Mercado Graxo: Origem natural garante evolução de negócios

Química e Derivados: Graxo: Reusch - logística prejudica a integração da cadeia produtiva.
Reusch – logística prejudica a integração da cadeia produtiva.

Segundo ele, há uma possibilidade de desenvolver a indústria oleoquímica na Colômbia, país que enfrenta escassez de óleo diesel. Como a produção de palma (dendê) é grande, Reusch defende o aproveitamento do óleo de palma para a produção de éster metílico, que poderia substituir de 5% a 7% do consumo de diesel. Das amêndoas ou nozes, pode ser extraído óleo de palmiste (palm kernel) suficiente para alimentar uma unidade produtora de álcoois graxos de alta qualidade. “A América Latina importa aproximadamente 250 mil t/ano desses álcoois”, salientou. O insumo é muito usado nas mais recentes formulações de artigos de higiene pessoal e cosméticos.

Sebo garantido – A expansão do setor de proteínas animais (suínos, bovinos e aves) no Brasil garante a oferta de matérias-primas oleoquímicas, com custos satisfatórios. “Só usamos sebo comprado diretamente de frigoríficos, de primeira qualidade”, afirmou Admir Lovato, diretor da Almad Óleos, Gorduras e Derivados, com fábrica em Araçatuba, no Oeste paulista. Para Lovato, o uso de sebo de boi limpo, sem contaminações, por apresentar cadeias carbônicas melhor definidas permite reduzir o tempo de residência no hidrogenador e economizar no catalisador, com vantagem evidente. No caso dos produtos de graxaria, sempre há mistura de material com restos suínos e vísceras, produzindo variações de qualidade. Já os resíduos de curtume, trazem contaminações atribuíveis ao processamento das peles.

A importância de manter qualidade consistente é explicada pelo fato de a Almad contar com contratos de fornecimento com especificações determinadas por clientes, que não admitem variações. “Temos produtos de prateleira, mas desenvolvemos produtos de acordo com as necessidades de clientes”, comentou. A hidrogenação, por exemplo, é conduzida a partir dessas encomendas. Nas linhas padrão, o processo é orientado de duas formas: a primeira proporcionando produtos com índices de iodo de 1 a 3, destinadas a usos mais específicos, e outra, indicada para a indústria de borracha, com índices variando de 3 a 8. “Fazemos, em alguns casos, até a bidestilação do ácido graxo”, afirmou.

Química e Derivados: Graxo: Lovato - pedidos em carteira já absorvem toda a produção.
Lovato – pedidos em carteira já absorvem toda a produção.

Ao mesmo tempo, Lovato identifica forte pressão para a redução de preços no setor, com base na ampla disponibilidade de produtos no mercado. “Existem até fornecedores informais, que aparecem e desaparecem com facilidade, mas acabam prejudicando as empresas mais sérias”, criticou. Daí a importância estratégica de atuar em produtos menos convencionais. Basta lembrar que, há pouco tempo, o sebo estava cotado a R$ 1,50 por kg, enquanto a estearina saía por R$ 2,00. “Nessa base, era melhor revender o sebo do que produzir o ácido graxo”, explicou, salientando que o preço do sebo já voltou ao normal. Já as cotações dos principais oleoquímicos básicos continuam deprimidas. Com isso, embora tenha rodado com a fábrica cheia em 2002, os resultados financeiros da Almad “não foram muito bons”.

A empresa está equipada para produzir 10 mil t/ano de ácidos graxos na forma bruta, incluindo o processamento de óleos vegetais, como soja e babaçu. “Se fizermos só ácidos destilados, essa capacidade cai para 5 mil t/ano”, comentou Lovato. Caso operasse apenas com hidrogenados, seria de 6 mil t/ano. O equilíbrio varia conforme a demanda. Embora busque produtos customizados, a Almad embasa boa parte da produção nos ácidos gaxos brutos e destilados. “Muitas empresas oleoquímicas nos procuram porque têm dificuldades crescentes em realizar essas operações por estarem localizadas perto de zonas urbanas, que reclamam contra o mau cheiro”, explicou.

A Almad foi montada em 1993, e depois adquirida por Lovato, que precisou investir em sistemas de proteção ambiental para atender aos requisitos ambientais do Estado de São Paulo. “Tenho concorrentes em outros estados que operam sob fiscalização menos severa, mas estão, com certeza, criando um problema para o futuro”, afirmou. Em 1998, a empresa instalou dois hidrogenadores e um destilador, comprado usado, no qual foram feitas algumas alterações para ampliar a capacidade produtiva e reduzir o consumo de vapor.

No processo da Almad, o resíduo ácido é neutralizado e tratado dentro dos parâmetros legais. O material residual sólido é tratado e depositado em aterro classe II. “Estamos desenvolvendo uma aplicação desse resíduo tratado como fertilizante, mas ainda não está em fase comercial”, comentou.

A empresa também revende óleos de babaçu, palma, linhaça e tungue, além de outros, em menor volume. No caso do babaçu, segundo Lovato, podem ser feitas hidrogenação e destilação, conforme a necessidade dos clientes. O problema da sazonalidade é marcante nessas linhas. “A indústria de tintas e vernizes usa muito óleo de tungue como secativo, mas a produção nacional se concentra em apenas três meses do ano”, afirmou.

Química e Derivados: Graxo: graxo02.Recentemente, a Almad ingressou no mercado de ingredientes para domissanitários, com destaque para o ácido sulfônico, o lauril éter sulfato e amidas, importadas a partir do Uruguai. Também álcoois graxos estão sendo importados, sempre com o objetivo de agregar valor à linha de produtos. Também por isso, está investindo em linha própria de oleoquímicos para cosméticos. “Investimos sempre com base no capital próprio a partir da geração de caixa; vamos devagar, mas de forma contínua”, explicou.

Página anterior 1 2 3 4 5 6Próxima página
Mostrar mais

Um Comentário

  1. Lendo a publicação acima sobre graxo fiquei interessado, pois estamos na face final de elaboração de um potente coagulante para redução do sulfato proveniente dos efluentes gerado pelas empresas que trabalham com bora para a produção de acido graxo, esses coagulantes já foi testado em laboratório o resultado de 6000ppm sulfato para menor 200ppm.
    Estamos confiantes no produto sabendo que os órgãos libera para descarte teor menor 1000ppm havendo interesse estamos à disposição.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios