Química

Papel e Celulose: Brasil ganha espaço no mercado externo

Quimica e Derivados
14 de novembro de 2002
    -(reset)+

    Química e Derivados: Papel: Gomes - estação móvel permite controle on line.

    Gomes – estação móvel permite controle on line.

    Outra novidade, segundo revelou Nancy Vizcaya Delatorre Penteado Kairalla, coordenadora de administração de vendas e comércio exterior, é que, a partir de janeiro de 2003, a empresa dará início à oferta local de bicos de spray para adaptação nos chuveiros das linhas de formação de papel (mesas formadoras), em modelos com jatos direcionados e difusos.

    A Siemens, que também participa de vários projetos de modernização no setor, como da Ripasa, Aracruz (linha C) e VCP, apresentou como novidade uma estação de trabalho móvel e sem-fio para controle da produção na planta, lançada há pouco mais de um ano na Alemanha, mas só agora customizada para aplicações nas indústrias de papel.

    Denominado Web Ped Móvel, o equipamento tem autonomia para distâncias de 300 metros, devendo estar em conexão com antenas que podem ser distrubuidas pela fábrica, para oferecer total mobilidade ao operador. “Com o uso desse sistema, o operador consegue obter informações da fábrica em tempo real, transportando os dados de qualquer uma das telas do sistema de controle”, informou o

    Química e Derivados: Papel: Selegatto - medidor foi adaptado para celulose e papel.

    Selegatto – medidor foi adaptado para celulose e papel.

    engenheiro Walter Gomes Júnior, gerente de vendas da empresa e responsável por todas as operações desenvolvidas na América do Sul, na área de papel e celulose. No segmento de automação, a Smar trouxe para a exposição um medidor de densidade e concentração de líquidos com aplicativos (softwares) para operar nas áreas de licores negro e verde.

    Segundo o gerente da área de engenharia da empresa Gilberto Selegatto, o modelo foi originalmente desenvolvido para aplicações nas indústrias de alimentos, bebidas, envolvendo também o setor açucareiro, mas, após algumas adaptações, tornou-se configurável para as aplicações em papel e celulose.

    Química e Derivados: Papel: Katia mostra capotas abertas.

    Katia mostra capotas abertas.

    Também atuando no segmento de automação para as indústrias químicas, a Honeywell apresentou a linha de controladores de processos para reatores, caldeiras, evaporadores e efluentes, destacando-se o controlador UMC 800 Multiloop e o modelo HC 900, em lançamento no Brasil.

    No segmento de capotas para máquinas de papel, usadas na recuperação ou exaustão dos vapores liberados pelas máquinas durante a fabricação do papel, com o objetivo de reduzir o uso de vapor nos secadores e nivelar o desempenho da produção, a Bernauer, tradicional fornecedor de ventiladores, está colocando no mercado capotas abertas, de alta umidade, para máquinas de papel em geral e tissue. Agregam à linha os sistemas de caixas de insuflamento (pocket ventilation) empregadas entre as bobinas, para tornar mais rápida a secagem do papel e que resultam em aumentos de produção de 11%, segundo informou Katia Bizan França, gerente de marketing da empresa.

    Química e Derivados: Papel: Campos - ETE de plástico reforçado com fibra de vidro.

    Campos – ETE de plástico reforçado com fibra de vidro.

    Outro acréscimo na linha da Bernauer é constituído por tetos falsos construídos em alumínio ou aço inoxidável, para captação do excesso de calor e umidade, evitando o gotejamento nas extremidades úmidas ou sob as prensas.

    Pela primeira vez participando do evento, a Edra, tradicional fabricante de tubulações, peças especiais e reservatórios estacionários para as indústrias de papel, levou à exposição o seu mais novo lançamento em plástico reforçado com fibras de vidro (PRFV). Trata-se de estação de tratamento de esgotos sanitários, desenvolvida em parceria com a Empresa de Engenharia Ambiental, de Rio Claro–SP, para aplicações em indústrias e residências, possuindo capacidade para tratar desde 600 litros/dia até 32 mil litros/dia.

    Fabricada em seis diferentes capacidades (600, 1.600, 4.000, 8.000, 16.000 e 32.000 litros/dia), a estação pode promover tratamento anaeróbio e/ou aeróbico, separadamente ou de forma conjugada, apresentando, segundo o engenheiro de aplicações Flávio Campos Júnior, especial interesse para condomínios, hotéis, canteiros de obra, escolas, etc.

    A Mettler Toledo apresentou novas linhas de eletrodos de pH, células de condutividade, sensores de oxigênio dissolvido, sistemas de turbidez, transmissores e sistemas de limpeza e calibração. Entre os equipamentos de maior destaque encontram-se os eletrodos com sensores de temperatura integrados InPro 4800 e InPro 4250, além do turbímetro Trb 8300. O modelo InPro 4800 foi projetado para aplicações críticas em processos químicos, permitindo alto desempenho em altas temperaturas (130°C) e pressões (13 bar) devido à tecnologia de dupla câmara de eletrólito com compensação e temperatura. Já o InPro 4250 pode ser empregado nas mais diversas aplicações da indústria química, apresentando maior resistência a extremos ácidos, álcalis e solventes. E, finalmente, o turbímetro Trb 8300 constitui sistema que opera por fibra ótica, com base no princípio de luz backscattering, reflexão em sentido inverso à emissão da luz, destinando-se a medições precisas nas indústrias de papel e celulose.

    Mercado local se reestrutura

    Fusões em âmbito mundial se refletem sobre as indústrias brasileiras de celulose e papel, que buscam novas sinergias e escalas de produção, para ampliar posições nos mercados interno e internacional. O primeiro movimento em direção às reestruturações, segundo a ABTC, ocorreu no início do ano 2000, quando o grupo Orsa adquiriu a Jari Celulose.

    No biênio 2000-2001, o grupo Klabin adquiriu a Igaras, estabelecendo joint-venture com a Kimberly-Clark, para aquisição da Lalekla e da Bacraft. Ao vender seus ativos florestais, a Companhia Vale do Rio Doce transferiu a Bahia Sul para a Companhia Suzano, e a Cenibra foi adquirida pelo grupo japonês JBP. Em 2001, o grupo Suzano finalizou seu processo de reorganização, ao separar em duas holdings as atividades do setor petroquímico e do segmento de celulose e papel. No mesmo ano, a Bahia Sul associou-se ao grupo Sonae, adquirindo 28% do capital da estatal portuguesa Portucel.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *