Petroquímica

Óleo de Xisto – Combustíveis – Cresce o consumo do óleo de xisto no Brasil

Hamilton Almeida
25 de dezembro de 2003
    -(reset)+

    O processo de transformação do xisto, por pirólise, recebeu o nome de Petrosix. Em sua unidade industrial, a Petrobrás/Six desenvolveu também um processo de reciclagem de pneus e borrachas via co-processamento com o xisto, que permite a adição de 5% em peso de pneus picados. Com essa tecnologia é possível reciclar 140 mil toneladas/ano ou o equivalente a 27 milhões de pneus. Uma tonelada de pneus rende, aproximadamente, 530 kg de óleo, 40 kg de gás, 300 kg de carbon black e 100 kg de aço.

    Apesar da lista de vantagens, a introdução do xisto no mercado exige esforço, paciência e competência técnica. O gerente de vendas Freitas narra que a substituição do tradicional óleo combustível “é um processo demorado”. Um projeto pode levar quatro meses para amadurecer. Inicialmente, esbarra-se em resistências culturais. Depois, vem a fase de testes. A questão, diz ele, “é vender a solução técnica”. De qualquer maneira, as perspectivas a curto prazo para a BetunelKoch “são favoráveis”. E para o xisto, “muito favoráveis”. Isto significa que a Petrobrás continuará sendo pressionada a aumentar a produção.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *