Logística, Transporte e Embalagens

Perspectivas 2014 – Infraestrutura – Investimentos devem crescer 3,5% e participação privada promete se consolidar

Hamilton Almeida
14 de março de 2014
    -(reset)+

    • Habitação
    – Cidade da Copa – Recife. Às margens da BR-408, um terreno de 240 hectares irá abrigar 7 mil residências, um campus universitário, museu, teatro, um ginásio (arena indoor), hotéis, centro de convenções, shopping center e escritórios comerciais. Com início previsto para janeiro de 2014, as obras estão orçadas em R$ 2 bilhões e deverão ser concluídas em dezembro de 2025.
    – Vila Olímpica e Paraolímpica da Barra. A construção, no Rio de Janeiro, começou em fevereiro de 2011 e deverá estar concluída em janeiro de 2015 a um custo estimado de R$ 854 milhões.

    • Esportes
    – Arena Corinthians. Construção do estádio na cidade de São Paulo, que sediará o jogo de abertura da Copa do Mundo de 2014, além de outras cinco partidas. A conclusão das obras, em execução desde meados de 2011, está prevista para abril de 2014. Custo estimado: R$ 820 milhões.
    – Arena Pantanal. Iniciadas em 2010, as obras em Cuiabá estão previstas para serem concluídas no início de 2014. Custo estimado: R$ 520 milhões. Vai receber quatro jogos da Copa do Mundo.
    – Arena da Baixada. Obras de reforma e ampliação, em Curitiba, iniciadas em outubro de 2011, devem ser concluídas em fevereiro de 2014. Custo: R$ 265 milhões. Vai receber quatro jogos da Copa do Mundo.
    – Arena das Dunas. As obras, em Natal, foram iniciadas em junho de 2011 e a conclusão está prevista para o início de 2014. Custo estimado: R$ 350 milhões. Será palco de quatro jogos da Copa do Mundo.
    – Arena Beira-Rio. Orçadas em R$ 330 milhões, as obras de modernização foram reiniciadas em março de 2012 e deverão estar prontas no início de 2014. Porto Alegre vai receber cinco jogos da Copa do Mundo.
    – Arena Multiuso da Amazônia. As obras de remodelação do estádio Vivaldo Lima, em Manaus, começaram em julho de 2010 e devem terminar no início de 2014. Custo estimado: R$ 605 milhões. Vai ser palco de quatro jogos da primeira fase da Copa do Mundo.
    – Parque Olímpico do Rio – Autódromo de Jacarepaguá. Implantação para receber 15 modalidades esportivas. Iniciadas em julho de 2012, as obras deverão ser concluídas em agosto de 2015 a um custo estimado de R$ 590 milhões.

    • Outros
    – Cidade turística Nova Atlântida. Implantação em duas fases, na praia da Baleia, a 200 km de Fortaleza, no Ceará, em uma área de 3,1 mil hectares. Início previsto para 2014. Serão 13 hotéis cinco estrelas, 14 resorts, seis condomínios residenciais e três campos de golfe. Conclusão: setembro de 2015. Custo estimado: R$ 27,7 bilhões.
    – Fazenda São Bento da Lagoa. Complexo turístico, esportivo, comercial, empresarial e residencial que prevê quatro hotéis, shopping, campo de golfe, escola, hospital, condomínios, centro hípico e centro de pesquisas em Maricá, no estado do Rio de Janeiro. Início previsto para janeiro de 2014 e conclusão para setembro de 2015. Custo estimado: R$ 8 bilhões.

    Química e Derivados,Crispino: se 2014 for igual ao ano passado já está bom

    Crispino: se 2014 for igual ao ano passado já está bom

    Abimei – O presidente da Associação Brasileira dos Importadores de Máquinas e Equipamentos Industriais (Abimei), Ennio Crispino, quer esquecer o ano de 2013. “Foi um ano difícil. Não há motivos para comemorar”, declara. Pelo segundo ano consecutivo, o desempenho setorial ficou abaixo do esperado:

    “Houve uma queda média de 10% a 20% no volume de negócios. Em alguns casos, a diminuição das vendas foi superior a 50%”, adiciona. Em 2011, o setor movimentou negócios da ordem de US$ 2,4 bilhões. No ano seguinte, a cifra caiu para US$ 2,2 bilhões. E, em 2013, despencou mais 20%, para US$ 1,7 bilhão.

    A maior decepção do mercado, nas palavras de Crispino, ficou por conta do segmento de petróleo e gás. “Os resultados foram pífios, desestimulantes, e não há perspectivas de melhora a curto prazo. A Petrobras interrompeu literalmente os investimentos, comprometendo o desempenho de toda a cadeia de fornecedores de máquinas e componentes. E o pré-sal continua sendo uma incógnita. Muitos fornecedores só não fecharam as portas ainda porque têm projetos de longo prazo”, desabafa.

    Em outras palavras, Crispino diz que “o fechamento de torneira da Petrobras significa contratos não cumpridos”. Na sua avaliação, a estagnação reinante no setor petroleiro é resultado de má gestão e da interferência política na Petrobras.

    O presidente da Abimei classifica 2014 como “um ano de calendário atípico”. Com Carnaval em março, Copa do Mundo, eleições presidenciais e feriadões, haverá muito menos dias úteis. “Se 2014 for pelo menos igual a 2013 já será bom. O receio é de nova queda nos negócios”, afirma.

    Crispino acredita que o setor industrial só será fortalecido quando o governo federal criar condições para um ambiente favorável ao crescimento do país, o que passa, necessariamente, por maiores investimentos em infraestrutura, reforma tributária, manutenção dos juros básicos abaixo de dois dígitos, controle da inflação e câmbio estável. “Ou seja, tudo aquilo que não tivemos em 2013.”



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *