Petroquímica: União entre Dow e Basf abala mercado de PS

Investimentos: Quirios inaugura fábrica de Tiossulfato de Amônio

Química e Derivados, A nova unidade em Caieiras-SP tem capacidade para 2 mil toneladas ano.
A nova unidade em Caieiras-SP tem capacidade para 2 mil toneladas ano.

A produção nacional de tiossulfato de amônio está a caminho da auto-suficiência interna e pode a curto prazo assumir perfil exportador graças à nova unidade industrial da Quirios, inaugurada em Caieiras-SP, no dia 11 de agosto, em comemoração aos seus 35 anos de fundação.

Com capacidade para 2 mil toneladas/mês, a produção do novo site está sedimentada no atendimento da demanda de grandes laboratórios fotográficos, onde o produto tem largo emprego como revelador. Deverá estender-se ainda para o setor agrícola, no qual pode ser empregado para enriquecer o solo, utilização, porém, ainda incipiente no País, principalmente quando comparada ao uso em grande escala feito nos EUA e na Argentina.

“Trabalhamos pela consolidação de nossos produtos no mercado interno, e nossa nova unidade representa o embrião da nova Quirios, cujo crescimento é projetado também para atender as exportações”, afirmou o presidente e sócio-fundador da empresa, Emílio Pansa, durante cerimônia aberta a mais de 180 convidados.

Complementando a opinião do presidente, o diretor-executivo da empresa, José Cleto Pellegrinelli, afirmou: “Estamos atingindo nível de competitividade internacional, evoluindo de um sistema de produção por batelada de 250 t/mês, antes realizado na unidade de Barueri-SP, para produzir 2 mil t/mês de tiossulfato de amônio, a partir da operação automatizada de três reatores e de recursos tecnológicos provenientes da Alemanha.” O volume em questão deverá trazer conseqüências positivas para o abastecimento do mercado interno, com a diminuição ou suspensão das importações até então feitas por empresas do segmento fotográfico.

Química e Derivados, Pansa intenções incluem também as vendas externas.
Pansa intenções incluem também as vendas externas.

A posição de liderança da Quirios não se mantém, porém, só com a produção de tiossulfato de amônio. Em matéria de fluossilicato de sódio, empregado no tratamento de águas potáveis, a comercialização é feita para boa parte das companhias de abastecimento, e confere à empresa 40% de participação no mercado. Em se tratando de sais de molibdênio e sais de cobalto, empregados como micronutrientes na agricultura, principalmente na cultura de grãos (soja, milho, arroz etc.), a produção também é considerada significativa, e complementa-se com a fabricação do sal de selênio, micronutriente destinado à ração animal. “Nossos três sais em produção já são exportados para Argentina, Chile e Uruguai, e estamos atualmente implementando negociações junto ao mercado europeu”, antecipou o gerente da empresa, José Roberto Freire. Segundo ele, o País tem revelado muita competência para produzir e exportar produtos mais refinados em matéria de química inorgânica, a exemplo de reveladores, fixadores, micronutrientes, fluossilicato de sódio, entre outros, fabricados e destinados pela empresa ao mercado externo.

Química e Derivados, Cleto produção passou a ser toda automatizada.
Cleto produção passou a ser toda automatizada.

Nos planos da Quirios para 2001, segundo comentou Freire, estão previstos aumentos de escala, envolvendo outros sais que deverão também ser fabricados em Caieiras, contando com disponibilidade de área de 58 mil m². Nesse sentido, novas parcerias estão sendo efetivadas com grandes empresas de micronutrientes e deverão ser anunciadas em breve. (Rose de Moraes)

Página anterior 1 2 3 4Próxima página

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios