Mapa de risco na indústria química

Confira para que serve um mapa de risco na indústria e como elaborá-lo para deixar o ambiente de trabalho mais seguro

O mapa de risco tem um papel fundamental na indústria química, ele serve para identificar as atividades que apresentam risco aos colaboradores e podem gerar acidentes no ambiente de trabalho.

Em linhas gerais, consiste em um levantamento dos riscos visando a conscientização de todos e a implementação da segurança no ambiente de trabalho para reduzir os acidentes e proporcionar o bem-estar dos colaboradores.

Risco não se confunde com perigo, enquanto no primeiro há a possibilidade de um evento ocorrer, no perigo já há um fator determinante para o risco se concretizar.

Acesso Rápido no post

O que é um mapa de risco?
Qual é a função de um mapa de risco?
O mapa de risco é obrigatório para as empresas?
Principais riscos de uma indústria química
Como elaborar um mapa de risco?
Círculos
Cores

O que é um mapa de risco?

O mapa de riscos pode ser definido como um documento visual com um levantamento qualitativo dos riscos existentes no local de trabalho. Pode ser de dois tipos: a) geral: engloba os riscos existentes em toda a empresa; b) específico: trata apenas de setores individuais do ambiente de trabalho.

Seu desenvolvimento deve ser realizado conjuntamente com os trabalhadores para encontrar os pontos vulneráveis e facilitar a compreensão. Cores e tamanhos específicos são utilizados para mostrar os riscos presentes.

A localização do mapa de risco também é muito importante para que a segurança seja eficiente. Ele deve ser colocado em um espaço de fácil e rápido acesso a visualização, de preferência próximo a entrada.

Consiste em mais mais um dos diversos meios utilizados para prevenção e oferecimento de um ambiente seguro aos colaboradores. O mapa de risco aparece ao lado de treinamentos, sinalizações, incentivos ao uso de equipamentos de proteção individual e muito mais.

Qual é a função de um mapa de risco?

Como as indústrias químicas trabalham diariamente com produtos que podem ocasionar explosões, contaminações, intoxicações e uma série de outras consequências graves, é possível dizer que os colaboradores estão a todo instante expostos a perigos, imediatos ou a longo prazo, o que exige da empresa medidas para conscientizar sua equipe sobre os riscos envolvidos e ações para aumentar a segurança e bem-estar no ambiente de trabalho.

Dessa forma, o mapa de risco tem por objetivo identificar as potencialidades de perigo, informar e conscientizar todos os colaboradores da empresa sobre os riscos envolvidos, além de determinar medidas preventivas e de segurança para mitiga-los.

Os benefícios de um mapa de riscos são imensos e não alcançam apenas o trabalhador. É claro que ele está no principal foco, uma vez que coloca sua própria vida em risco, mas há outros personagens envolvidos. O mapa de risco além de oferecer melhores condições de trabalho e proteção à vida do colaborador, proporciona aumento da produtividade, diminuição do desperdício, redução do risco de acidentes, o que é muito significativo para a empresa, entre outras vantagens.

Mapa de risco é fundamental na prevenção de acidentes
Mapa de risco é fundamental na prevenção de acidentes

O País e a sociedade também aparecem com ganhos neste cenário, visto que a prevenção pode gerar uma diminuição com o gasto previdenciário, contribuir para o crescimento da economia e prevenir impactos ambientais.

O mapa de risco é obrigatório para as empresas?

A NR 5 que trata da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes dispõe em seu item 5.1.1 “Esta Norma Regulamentadora – NR estabelece os parâmetros e os requisitos da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes – CIPA, tendo por objetivo a prevenção de acidentes e doenças relacionadas ao trabalho, de modo a tornar compatível, permanentemente, o trabalho com a preservação da vida e promoção da saúde do trabalhador”

O mapa de risco deve ser implantado em empresas que tem um grau de risco e um número de funcionários que exija uma CIPA (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes). Caso a empresa tenha mais de 20 funcionários, a implementação da CIPA é obrigatória, sob pena de multa.

Principais riscos de uma indústria química

Como mencionamos, a indústria química oferece uma série de riscos para o trabalhador durante o desempenho de suas funções, tanto que o mapa de riscos e outras medidas de prevenção como equipamento de proteção coletiva, equipamento de proteção individual, sinalização e treinamento são exigidas para oferecer segurança.

Dentre os principais riscos para o trabalhador, podemos citar:

  • Substâncias nocivas: o contato com materiais corrosivos, explosivos ou contaminantes faz parte da rotina da indústria química tanto no manuseio como no recebimento, transporte e armazenamento.
  • Incêndios e Explosões: vários produtos químicos podem causar explosões em certas situações como manipulação inadequada, vazamento, negligência, armazenamento incorreto, entre outros.
  • Temperaturas extremas:  Ambientes com temperaturas extremas, comuns as indústrias, como caldeiras, oferecem, além do desconforto térmico, exposição a riscos de explosões.
  • Espaços confinados e deficiência de oxigênio: Em espaços confinados pode ocorrer o acúumulo de gases tóxicos pela ausência de oxigênio, representando um enorme perigo ao trabalhador.
  • Riscos mecânicos: problemas nos equipamentos e ferramentas industriais também podem ocasionar como cortes, esmagamentos, choques elétricos e explosões.

Como elaborar um mapa de risco?

O mapa de riscos de ser elaborado de forma simples com círculos de diferentes tamanhos e cores. As cores representam a intensidade, quanto maiores, maior a intensidade do risco; já as cores, determinam o tipo de risco. Legendas podem ser incluídas, se necessário.

Círculos:

  • Círculo pequeno: risco pequeno
  • Círculo médio: risco intermediário, pode ser controlado através de EPC’s, EPI ou outras medidas preventivas.
  • Círculo Grande: risco grave, pode causar acidente, mutilação e até mesmo a morte.

Cores:

  • Verde: riscos físicos no ambiente, como energia, temperatura, radiações, pressão, entre outras.
  • Vermelho: riscos químicos, como substâncias tóxicas.
  • Marrom: risco biológico, como bactérias, parasitas, vírus, protozoários, entre outros.
  • Amarelo: riscos ergonômicos, ou seja, ligados a esforços físicos exagerados, repetição de movimentos, posturas incorretas e muito mais.
  • Azul: risco de acidentes, ligados as máquinas ou que coloquem o trabalhador em risco afetando sua integridade física. Exemplos: quedas, máquinas sem proteção; armazenamento incorreto; ferramentas com defeito, entre outros.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios