Medidas de Eficiência Energética ajudam indústrias químicas na redução de custos e aumento da competitividade

O Programa PotencializEE mostra em webinar no dia 21/06 os potenciais de Eficiência Energética e cases de sucesso no setor

A eficiência energética pode gerar um impacto positivo na indústria química que hoje é a 5ª maior consumidora de energia do país (7,1% do total), segundo dados de 2021 da Empresa de Pesquisa Energética (EPE). Os cinco principais gastos de energia estão concentrados nos processos de calor (70%), força motriz (22%), aquecimento direto (4%), eletroquímica (3%) e refrigeração (1%).

Investir em projetos de Eficiência Energética torna-se uma excelente opção para o gestor que precisa reduzir custos com energia, aumentando a produtividade. É nesse ponto que o Programa PotencializEE ajuda pequenas e médias empresas dos setores químico e farmacêutico a identificarem oportunidades e investirem em projetos de eficiência que tragam retorno para a empresa e a sociedade.

No setor químico, as medidas de eficiência energética recomendadas são adoção de sistema de cogeração de eletricidade, recuperação de energia térmica, troca de lâmpadas por tecnologias LED, troca/manutenção de motores, instalação de pré-aquecedor de ar em caldeiras, melhorias de isolamento térmico, entre outras.

Os ganhos ao adotar essas medidas superam os financeiros, trazendo também melhorias de desempenho corporativo, do gerenciamento socioambiental, da saúde e segurança dos funcionários e até da motivação e satisfação dos colaboradores.

A americana Baxter, empresa de saúde com portfólio de equipamentos médicos e produtos farmacêuticos, atingiu uma economia de US$ 2,5 milhões em cinco anos com investimentos em eficiência energética para a obtenção de Certificação ISO 50001.

A implantação do projeto de gestão de energia demandou investimento de US$ 1,1 milhão ao longo de cinco anos e previu políticas de uso de energia, difusão de cultura sustentável, plano de estratégia e implantação de medidas relacionadas ao desempenho energético de equipamentos.

Além disso, empresas brasileiras também vêm obtendo resultados positivos com investimentos em eficiência energética. No Polo Químico de Triunfo, no Rio Grande do Sul, a Oxiteno investiu R$ 55,1 mil para retrofit dos fluidos refrigerantes, operação que deve gerar economia de R$ 177,6 mil em energia em três anos e meio.

Quer saber mais como produzir mais sem desperdício de energia no setor de Químico Farmacêutico?  O Programa PotencializEE promove no dia 21/06, às 16 horas, o webinar “Menos custos com energia, mais competitividade para Indústria Química”, com a participação de Marco Schiewe, diretor do programa PotencializEE pela GIZ, Agência Alemã de Cooperação Internacional, e Ulisses Vieira, Coordenador de Relacionamento com a Indústria do SENAI-SP.

O webinar é uma realização do “PotencializEE – Investimentos Transformadores em Eficiência Energética”, que apoia pequenas e médias indústrias na implementação de medidas de eficiência energética com suporte técnico e financeiro no estado de São Paulo. A iniciativa é resultado da Cooperação Brasil-Alemanha para o Desenvolvimento Sustentável, liderada pelo Ministério de Minas e Energia e coordenada pela Agência Alemã de Cooperação Internacional (GIZ). O programa tem o SENAI-SP como principal parceiro técnico.

Clique aqui e faça sua inscrição!  O evento é gratuito e será transmitido pela plataforma Teams.
O link de acesso vai chegar no seu e-mail.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios