Meio Ambiente (água, ar e solo)

Óleo & Gás: Novos sistemas tratam água oriunda da extração do petróleo

Marcelo Furtado
31 de janeiro de 2014
    -(reset)+

    Sistema também visa Shale Gas

    A Pentair pretende vender a mesma tecnologia HRT para a exploração de shale gas na Argentina. A própria matriz da empresa nos Estados Unidos está empenhada em abrir novos negócios no país vizinho, usando seu know-how de tratamento de água produzida e de injeção para extração do gás não convencional.

    A descoberta de um enorme depósito de gás e petróleo de xisto na Argentina, La Vaca Muerta, chamou a atenção da empresa. A bacia de Neuquén poderia aumentar as reservas de petróleo do país em mais de 750 milhões de barris. Estima-se que a região também tenha 4,5 trilhões de pés cúbicos de gás natural. Na verdade, esta descoberta faz da Argentina potencialmente a terceira maior provedora de gás de xisto no mundo, depois dos EUA e da China.

    Cerca de 50% do gás de xisto recuperável da Argentina se encontra na bacia de Neuquén. A produção convencional ocorre há mais de 20 anos nessa região, fornecendo a infraestrutura existente. A produção não convencional (xisto) está na fase inicial e ainda não “decolou”, segundo afirmou Justin Love, gerente de desenvolvimento de mercado da Pentair. Mas em breve deverá gerar bons negócios para o grupo.

    Para Love, uma estratégia inteligente no controle de água será um dos fatores determinantes para o sucesso do desenvolvimento da produção não convencional da Argentina. Isso estaria ligado ao uso de tecnologia de ponta relacionada à água, já que cinco milhões de galões de água são necessários para perfurar e fracionar um único poço de xisto.

    O cuidado com a água, segundo ele, é ainda mais importante quando se sabe que ela é escassa em algumas áreas de Neuquén. “Os custos para transporte/descarte de água podem ser excessivos, o que demanda o uso racional e medidas de reúso”, disse.

    As soluções de gerenciamento de água produzida da Pentair abrangem uma gama de tratamentos, de controle de sólidos, secundário e terciário até polimento, e os avançados. Além do HRT, um sistema compacto, modular e estável, que melhora o controle de sólidos e a recuperação de hidrocarbonetos dos fluxos de água de processo, as tecnologias de membranas podem complementar as necessidades argentinas.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *