Números do setor e hábitos de consumo – ABIPLA

Detergentes para louças cresceram na pandemia

A vacinação, enfim, avança no Brasil e diversos setores econômicos já começam a dar mostras de recuperação.

Os fabricantes de produtos de limpeza registraram uma alta no volume de produção de cerca de 1,2% no período de janeiro a maio deste ano.

Os dados são do IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística e foram compilados pela ABIPLA – Associação Brasileira das Indústrias de Produtos de Higiene, Limpeza e Saneantes de Uso Doméstico e de Uso Profissional.

A notícia é excelente para nosso setor, uma vez que, mesmo tendo fechado o ano de 2020 com volume de produção estável em relação a 2019, os fabricantes de produtos de limpeza enfrentaram alta volatilidade no ano passado, com bruscos aumentos e quedas de demanda, fato que prejudicou muito os planejamentos de produção de diversas empresas do setor.

Esta primeira metade de 2021 também deixa claro que o segmento que foi mais afetado pela pandemia no ano passado, o de limpeza profissional, também já opera normalmente.

Com a imunização e uma possível retomada de eventos e abertura de empresas, indústrias e áreas comerciais sem restrições de horário, o segundo semestre pode incrementar ainda mais os números deste segmento.

Este pequeno balanço dos primeiros meses de 2021 também nos permitiu entender que os produtos para desinfecção de ambientes e superfícies continuam com forte demanda, provavelmente, ainda por reflexo da pandemia e pelas recomendações para higienização constante a fim de evitar o contágio pelo coronavírus. Detergentes

Outro destaque recente é a produção de detergentes líquidos para lavar louças, que cresceu 12,23%, no Brasil, em 2020, de acordo com dados da Nielsen.

E, na América Latina, os detergentes líquidos, em pó e em tabletes, tanto para lavagem manual quanto para lavagem em máquina, registraram alta de 12%, segundo a Kantar.

A alta desse produto tem várias explicações que se complementam: com a pandemia, as pessoas passaram a ficar mais tempo em casa, sendo que muitos optaram por cozinhar suas próprias refeições.

Desse modo, é natural que o consumo de detergentes aumente.

Outro ponto é que a própria composição do coronavírus, que é envolto em uma camada de gordura, permite que o produto inative o vírus e diminua suas possibilidades de contaminação.

Assim, os detergentes acabaram se tornando uma grande arma na prevenção à doença.

Só reforço, no entanto, que ele deve ser utilizado com luvas e apenas para o fim ao qual ele se propõe, que é a lavagem de louças.

Uma outra explicação, esta mais voltada aos hábitos de consumo dos brasileiros, é a popularização das máquinas de lavar louças no País.

A variedade de detergentes para uso em máquinas era um tanto limitada até poucos anos atrás e, até por isso, ela não figurava entre os eletrodomésticos preferidos do brasileiro.

Hoje, a indústria de saneantes já oferece uma série de alternativas de detergentes para lavagem em máquina.

Coincidência ou não, o eletrodoméstico virou objeto de desejo dos brasileiros nos últimos meses.

De acordo com dados do Google, a máquina de lavar-louças foi o eletrodoméstico que registrou a maior alta entre as pesquisas dos internautas do Brasil em 2020, com crescimento de quase 95%.

E este novo sonho de consumo dos brasileiros pode trazer benefícios à saúde e até ao meio ambiente, já que a qualidade da higienização da lavagem em máquina é superior, pois muitos dos detergentes desenvolvidos possuem enzimas que limpam e desengorduram com maior eficácia, com baixo consumo e excelente biodegradabilidade.

Além disso, ela pode economizar de 80% a 90% de água, na comparação com a limpeza de forma manual.

CPLA 2021 

Hábitos de consumo e o panorama do setor, por sinal, foram bastante discutidos no aguardado CPLA – Cleaning Products Latin America 2021, organizado pela multinacional Smitters, com apoio da ALIADA – Associação Latino-americana de Indústrias de Produtos de Limpeza, Domissanitários e Afins e da ABIPLA.

O evento ocorreu nos dias 4 e 5 de agosto e teve como tema central “Abordando os desafios dos plásticos e embalagens no mercado de produtos de limpeza”.

Ainda que tenha sido realizado de forma virtual, ficamos muito satisfeitos com a retomada de um dos principais eventos do mundo na área de produtos de limpeza.

O CPLA reúne as principais companhias do setor no mundo, além de consultorias especializadas e fornecedores.

Por isso, é uma ótima ferramenta para ficarmos alinhados ao que acontece em outros países, entendermos o atual momento do mercado de limpeza em diferentes regiões e até mesmo para praticar o networking com empresas de toda a cadeia de produção.

Foram dois dias de muito aprendizado e troca de experiências e no qual tive a honra de participar do discurso de abertura.

Vamos em frente!

Química e Derivados - Desenvolvimento e otimismo no setor de produtos de limpeza ©QD Foto: istockPhoto
Paulo Engler da Abipla

Paulo Engler é diretor-executivo da Associação Brasileira das Indústrias de Produtos de Higiene, Limpeza e Saneantes de Uso Doméstico e de Uso Profissional (ABIPLA).

Fundada em 1976, a ABIPLA completa 45 anos em 2021, e representa os fabricantes de sabões, detergentes, produtos de limpeza, polimento e inseticidas, promovendo discussões sobre competitividade, inovação, saúde pública e consumo sustentável.

Seus associados representam o mercado de higiene, limpeza e saneantes do Brasil, setor que movimenta R$ 26 bilhões anuais e responde por cerca de 80 mil empregos diretos.

ABIPLA

ABIPLA

A Associação Brasileira das Indústrias de Produtos de Higiene, Limpeza e Saneantes de Uso Doméstico e de Uso Profissional (ABIPLA) foi fundada em 12 de Novembro 1976 com o propósito de representar o setor perante os agentes públicos; promovendo discussões sobre competitividade, inovações, saúde pública e consumo sustentável.

Atualmente, a entidade é referência nacional em assuntos regulatórios e tributários, combate à contrafação (clandestinidade) e adequação às normas de proteção ao meio ambiente.

Para a sua elaboração, a Abipla se inspirou nas mais modernas tendências globais sobre o tema, com destaque para as seguintes áreas: redução de produtos químicos em geral, redução da geração de embalagens, redução da emissão de gases de efeito estufa, diminuição do consumo de energia e otimização do uso da água.

Em 1995, a entidade também passou a representar o setor junto ao Comitê de Indústrias de Productos de Limpieza Personal, Hogar y Afines Del Mercosur (Coinplan) e, em 2005, junto à Asociación Latino-Americana de Artículos Domisanitários y Afines (Aliada).

Leia Mais: 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios