Química

Perspectivas 2010: Limpeza – Faturamento cresce com a redução da informalidade e mudança na demanda

Rose de Moraes
15 de janeiro de 2010
    -(reset)+

    Segundo a diretora da Abipla, uma das grandes fontes do aporte de fósforo nos rios é o esgoto doméstico, mas há outras fontes, como os efluentes industriais e os fertilizantes.

    Presente nas águas de rios e lagos, o fósforo em alta concentração é uma das principais causas de um fenômeno de proliferação de algas chamado eutrofização. Essas algas consomem o oxigênio da água, matando os peixes e provocando um odor desagradável, além de criar o risco de toxinas geradas por alguns tipos de plantas aquáticas. Por isso, nosso setor vem colaborando com a redução do aporte de fósforo no meio ambiente. “No entanto, é preciso salientar que o STPP vem se mostrando seguro ao meio ambiente”, afirmou a diretora da Abipla. Ela entende ser imprescindível a análise das demais fontes de fósforo para solucionar definitivamente o problema da eutrofização no Brasil.

    Segundo Maria Eugenia, as medidas internacionais adotadas para a retirada total ou parcial do fósforo na composição dos detergentes em pó não resolveram o problema da eutrofização. “As experiências de mais de três décadas de limitação ou banimento do STPP em detergentes em pó em diferentes regiões do mundo não resultaram em melhorias significativas ao meio ambiente e também não solucionaram o problema do excesso de algas na superfície dos mananciais”, afirmou.

    “No Brasil, o lago Paranoá, em Brasília-DF, é um bom exemplo de recuperação de águas superficiais por conta da adoção de medidas combinadas no controle do aporte de fósforo. Na década de 80, esse lago estava em estado hipereutrófico, ou seja, com quantidade excessiva de nutrientes, resultando na proliferação de algas. A fim de solucionar o problema, foi implementado nos anos 90 um sistema terciário de tratamento de esgoto, um pouco mais complexo que o convencional, mas que permitiu a remoção do excesso de nutrientes, como fósforo, reduzindo a eutrofização”, concluiu a diretora da Abipla.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *