QUÍMICA.com.br – O Portal da revista Química e Derivados


Petróleo & Energia (gás, refino e gasolina)

O desafio da indústria de óleo e gás 4.0

Cassiano Viana
16 de setembro de 2018
    -(reset)+

    A expectativa é muito positiva”, afirma André Araújo, CEO da Shell Brasil. Para ele, o cenário vem melhorando de forma significativa. “Vivemos um momento mais dinâmico do que na edição de 2016, com avanços importantes que possibilitam a retomada dos grandes investimentos do nosso setor”, observa. “Tivemos acontecimentos relevantes, como regras mais flexíveis e realistas de conteúdo local, regras fiscais mais claras, o fim do operador único e o estabelecimento de um calendário de leilões. Tudo isso já rendeu bons negócios para o país e a expectativa de um aumento de arrecadação sob a forma de participação especial e royalties, sem falar na retomada de empregos e fomento à pesquisa e desenvolvimento”, ressalta.

    Por isso a percepção da empresa é positiva. “A Rio Oil & Gas 2018 é um momento oportuno para fazermos um balanço do que mudou de lá para cá e para consolidar essa nova fase, com possibilidade de negócios não apenas para a indústria de petróleo, mas para a imensa cadeia de fornecedores que se beneficia dela. Além disso, o evento deve discutir as oportunidades na monetização do Gás Natural como o combustível da transição energética que virá nos próximos anos e décadas”, conclui. “Acreditamos e fazemos parte desse momento de retomada do setor de óleo e gás no Brasil, a qual foi demonstrada nas últimas rodadas da ANP e percebida pelas empresas a partir das mudanças e implementações ao modelo regulatório. Avaliamos que a feira deste ano tem um grande potencial para ratificar o interesse nos negócios e nas oportunidades que permeiam o setor”, afirma Adriano Bastos, presidente da BP no Brasil.

    Araújo: novas regras tornam cenário local mais atraente

    Araújo: novas regras tornam cenário local mais atraente

    Driver é E&P – Concorda com ele Gabriel Roisenberg, líder de IoT – Oil and Gas da KPMG, consultoria que vai ter palestrantes em distintos eventos e vai ministrar minicursos. Ele afirma que a presença das oil companies é um indicador importante de que o Brasil voltou a ser um dos focos dos investidores, pois a Rio Oil é o principal evento do setor.

    “Os últimos BIDs (leilões da ANP), o alinhamento da agência com o Ministério de Minas e Energia (MME) e diversos movimentos locais, demonstram que o setor está a todo vapor para receber investimentos externos e comprometerse com uma entrega grande de novos projetos de E&P”, avalia o consultor. Para ele, a transição energética, um dos principais temas do evento, já está presente na visão da indústria de óleo e gás.

    “Podemos ver em todas as mídias que Shell, Equinor, Total, que são players extremamente significativos, estão olhando para a transição da matriz energética. O trabalho e planejamento das majors é invejável e contempla altíssimo grau de desenvolvimento científico e tecnológico. Junte-se a isso os inúmeros argumentos de negócio e encontraremos um cenário no qual essas oil companies também serão majors em provimento de energia”, pontua Roisenberg. Contudo, ele destaca que a transformação digital é o mote central, ao lado de temas prioritários, como a inclusão das novas gerações no mercado de trabalho de O&G, diversidade de gênero no setor e movimentos regulatórios.

    Makarovsky: conceito 4.0 deve ter destaque em toda a feira

    Makarovsky: conceito 4.0 deve ter destaque em toda a feira

    “A Rio Oil é uma boa vitrine para qualquer tema relacionado à indústria de óleo e gás. Obviamente um tema obrigatório será a transformação digital, fenômeno mundial que tem impactado processos de negócios em O&G e até mesmo no aspecto cultural e de recursos humanos”, analisa o consultor. “O Brasil produz alta tecnologia de E&P em águas profundas e as universidades também possuem centros de pesquisa avançados. Temos espaço para evoluir em diversos aspectos, mas o driver de negócio é a exploração em águas profundas, que é para onde o mercado está olhando”, conclui.

    Digitalização – Na pauta da indústria de óleo e gás 4.0, a digitalização é assunto obrigatório. “Quer apostar que será abordada em todos os estandes”, provoca o head de Óleo e Gás da Siemens Cláudio Makarovsky. “A digitalização e indústria 4.0 são temas relacionados ao aumento de produtividade e gestão inteligente de negócio.

    Aspectos que certamente estarão presentes em diversas palestras e workshops que vão ocorrer simultaneamente dentro do evento, promovendo reflexão e discussão sobre os desafios de renovação para esse setor”, pontua. Ele salienta que, por ser o maior evento da América Latina e ocorrer num momento claro de retomada das atividades do setor, a ROG é ideal para apresentar novidades e lançar tendências. “Vamos destacar o tripé Siemens de inovação: Eletrificação – Automação – Digitalização, com ênfase no Mind Twin (que permite visualizar um empreendimento em todas as suas fases) do FEED, com gêmeos digitais do projeto, processo, planta e operação. Mas com uma visualização integrada e amigável, respeitando a linguagem de cada parte interessada: investidor-gestor- operador – mantenedor”. O executivo, que também é presidente da Associação Brasileira das Empresas de Serviços do Petróleo (Abespetro) afirma que são boas as expectativas de todos em relação ao evento pela presença das majors.
    Macedo: integração de redes exige segurança cibernética

    Macedo: integração de redes exige segurança cibernética

    “Será bom inclusive para avaliar as intenções delas, lembrando que apostaram em 2018 com cautela, mas investiram. Agora é hora do ajuste fino e medir a temperatura para o futuro, mesmo em ano de incertezas, devido às eleições”, conclui.

    Investimento em PDI – Com a mesma expectativa, a brasileira Ouro Negro, que tem hoje mais de 200 sistemas de monitoramento de risers de produção instalados em plataformas de produção no pré-sal, apostou firme da Rio Oil & Gas desse ano. “A Ouro Negro é uma empresa de tecnologia com foco na geração de soluções para o setor de E&P da indústria de petróleo. A participação nessa Rio Oil & Gas representa uma boa oportunidade de interação não somente com as operadoras, clientes finais de nossas soluções, mas também com os principais fornecedores de bens e serviços em E&P, que podem encontrar na Ouro Negro uma parceira estratégica”, diz o CEO Eduardo Costa.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *