate 1″(LGCQC1004), que contêm valores de referência para umidade, nitrogênio, gordura total, cinzas, sódio, potássio, cálcio e zinco.

Todos os padrões são fornecidos com valores de referência documentados, incertezas e limites de performance analítica. Na área ambiental pode ser citado como exemplo o “solo contaminado 1” (LGCQC3003), com valores de referência de arsênio, cromo, cobre, chumbo, níquel e zinco. O estande europeu fixou-se bastante próximo ao do NIST (National Institute of Standards and Technology), órgão máximo da metrologia americana e também fornecedor de materiais de referência. Indagada a respeito da “concorrência”, Stephanie disse que o IRMM não tem no NIST um competidor e sim um parceiro. “A necessidade de materiais de referência no mundo é tal que não pode ser suprida por um único produtor. Além disso, quanto mais caminha a globalização, mais os materiais de referência têm que se tornar globais também. Conseqüentemente, a colaboração internacional entre os maiores produtores torna-se um dever”, afirmou.

Química e Derivados: Pittcon: Fran - LabRam une microscopia a Raman e IR.
Fran – LabRam une microscopia a Raman e IR.

Outra empresa do setor presente à feira foi a americana AccuStandard. A técnica do departamento de produção Susan Morenek disse possuir a maior linha de materiais químicos de referência do mercado americano, num total de 28.000 itens, incluindo produtos orgânicos, inorgânicos, pesticidas, alimentos e muitos outros.

Com uma planta de cerca de 3.150 m2, e acreditada pelo NIST, é uma das três empresas no mundo com permissão da EPA (Environmental Protection Agency) para produzir PCBs (bifenilas policloradas). “Pesticidas raros, PAHs (hidrocarbonetos aromáticos polinucleares) e nitroPAHs podem ser sintetizados sob solicitação específicas para nossos maiores clientes”, disse Susan. A empresa tem distribuidores em 50 países e estoques em três locais no mundo. Todos os produtos têm indicação clara da data de validade e vem acompanhados de certificado de análise.

Metrologia – O Bureau Internacional des Poids et Mesures, órgão máximo da metrologia mundial, também dispôs de estande na Pittcon. O objetivo era divulgar o banco de dados KCDB (key compararison database). Em 1999, os diretores dos institutos de metrologia dos países industrializados, dentre eles o INMETRO (Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial), assinaram o Material Recognition Arrangement (acordo de reconhecimento mútuo; MRA), para padrões de medida e certificados de calibração expedidos por seus institutos.

O principal sub-produto desse acordo foi o KCDB, contendo comparações dos padrões de medida nacionais e uma lista de capacitações em calibração e medidas de vários institutos de metrologia do mundo. Cerca de 12.000 registros constam do banco, nos campos de eletricidade e magnetismo, comprimento, radiação ionizante, fotometria e radiometria.

Presente à Pittcon, a coordenadora da KCDB Dra. Claudine Thomas informou que os dados referentes às categorias químicas serão incorporados em julho deste ano. “Os dados inseridos incluem uma completa descrição do serviço e o que é mais importante, a incerteza que afeta as medidas”, disse ela. “Os estabelecimentos dessas incertezas são examinados cuidadosamente à luz de comparações e outros fatores que contribuem para a confiabilidade das medidas”, continuou. Disse ainda Claudine que o principal objetivo do MRA é fornecer dados técnicos confiáveis sobre a atuação dos institutos de metrologia nacionais, o que pode ser usado como base para acordos e regulamentos referentes ao comércio exterior. “A comparação dos valores demonstra a competência e a existência de sistemas de qualidade nos institutos”, finalizou. O banco pode ser acessado gratuitamente pelo site www.bipm.org/hcdb.

Página anterior 1 2 3 4 5 6 7 8Próxima página

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios