Álcool e Açúcar (usinas)

Limpeza Química – Novos conceitos e inovações evitam danos aos evaporadores

Quimica e Derivados
8 de outubro de 2014
    -(reset)+

    Em outras situações, utiliza-se uma pré-limpeza com “fervura” de uma solução de hidróxido de sódio e, posteriormente, efetua-se a limpeza mecânica com hidrojato ou com raspadores tipo roseta. Porém, esse processo não elimina a operação mecânica, completando assim a limpeza.

    Química e Derivados, Chicote transmissor de rotação para o raspador (roseta)

    Chicote transmissor de rotação para o raspador (roseta)

    O processo de avaliação da limpeza química consiste primeiro em identificar o tipo e a composição das incrustações a serem removidas, procedimento no qual estas são amostradas individualmente em cada etapa do processo e em seguida analisadas. Com base na caracterização dos elementos que compõem a incrustação, é elaborado um plano de limpeza personalizado, cujas características sobre o tipo do agente químico e sua concentração são específicas para cada equipamento.

    Com o rigor cada vez maior quanto à segurança das pessoas envolvidas na limpeza de evaporadores, por se tratar de uma operação realizada em espaços confinados, o sistema normativo brasileiro impõe as orientações da NR (norma regulamentadora) 33, que visa limitar e até proibir o acesso de pessoas a tais condições de trabalho.

    Dessa forma, o setor sucroenergético busca se adequar à exigência normativa, mas sem descuidar da qualidade da limpeza dos equipamentos, uma vez que o bom funcionamento desta operação unitária é de vital importância para a indústria.

    Existe ainda um fator que causa preocupação quando é necessário aplicar limpezas químicas nos evaporadores, que é a corrosão preconizada dos tubos. Estudos recentes com soluções químicas e seus sistemas de aplicação se mostram satisfatórios nos resultados de eficácia, tanto de remoção das incrustações quanto nas baixas taxas de corrosão do sistema.

    Química e Derivados, Motor elétrico, responsável pelo acionamento do chicote, que gira o raspador mecânico (roseta)

    Motor elétrico, responsável pelo acionamento do chicote, que gira o raspador mecânico (roseta)

    A parceria entre as indústrias de especialidades químicas e empresas de equipamentos industriais chegou a um sistema de aplicação que é eficaz na remoção das incrustações e, ao mesmo tempo, elimina a presença de pessoas em espaços confinados.

    Esse sistema consiste em aplicar a solução química (ácida e alcalina) sob determinada pressão, velocidade, temperatura e tempo, onde a combinação da ação química da solução, somada à ação mecânica do fluido, promovem a remoção gradual das incrustações, sem causar desgaste dos tubos dos evaporadores. Veja o esquema da operação:

    Em relação às soluções químicas aplicadas ao processo, temos a limpeza ácida, na qual utilizamos os ácidos clorídrico, sulfâmico e fórmico, ambos aditivados com inibidores de corrosão. A seleção entre um ácido e outro está relacionada ao tipo de material de que é construído o tubo a ser submetido à limpeza e à composição química da incrustação. Na limpeza alcalina, utilizamos hidróxido de sódio líquido (a 50%), que recebe o incremento de um aditivo de limpeza química alcalina. Trata-se de um coadjuvante que possui grande sinergia com o hidróxido de sódio, atuando eficazmente sobre as incrustações aderidas às paredes dos tubos.

    No tocante ao desgaste dos tubos dos evaporadores, este sistema apresenta uma vantagem em relação à limpeza química convencional, pois a solução química não forma um sistema “afogado”, que submeteria os tubos a uma condição critica. Neste sistema, a solução forma um filme descendente nos tubos, agindo apenas sobre as incrustações.

    Química e Derivados,Evandro Carlos de Assis, coordenador técnico do Grupo Serquímica

    Evandro Carlos de Assis, coordenador técnico do Grupo Serquímica

    Estudos recentes também concluíram que a distância entre os bicos do sistema rotativo e os tubos do evaporador pode influenciar este desgaste. Desta forma, os projetos sofreram um upgrade, e são adaptados sob medida para cada tipo de evaporador.

    A Serquímica é especializada em limpezas químicas dos sistemas de trocas térmicas e, em parceria com fabricantes de equipamentos, promove a aplicação de um novo conceito em limpeza química, mediante o sistema RRITE (Removedor Rotativo de Incrustações em Tubos de Evaporadores). Este sistema é responsável pela distribuição homogênea das soluções químicas, bem como promover a pressão e velocidade adequadas para obtenção de um excelente resultado.

    Por Evandro Carlos de Assis

    O AUTOR

    Evandro Carlos de Assis, coordenador técnico do Grupo Serquímica, é pós-graduado em Gestão e Tecnologia Industrial Sucroalcooleira, possui 23 anos de experiência profissional no setor sucroenergético, 17 destes anos atuando como gestor de processos industriais.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *