Mineração: Tecnologias digitais estão moldando o futuro

Intensificação do uso de sensores, análise preditiva de processos operacionais por modelamento matemático e monitoramento de equipamentos críticos que envolvem a operação desde a lavra ao beneficiamento do minério. Essas são as principais soluções tecnológicas implantadas por boa parte das mineradoras, baseadas na indústria 4.0. Busca-se desta forma dotar as empresas de controles digitais, capazes de tornar as atividades produtivas mais autônomas, competitivas e sustentáveis.

A reestruturação exemplifica as tendências de otimização de curto, médio e longo prazo principalmente para o beneficiamento dos bens minerais. Graças a essas mudanças, “a mineração tem se tornado cada vez mais conhecida como sendo uma indústria de grandes inovações tecnológicas”, afirma Aline Nunes, gerente de assuntos minerários do Ibram.

Em sua maioria, as plataformas tecnológicas são sustentadas por Big Data e internet das coisas (IOT), acrescenta Nunes, lembrando que, muitas vezes, os sistemas operam em interface com a infraestrutura de automação existente nas empresas. No conjunto, essas ferramentas facilitam tanto a armazenagem de dados como sua interpretação e uso inteligente de informações estratégicas para a melhoria de desempenho dos negócios.

Os ganhos das empresas se materializam, segundo ela, de várias formas. Por exemplo, o emprego de sensores nos equipamentos permite maior eficácia das manutenções, reduzindo custo operacional e paradas não programadas.

Já as tecnologias de processos com foco no aumento da recuperação dos minérios de interesse proporcionam uma série de melhorias. Dentre as principais, destacam-se a aglomeração de finos e ultrafinos, recuperação e reaproveitamento de resíduos, redução ou eliminação de efluentes líquidos, mitigação de riscos e de impactos ambientais, inclusive os decorrentes de barragens de rejeito.

Na prática, “a indústria 4.0 está moldando um futuro mais sustentável e tecnologicamente avançado para a mineração”, observa o engenheiro de minas Mathias Heider, assessor técnico da ANM. O autodiagnóstico, segundo ele, é umas das vantagens que mais se destacam na mineração, contribuindo para que os equipamentos disponham de recursos que permitam analisar suas próprias condições operacionais. É o caso de painéis de controle aprimorados com informações em tempo real, integrados aos demais sistemas de suprimentos, acrescenta Heider.

Leia Mais:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.