Cosméticos, Perfumaria e Higiene Pessoal

O conceito da Beleza Verde: Cosméticos Orgânicos, Veganos e Naturais.

Quimica e Derivados
17 de setembro de 2020
    -(reset)+

     

    Química e Derivados -

    Considerando ser a cosmetologia uma ciência de natureza multidisciplinar, seus históricos desenvolvimentos foram originalmente apoiados nas ciências aplicadas, como a medicina, farmácia, química, biologia, sociologia, e ciências físicas com suas ramificações, como dermatologia, fisiologia, histologia, e suas legislações. A evolução ao longo da história demonstra que os grandes progressos da medicina foram relacionados com epidemias, conflitos armados, impactos religiosos. Remotamente, a medicina e a cosmetologia foram associadas a práticas religiosas, por meio do uso de incensos aromáticos, óleos perfumados e seus unguentos. Em antigas civilizações do Egito e em outras diversas regiões, tais como na China e Índia, a prática da unção do corpo com óleos, pomadas de origem natural eram amplamente utilizados. (K.F. De Polo)1. O uso de corantes e pigmentos naturais proporcionavam efeitos diferenciados para destacar a beleza do corpo.

    Em tempos mais recentes, o século XXI traz ao setor de cuidados pessoais, a tendência mundial do uso de produtos ecologicamente corretos, de origem natural, embasados na estratégia da Química Verde, por meio de processos sustentáveis e inovações. O senso de responsabilidade se estende para a sustentabilidade da indústria e seu impacto sobre as gerações futuras, por meio das seguintes práticas ambientas:

    – Iniciativas na preservação da energia;
    – Processos industriais conscientes;
    – Preservação e tratamento da água;
    – Controle das emissões e redução de resíduos;
    – Educação e projetos de relações comunitárias;
    – Uso de processos, como de colheita de botânicos, de fontes renováveis;
    – Cuidados no processamento de materiais;
    – Condições favoráveis para a preservação de recursos naturais.

    Em sintonia com a expectativa e demanda do mercado, o setor de cosméticos tem sido orientado pela priorização dos projetos direcionados ao conceito da Beleza Verde, representados pelos Cosméticos Orgânicos, Veganos e Naturais. Através dos processos criativos e inovadores envolvem toda a cadeia produtiva e organizacional das empresas de matérias primas e produtos acabados.

    O mercado da Beleza Verde deverá alcançar um faturamento de US$ 25 bilhões até 2025 em todo mundo, impulsionado pela geração millenium, segundo a consultoria Grand View Research 2.

    No Brasil, estes produtos devem ter um crescimento entre 5% e 10% nos próximos cinco anos. O tamanho global do mercado de ingredientes para cuidados pessoais orgânicos foi estimado em US$ 8,08 bilhões em 2019 e deve chegar a US $ 8,5 bilhões em 2020, de acordo com a consultoria.

    A) Cenário de Legislações e principais Certificadoras

    1 – ANVISA:

    A Agencia de Vigilância Sanitária não reconhece os apelos de cosméticos orgânicos veganos e naturais e não dá seu parecer sobre o conceitual destes produtos, consequentemente não aprova estes registros, sendo que atualmente não existe regulamentação oficial no Brasil. 3

    2 – ISO 16128 -1 e 2

    A Organização Internacional de Nor­malização, (International Organization for Standardization – ISO) tem como objetivo promover o desenvolvimento de normas, testes e certificação, com o intuito de encorajar o comércio de bens e serviços. A ABNT NBR ISO 16128, sob o título geral “Diretrizes sobre definições técnicas e critérios para ingredientes e produtos cosméticos naturais e orgânicos”, contém as seguintes partes:

    – 16128- 1: Primeira edição – 26.10.2018 – Parte 1: Fornece diretrizes sobre definições técnicas e critérios para ingredientes e produtos cosméticos naturais e orgânicos. Estas diretrizes são específicas para o setor de cosméticos, levando em conta que a maioria das abordagens existentes escritas para o setor agrícola e alimentar não são diretamente transferíveis para os cosméticos. 4

    – 16128- 2: First edition 2017-2. – Guidelines on technical definitions and criteria for natural and organic cosmetic ingredients – Part 2: Descreve abordagens para calcular índices de origem natural, natural, orgânica e de origem orgânica que se aplicam às categorias de ingredientes definidas na ISO 16128-1. Disponível na versão em inglês. 5



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *