Óleo, Lubrificantes e Graxa

Perspectivas para o mercado de lubrificantes industriais

Quimica e Derivados
24 de maio de 2019
    -(reset)+

     

    Química e Derivados, Perspectivas para o mercado de lubrificantes industriais

    Os formuladores do mercado de lubrificantes industriais terão novos desafios, mas também novas oportunidades para aumentar o valor agregado aos seus produtos nos próximos anos

    O mercado brasileiro de lubrificantes industriais passa por um momento particularmente desafiador, pois – além das incertezas sobre a retomada do crescimento da nossa economia e da produção industrial no novo cenário político pós-eleições de 2018 – também tem sido pressionado de modo crescente por seus clientes para o desenvolvimento de formulações que reduzam o custo operacional total desses insumos.

    Ao mesmo tempo o mercado industrial, bem como o de lubrificantes automotivos, seguirá sendo impactado direta ou indiretamente por novos desenvolvimentos e fundamentos dos mercados global e local de lubrificantes acabados, óleos básicos e aditivos, bem como dos mercados de energia/petróleo, combustíveis e downstream, entre outros.

    A pressão pela redução do custo operacional total dos lubrificantes industriais, ou do TCO (Total Cost of Ownership), passa pelo desenvolvimento de formulações que suportem o aumento da produtividade das máquinas e equipamentos, por exemplo, operando em condições mais extremas e com alongamento dos intervalos de troca, e que contribuam também para o aumento da eficiência energética.

    Complexidade das formulações – A ênfase no atendimento de novos requisitos na aplicação dos lubrificantes, nos serviços técnicos e na busca de soluções taylor made para os clientes fez a complexidade das formulações dos lubrificantes crescer significativamente ao longo dos anos.

    Na figura 1 observamos que mais de 40% das formulações podem ser classificadas como de alta complexidade, com a necessidade do uso de três a quatro tipos diferentes de óleos básicos, e oito até 25 diferentes tipos de aditivos para se atingir o desempenho desejado na aplicação do produto final.

    Perspectivas para o mercado de lubrificantes industriais ©QD Foto: iStockPhoto

    Em paralelo com o aumento do número de óleos básicos e aditivos que os formuladores necessitam, temos um aumento da dificuldade de obtenção de pelo menos alguns deles, pois ao longo dos anos ocorreu uma significativa consolidação na indústria química e petroquímica, e isso leva a uma redução de complexidade do lado da oferta.

    Outro tema a ser acompanhado de perto nos próximos anos são os impactos do Reach (Registration, Evaluation, Authorization and Restriction of Chemicals) e do GHS (Globally Harmonized System of Classification and Labeling of Chemicals) que potencialmente podem reduzir ainda mais a disponibilidade de algumas matérias-primas para o mercado de lubrificantes industriais.

    Mercado brasileiro – Conforme vemos na figura 2, o mercado brasileiro de lubrificantes industriais representa cerca de 30% do mercado total de lubrificantes. Embora esse mercado seja bastante fragmentado, em termos de número de diferentes aplicações, os óleos hidráulicos, óleos de processo e MWF (Metalworking Fluids) respondem por cerca de dois terços do mercado brasileiro de lubrificantes industriais.

    Perspectivas para o mercado de lubrificantes industriais ©QD Foto: iStockPhoto

    Outras aplicações importantes para os lubrificantes industriais incluem os óleos para engrenagens, óleos para motores industriais, graxas industriais e óleos para turbinas, circulação, compressores e refrigeração.

    A participação do mercado de lubrificantes industriais na demanda total de lubrificantes acabados é relativamente menor no Brasil, em comparação com o mercado global, no qual representa cerca de 45% da demanda.

    De certo modo, esse percentual abaixo da média global retrata o impacto do baixo crescimento econômico do país, em especial em comparação com os demais países emergentes, e a preocupante perda de participação do PIB industrial brasileiro em relação ao PIB total ao longo dos anos.

    A LubeKem estima o mercado brasileiro de lubrificantes industriais em cerca de 360 mil toneladas em 2018 e, para os próximos anos e em diferentes cenários simulados, estima que esse mercado deverá atingir um patamar entre 380 mil t e 420 mil t em 2023, conforme a figura 3.

    Perspectivas para o mercado de lubrificantes industriais ©QD Foto: iStockPhoto



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *