Os sistemas de gestão e a redução de custos na indústria

Você já se perguntou como reduzir os custos de operação e processos de sua empresa?

Sistemas de gestão ajudam, e muito, na redução de custos do processo produtivo, aliando eficiência, padronização, rastreabilidade, sequenciamento e precisão de informações na geração de dados para a melhor tomada de decisão, ajustes na gestão industrial e também para o planejamento estratégico.

Nesta série de 3 módulos, iremos tratar temas relevantes da área de CUSTOS das INDÚSTRIAS, fazendo uso do conhecimento e experiência adquiridos no decorrer de 34 anos trabalhando no desenvolvimento e na implementação de sistemas informatizados para a área produtiva e setores relacionados de diversas indústrias têxteis, químicas e de derivados.

Vamos começar!

Os Sistemas de Gestão Industrial na prática

Com o suporte de um sistema automatizado é possível monitorar de maneira integrada, uniforme e sequenciada todos os custos e despesas industriais, desde a entrada dos pedidos comerciais, passando pelas engenharias de produto e processo, analisando os custos das matérias-primas, do processo produtivo e das embalagens, e conferindo o resultado por produto, pedido comercial, cliente ou representante. Além disso, pode-se apurar o demonstrativo de resultado do exercício por unidade de negócio, já considerando os incentivos fiscais. Tudo em uma mesma ferramenta que interliga as informações de diversas áreas da empresa.

A estrutura, o comportamento, as atitudes e o modo de operar são refletidos nos custos de uma empresa. Quanto mais informações estruturadas e confiáveis uma empresa tem, melhor será sua gestão de custos. A maior eficiência nesse sentido significa aumento da margem de lucro líquido, da rentabilidade do negócio e da competitividade no mercado.

Custeio

Esse processo em que se identificam, analisam e controlam os custos e despesas da produção em uma empresa é chamado de custeio. A propósito, definir os objetivos estratégicos ao se apurarem custos é importantíssimo para se estruturar um sistema de custeio. Normalmente os objetivos são simples, a complexidade está no tratamento dos dados. O objetivo comum é administrar os custos para fins gerenciais e contábeis, mas é possível ir muito além disso e focar na lucratividade.

Em um sistema informatizado ESPECIALISTA é possível:

  • Identificar os custos de produto e processo;
  • Formar os preços de vendas com base nos índices de lucratividade desejados;
  • Analisar a lucratividade e a margem de contribuição dos produtos vendidos, gerando alertas visuais para os itens com baixo desempenho, na hora de digitar o pedido;
  • Analisar o ponto de equilíbrio da empresa;
  • Fazer simulação de custos.

Na prática, a gestão de custos desde a engenharia de processo fornece os tempos de processos produtivos para cada produto, e na engenharia de produto, o sistema fornece os dados sobre as matérias-primas dos produtos vendidos, com uma lista de preço de reposição atualizada automaticamente.

Os gastos mensais previstos, com os custos e despesas para produzir, e com a ficha técnica, são fornecidos pelo sistema, discriminando-se o custo por minuto, por centro de custo produtivo.

A automatização dispõe uma estrutura de custeio com os consumos-hora e matriz de distribuição de custos dinâmica, que permite fazer a distribuição dos gastos gerais de fabricação.

A Operacional

Os sistemas da Operacional têm uma estrutura completa de ficha técnica e custeio, que além de fornecer os tempos reais de processos, e as matérias-primas consumidas na produção, permitem analisar e comparar os custos e preços de vendas. A matriz de rateio dos custos indiretos de produção é configurável e dinâmica, o que proporciona uma alocação mais precisa dos gastos. E o Demonstrativo do Resultado do Exercício (DRE), que evidencia a formação do resultado líquido por um determinado período de tempo, pode ser obtido com poucos cliques. Tudo isso numa só ferramenta.

A consultoria no processo de implantação de sistemas de gestão industrial tem a função de orientar os clientes usuários a tirarem o máximo da solução. Com conhecimento técnico e mentalidade inovadora, aberta a ideias mais eficientes, os consultores atualizam o sistema constantemente, para que se adapte à evolução dos negócios, e ainda manter-se de acordo com as normas contábeis e a legislação vigente.

Será fácil ao gestor identificar:

  • Os produtos mais rentáveis que a empresa produz;
  • Os clientes e representantes com melhor lucratividade, que atendem às expectativas da empresa;
  • Os pontos fortes e fracos da empresa, com relação a custos e despesas;
  • Os resultados do negócio.

Mantendo a competitividade da empresa

Vivemos em mercados globalizados e altamente disputados, a competividade ficou ainda mais acirrada nestes novos tempos. E falando aqui também de modernização e adequação ao novo, as empresas precisam buscar inevitavelmente as ferramentas que as levarão à Indústria 4.0, e o princípio é gerir com máxima eficiência os recursos e a estrutura já existente.

Para manter a lucratividade é preciso que os gestores estejam antenados ao CUSTO REAL, para terem o máximo controle sobre seus gastos, e máximos ganhos.

Convém ainda lembrar que nossos sistemas estão preparados para atender a todas as demandas do Bloco K.

O segundo e o terceiro artigo da série podem ser encontrados no blog Operacional Uncover, através dos links abaixo:

Os objetivos gerais de um sistema de custos:
https://www.operacional.com/artigos/os-objetivos-gerais-de-um-sistema-de-custos

Métodos de Custeio aplicados à produção:
https://www.operacional.com/artigos/metodos-de-custeio-aplicaveis-a-producao

Para saber mais, fale com um especialista na área: ligue 47 3231-3100 ou envie um e-mail para [email protected].

Autores: Erci Coelho e Rubens Froehner (Operacional).

A Operacional é empresa destaque no GuiaQD.com.br, consulte produtos e serviços que ela oferece.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.