Óleo, Lubrificantes e Graxa

Lubrificantes: A versatilidade das graxas a base de poliureia

Quimica e Derivados
28 de agosto de 2018
    -(reset)+

    Química e Derivados, Graxas de poliureia suportam as elevadas temperaturas das aciarias

    Graxas de poliureia suportam as elevadas temperaturas das aciarias

    Define-se como lubrificante um material de fácil deformação capaz de formar uma camada impermeável, reduzindo o aquecimento e evitando que componentes em movimento provoquem atrito ou se desgastem. Com isso, podemos dizer que o objetivo primário da lubrificação é reduzir o desgaste e o calor gerado pelo contato de superfícies em movimento. Embora o desgaste e o calor não possam ser completamente eliminados, é possível reduzi-los para níveis negligenciáveis ou aceitáveis.

    Os lubrificantes podem ser encontrados nos estados sólido (por exemplo, grafite e bissulfeto de molibdênio); líquido (óleos minerais e fluidos sintéticos); gasoso (gases nobres) e sólido-fluido (graxas e pastas). Dentre as diferentes graxas encontradas no mercado, as de poliureia têm se destacado devido à capacidade de adaptar-se a diferentes requerimentos de variadas aplicações, podendo ser utilizada em diversos segmentos da indústria.

    As graxas de poliureia possuem boa adesividade e bombeabilidade, sendo uma ótima indicação para sistemas centralizados de lubrificação e apresentam um desempenho eficaz mesmo sob condições de operação extremas, expostas a altas temperaturas, contaminação com água, vapor, ácido, cargas elevadas e vibração constante.

    Na indústria do aço, por exemplo, as graxas de poliureia podem ser utilizadas em diversas aplicações, tais como na máquina de lingotamento contínuo, mancais dos rolos, sistema de giro da torre, oscilador do molde, máquina de sinterização, rolamento das rodas dos carros, régua de selagem, coquerias, aciaria, motores elétricos, juntas de velocidade constante, instrumentação elétrica e rolamentos de equipamentos auxiliares.

    Outra aplicação possível está nas máquinas das indústrias de alimentos, pois podem ser facilmente formuladas para a aprovação da Classe H1 da organização americana National Sanitization Foundation (NSF), mostrando o quão diverso pode ser o uso deste tipo de espessante. Além disso, as graxas de poliureia são resistentes à água, aumentando o tempo de uso do lubrificante e reduzindo a produção de resíduos e os custos de operação, com benefícios financeiros e para o meio ambiente.

    Por apresentar tanta versatilidade, as poliureias permitem a personalização das graxas para cada aplicação, pois é possível formular seus arranjos moleculares e adaptá-las de acordo com cada aplicação, isso também pode auxiliar na gestão de estoque, já que um mesmo produto pode ser adaptado para uso em diversas aplicações numa mesma planta.

    Química e Derivados, A versatilidade das graxas a base de poliureia

    Uma das maiores vantagens que a poliureia possui em relação às graxas de sabão é a excelente estabilidade à oxidação e a longa vida útil em operações em altas temperaturas. Isso se deve ao fato do espessante de poliureia não conter elementos metálicos, como lítio e sódio, presentes nas graxas de sabão, que podem catalisar a oxidação do óleo básico.

    A estrutura do espessante da graxa de poliureia tem um efeito crucial nas suas propriedades, as quais dependem da estrutura do isocianato e das aminas utilizadas. Com isso, diferenciando-se os tipos de isocianatos, aminas e método de processo, é possível obter inúmeras poliureias distintas, as quais possuem propriedades intrínsecas para cada aplicação.

    As ureias ou carbamidas, que compõem as poliureias, são compostos orgânicos com a fórmula química CO-(NH2)2., cuja molécula tem uma carbonila central (C=O) unida por dois grupos funcionais de amina (NH2). Estes compostos químicos podem ser obtidos por reação de mono ou di-isocianatos (compostos que contêm o grupo R–N=C=O), e aminas (ex. alifáticas, alicíclicas, aromáticas e diaminas), através da reação de polimerização.

    Reconhecendo a importância e o diferencial do produto, empresas especializadas passaram a desenvolver lubrificantes específicos a base de poliureia que atendam aos seus mais recentes requisitos e contribuam para aumentar a disponibilidade das instalações, gerando benefícios como ganho operacional, de produtividade, agilidade e financeiro em médio e curto prazo, como redução de custo e retorno do investimento.

    Texto: Dener Silva e Eduardo Carmo*


    *Dener Silva é Supervisor de Produção e Eduardo Carmo é Gerente Global da indústria de Aço da Klüber Lubrication do Brasil

    *Este artigo é fruto de uma parceria entre a Klüber Lubrication Brasil e o Instituto de Química da Universidade de São Paulo, por meio do Programa de Mestrado Profissional. A empresa agradece ao professor Alcindo Santos, orientador do projeto.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *