Livros técnicos: Um romance difícil de ser concretizado

Pequena produção nacional e preço caro dos importados dificulta a compra de livros técnicos com conteúdo dirigido para o setor de química

Química e Derivados: Livros: livros_abre.“Que outros se jactem das páginas que escreveram; a mim me orgulham as que li”. A frase, de autoria do consagrado escritor argentino Jorge Luis Borges, destaca com sabedoria a importância dos livros para a formação intelectual dos seres humanos. O raciocínio não vale apenas para os amantes dos bons romances. Os ensinamentos proporcionados por obras de qualidade são imprescindíveis para o aperfeiçoamento e atualização de profissionais das mais variadas áreas. Entre elas, é lógico, a de Química.

Comprar livros técnicos, entretanto, não é uma tarefa fácil para os estudantes e profissionais brasileiros interessados em aprofundar conhecimentos. A despeito do trabalho abnegado realizado por algumas editoras, são raras as obras publicadas por aqui. A única saída, em muitos casos, é optar por livros importados, que por conta do impressionante avanço da tecnologia são lançados aos borbotões nos países avançados. Quem se habilitar à tal aquisição, no entanto, que se prepare. Além de enfrentar a barreira do idioma, o consumidor precisará desembolsar uma quantia significativa para adquirir seu objeto de desejo. A elevada especialização aliada às tiragens reduzidas dos textos fazem com que seus preços incomodem até os leitores do primeiro mundo, que recebem salários mais altos e em moedas fortes.

Os preços salgados são reconhecidos pelos maiores interessados no incremento desse comércio, os proprietários das poucas livrarias especializadas instaladas no País. “Os importados são tão caros que não conseguimos mantê-los em estoque. A maioria das vendas que realizamos são feitas sob encomenda”, revela Carlos Gomes, sócio gerente da Triângulo, loja que está completando 60 anos de atividades na cidade de São Paulo. “É comum um livro importado custar US$ 200. Alguns são caríssimos, superam a casa dos US$ 400”, confirma Paulo Ceschi, proprietário da também paulistana Polytecnica, outra tradicional livraria do gênero obrigada a trabalhar com pedidos “a la carte”.

Paixão – “Para editar livros técnicos no Brasil é preciso ter paixão pelo negócio, as dificuldades desanimam qualquer um”, queixa-se Edgar Blücher, diretor da Editora Edgar Blücher, uma das mais tradicionais do mercado nacional. Fundada em 1966, a editora conta hoje com cerca de 250 títulos distribuídos no mercado. A reclamação do editor encontra eco entre os seus concorrentes e é justificada por muitos fatores. A falta de financiamento e os juros estratosféricos que assolam as atividades produtivas nacionais é um dos mais citados. O custo do papel atrelado ao dólar não ajuda em nada. “Estou com um material de um cientista brasileiro que daria um excelente livro. Mas por ser um texto longo, que exigiria um número de páginas muito elevado, sua edição tornou-se proibitiva”, exemplifica Blücher.

Química e Derivados: Livros: Blücher - publicar livros técnicos é para apaixonados.
Blücher – publicar livros técnicos é para apaixonados.

O maior nível de exigência dos leitores também prejudica os empresários. “Hoje os livros são todos coloridos e o custo do fotolito também é calculado em dólar”, desabafa Arysinha Jaques Affonso, coordenadora editorial da Bookman, selo de livros técnicos criado há oito anos pela editora gaúcha Artmed. Com o avanço da tecnologia, as editoras são obrigadas a lançar mão de recursos para torná-las mais atraentes – como anexar CD-ROM’s, por exemplo -, o que gera custos adicionais.

A decisão de publicar em português um texto internacional é complicada, pois exige investimentos para a compra de direitos autorais no exterior e também para a tradução. Por outro lado, a falta de incentivos para maior produção do meio acadêmico brasileiro dificulta a atuação das editoras. “No exterior, os professores universitários têm direito a períodos sabáticos, nos quais recebem para produzir livros. Aqui eles não têm tempo, preferem se dedicar à produção de artigos para revistas científicas”, explica Bernardo Severo, coordenador editorial técnico da carioca LTC, outro tradicional selo voltado para o ramo técnico.

Com todos esses problemas, é natural que as obras em português cheguem às lojas com preços que, se não atingem os patamares dos importados, encontram-se fora do alcance da maioria dos consumidores nacionais, cujo poder aquisitivo não é nada animador. Com isso, as editoras nacionais passam sofrer outro duro golpe, o da pirataria. “Tirar xerox dos livros é uma prática impossível de se combater”, admite Blücher.

Drama – Em um cenário com tantas dificuldades, selecionar um texto a ser publicado, seja ele escrito no Brasil ou traduzido, é um drama para as editoras. A primeira decisão difícil é escolher para qual nicho se destinará a obra. No caso dos livros de Química voltados para estudantes que cursam até o primeiro ano das faculdades, o mercado é mais atraente, conta com número bem maior de leitores. Mas a competição nesse filão é dura, pois nele atuam grandes conglomerados internacionais especializados no mercado de educação básica. No segmento de livros com conteúdo dirigido a profissionais com formação avançada, por sua vez, as pequenas tiragens das edições não são nada tentadoras.

Blücher tem se dedicado mais nos últimos anos ao nicho das obras sofisticadas, para fugir da poderosa concorrência das multinacionais que publicam obras mais básicas. “Para nos diferenciar apostamos na produção de autores nacionais, eles assinam 80% de nossos títulos”, informa Blücher. Para exemplificar, o editor cita uma de suas apostas bem-sucedidas, o livro Indústria Química, Riscos e Oportunidades, escrito pelo engenheiro Pedro Wongtschowski, que já se encontra na segunda edição. Nem mesmo os casos de sucesso, porém, entusiasmam o dirigente. “Nossos livros têm tiragem média de 1,5 mil exemplares e para esgotar uma edição levamos cerca de três anos”, revela.

Tanto a LTC quanto a Bookman seguem caminho diverso da concorrente – elas privilegiam textos dirigidos ao ensino básico. Isso não significa que não atuem no campo de obras sofisticadas. Na opinião de Arysinha, os livros voltados para especialistas podem não proporcionar um grande retorno comercial, mas são imprescindíveis para a imagem corporativa das editoras técnicas. “Esses livros são para nós uma ferramenta de marketing, eles valorizam a presença da empresa no mercado”, justifica. Ela cita o caso da tradução do livro Princípios de Análise Instrumental, clássico lançado no exterior pela Skoog, Holler e Nieman, como um bom exemplo do uso da estratégia pela Bookman.

Definido o nicho de atuação da editora, outra dificuldade encontra-se na seleção dos textos. Nessa hora, contar com um aguçado sentimento é imprescindível. “A experiência de anos de trabalho nessa área ajuda muito”, admite Blücher. “Manter contato constante com o meio acadêmico e com profissionais ligados às empresas do setor químico é importantíssimo”, acrescenta Severo, que além de funcionário da LTC é membro do Instituto Brasileiro do Petróleo.

Aventura – Escolher um bom texto não é tarefa difícil somente para os editores. Com inúmeros títulos disponíveis, ainda que a maioria no idioma inglês, comprar um bom livro é uma tarefa que pode se transformar em um aventura arriscada para profissionais ou estudantes de cursos avançados interessados em se atualizar em determinado tema científico. É verdade que hoje basta entrar no site de algumas livrarias virtuais internacionais – a mais famosa é a Amazon – para contatar com as mais variadas opções existentes no mercado mundial. Mas como saber qual obra é a mais recomendada para satisfazer a necessidade do consumidor?

Na opinião de um contumaz leitor, o professor Paulo Sergio Santos, titular do Instituto de Química da Universidade de São Paulo (IQ/USP), ter muitas informações é tão complicado como não ter nenhuma. “Acho que nesta hora devemos procurar um bom livreiro, um profissional que atua há décadas no ramo. Não há site na Internet que substitua um bom especialista”, receita.

Química e Derivados: Livros: Ceschi - preço obriga livraria a trabalhar sob encomenda.
Ceschi – preço obriga livraria a trabalhar sob encomenda.

Sem falsa modéstia, os livreiros concordam. “Quando o cliente está em dúvida nos comprometemos a encontrar livros de bom conteúdo sobre determinado assunto”, garante Carlos Gomes. O mesmo serviço é prestado pelo concorrente Paulo Ceschi. “A cada pedido realizamos, sem qualquer custo adicional, uma pesquisa que inclui uma conferida no acervo das principais editoras mundiais e em sites de entidades internacionais de Química, além de consultas pessoais a membros da comunidade científica brasileira especializados no tema de interesse”, garante o proprietário da Polytecnica.

Ceschi conta até com a colaboração de profissionais residentes nos Estados Unidos para encontrar por lá livros já fora dos catálogos. Para mostrar sua eficiência, ele lembra que recentemente o pessoal da fábrica da Rhodia localizada em Paulínia-SP adquiriu uma verdadeira raridade: a coleção International Critical Tables of Numerical Data, Physics, Chemistry and Technology, obra de referência idealizada pelo International Research Council of the United States of America, publicada pela McGraw Hill em 1920. Depois de muita procura, os “detetives” norte-americanos a serviço do livreiro conseguiram encontrar a coleção completa em ótimo estado de conservação.

Best sellers – Entre as muitas aplicações às quais se destinam as pesquisas realizadas por universidades e empresas de tecnologia de ponta, algumas encontram-se em grande evidência, o que implica lançamento de um grande número de livros dirigidos para determinados temas. A necessidade premente da indústria pela descoberta de novos materiais é um dos gêneros do momento. Existem dezenas de opções de livros sobre polímeros especiais, cerâmicas, e outros produtos desenvolvidos a partir de pesquisas que consomem o investimento de bilhões de dólares.

Química e Derivados: Livros: Blücher aposta em autores nacionais.
Blücher aposta em autores nacionais.

O crescente interesse pela preservação da natureza tem provocado nos últimos anos uma grande procura por livros de Química Ambiental. “Hoje existem muitos títulos das mais variadas editoras voltados para esse tema”, atesta Silva, do IQ/USP. O professor ressalta que, dentro desse campo, um dos assuntos que ganhará muito espaço em breve é o do tratamento da água. “A tecnologia já garantiu o surgimento de substitutos renováveis do petróleo, derivados da agricultura. A água não tem substitutos, ela será o bem mais valioso da terra nas próximas décadas”, justifica.

Enquanto alguns títulos são muito procurados por abordarem temas que se encontram em evidência, outros fazem sucesso há décadas, podem ser considerados clássicos da literatura química. É o caso, de alguns manuais cujas edições são renovadas e atualizadas há décadas e se transformaram em autênticas bíblias para os profissionais do ramo.

Química e Derivados: Livros: Manuais encontram-se entre os mais vendidos.
Manuais encontram-se entre os mais vendidos.

Um dos exemplos mais notáveis é o do CRC Handbook of Chemistry and Physics, usado como referência por profissionais do ramo há mais de 90 anos e que se encontra na 84ª edição. “Todo o ano vendo de 30 a 40 exemplares”, afirma Ceschi, da livraria Polytecnica. Traduzido há 35 anos pela Fundação Gulbenkian, de Portugal, as cerca de 1,5 mil páginas do compêndio de Química Orgânica da Morrison e Boyd encontram-se à disposição dos estudiosos que sentem arrepios ao terem de recorrer aos textos publicados na língua inglesa. “A publicação já está na 13ª edição e é sempre muito procurada”, garante Gomes, da Triângulo.

Não faltam exemplos de ótimos livros sobre outros temas os mais variados, como, por exemplo, instrumentalização, aditivos, farmacêutica e fertilizantes. São centenas e centenas de textos que valorizam um dos muitos pensamentos de autoria do sofisticado escritor persa Omar Khayam: “O imenso mundo, um grão de areia perdido no espaço. Toda a ciência dos homens, palavras.”

SBQ incentiva autores nacionais

Química e Derivados: Livros: Alves - parceria viabilizou iniciativa.
Alves – parceria viabilizou iniciativa.

Um projeto criado pela Sociedade Brasileira de Química (SBQ) traz um alento para os especialistas brasileiros que sonham em se tornar autores. Animada pela visibilidade obtida pelas três revistas que publica – Química Nova, Química Nova na Escola e o Journal of Brazilian Chemical Society, esta última totalmente em inglês –, a entidade lançou um programa de seleção de textos que abordam os diferentes aspectos da disciplina. Tais textos serão transformados em livros voltados para a formação de novos profissionais.

A discussão sobre como transformar a idéia em realidade começou há dois anos. “Como não tínhamos condições financeiras para bancar tal programa, passamos a procurar uma parceria com uma editora comercial que viabilizasse o projeto”, conta Oswaldo Luiz Alves, coordenador da Editora SBQ e professor titular do Instituto de Química da Unicamp. A proposta foi aceita pela Editora Bookman, que resolveu se encarregar das operações de publicação, marketing e distribuição das obras.

“Temos o interesse de constituir um catálogo qualificado de obras de Química em português”, revela Arysinha Jaques Affonso, coordenadora editorial da empresa.

Química e Derivados: Livros: Primeiro livro do projeto já à venda.
Primeiro livro do projeto já à venda.

A primeira chamada para os autores deu-se no segundo semestre de 2002. Ao todo, a SBQ recebeu 16 obras, assinadas por 25 autores. Todas estão sendo analisadas por especialistas de renome do mundo acadêmico nacional, que estão emitindo pareceres como oportunidade da obra e abrangência do texto, entre outros quesitos. Os melhores trabalhos serão recomendados à Bookman.

O primeiro fruto do projeto chegou ao mercado no final de maio. Trata-se do livro Substâncias Carboniladas e Derivados, assinado por Ronaldo Pilli, Paulo Roberto Ribeiro Costa, Sérgio Pinheiro e Mário Vasconcellos. A obra fará parte de uma série específica sobre Química Orgânica e explica o papel central desempenhado pelo grupo carbonila e a diversidade de reações químicas que o caracteriza.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.