O Coronavírus e a Indústria Química

Química e Derivados -

Praticamente impossível deixar de comentar a Covid-19, até por seus impactos na indústria química. Artigo da ICIS de 19 de fevereiro informava que as principais indústrias químicas instaladas na China têm buscado seguir as orientações da OMS e do governo chinês. Em 10 de fevereiro, a Basf reabriu as operações de acordo com as políticas governamentais de atraso no reinício do trabalho. A Lanxess também reabriu escritórios e alguns locais de produção na Grande China, incluindo Xangai. A Total parou alguns locais de produção durante o feriado, a pedido do governo, e o reinício “dependia de mais instruções” de Pequim e da situação em diferentes regiões. As instalações de produção da Bayer na China retomaram as operações após a interrupção prolongada sob “maiores precauções de higiene, desde que as restrições oficiais do governo” não substituam essas medidas. Todas as empresas incentivam funcionários administrativos a trabalharem de casa sempre que possível.

O impacto na cadeia produtiva da indústria química no Brasil também é difícil precisar. Em 2019 o Brasil importou US$ 35,27 bilhões da China, sendo US$ 34,64 bilhões em produtos manufaturados. Entre os principais, relacionados à indústria química, compostos heterocíclicos, seus sais e sulfonamidas (3,4%); inseticidas, formicidas, herbicidas e semelhantes (1,7%); compostos organo-inorgânicos (1,6%); compostos de funções nitrogenadas (1,3%); adubos ou fertilizantes contendo NPK (0,91%); sulfato de amônio (0,85%); ácidos carboxílicos, seus anidridos e halogenetos (0,55%); antibióticos (0,35%); matérias corantes orgânicas sintéticas (0,32%). Os efeitos podem ser inflacionários ou recessivos, a depender da elasticidade da demanda e possibilidade de substituição dos fornecedores.

Contudo, esta era uma perspectiva que considerava a Covid-19 como um problema localizado em uma região da China e limitado à interrupção da produção industrial daquela região. Poucas semanas depois, a Covid-19 se tornou uma pandemia que paralisou ou diminuiu significativamente a atividade econômica de todo mundo. Como exemplo, usinas de etanol no Brasil projetam paradas não programadas, interrompendo a colheita da cana, pois os estoques de etanol – em usinas, refinarias e distribuidoras – já se aproximam do máximo. O desemprego pode ultrapassar 30% da população economicamente ativa no Brasil, nos EUA e em boa parte do mundo. As referências são o período da 2ª Grande Guerra, ou da depressão econômica pós-1929. Naquela época, a globalização era uma quimera, e o mundo era completamente diferente do atual. Estamos à deriva.

 

Química e Derivados -

Associe-se a ABEQ:
www.abeq.org.br/proposta-de-associacao-para-pessoa-fisica/
Participe do COBEQ 2020: cobeq.org.br/
Siga-nos em nossas redes sociais:
Facebook: www.facebook.com/ABEQ.BR/
e Linkedin: www.linkedin.com/company/abeq-associacao-brasileira-de-engenharia-quimica/

Texto: André Bernardo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios