Tratamento de Água

Investimentos offshore exigem aprimorar tratamento de água produzida

Quimica e Derivados
15 de junho de 2018
    -(reset)+

    Notas

    Operação no Comperj

    A Opersan venceu licitação da Petrobrás para execução dos serviços de operação e manutenção do sistema de distribuição de água potável e de monitoramento e análise das águas dos sistemas de macrodrenagem e lagoas de sedimentação. Para as instalações da UTR3 do Comperj, em Itaboraí-RJ, o contrato demandou admissão de 17 novos funcionários pela Opersan, que vão trabalhar on-site.

    R$ 200 milhões para o “verde”

    A agência de desenvolvimento paulista, a Desenvolve SP, atingiu a marca de R$ 200 milhões em investimentos de projetos “verdes”, de melhoria operacional com menor impacto ambiental em médias e pequenas empresas do estado. Os recursos, desembolsados nos últimos oito anos, se voltaram para projetos de eficiência energética, de energias renováveis e de redução de emissão de gases do efeito estufa. Empresas do interior paulista ficaram com 62% dos financiamentos. A indústria foi o destino de 49% do volume (R$ 97 milhões), seguida de empresas de comércio e prestadores de serviços, com 45% (R$ 90 milhões) e o setor público, com 6% (R$ 12 milhões).

    Duratex na água

    Em relatório de sustentabilidade divulgado em março, a Duratex comemorou façanhas com a gestão de água. Com o índice de 95% de água consumida captada de rios e poços artesianos, o grupo de painéis de madeira, metais sanitários (Hydra) e louças (Deca) conseguiu em 2017 reusar 31% da água consumida, reduzindo em 20% o consumo com relação ao ano anterior. Para isso, foram cruciais medidas como a implementada em Taquari-RS, do negócio de madeira, onde 100% dos efluentes passaram a ser reaproveitados na produção de painéis de MDF. Esse projeto reduziu em 47% o volume de água captada do rio.

    “Lava-Jato” do esgoto

    Sempre deixado de lado pelos gestores públicos, o saneamento de vez em quando precisa de uma “mãozinha” da Justiça para se desenvolver. Foi o que ocorreu na região de Paranavaí, noroeste paranaense. Por conta de ação civil pública em trâmite na 11ª Vara Federal de Curitiba, que versa sobre parâmetros ambientais não cumpridos em cinco estações da região, a Companhia de Saneamento do Paraná, a Sanepar, fez acordo judicial e anunciou investimentos de R$ 48 milhões, nos próximos cinco anos, para melhorar a operação de estações de tratamento de esgoto (ETE) que atendem os vários municípios da região. Os autos de infração que deram origem às ações civis são de operação da Polícia Federal em parceria com o Ibama em 2012.

    Europa bane oxibiodegradáveis

    A Comunidade Europeia está preparando resolução, dentro de sua agência de controle de substâncias químicas, a Echa, para banir o uso de aditivos pró-degradantes nos chamados plásticos oxibiodegradáveis. Normalmente sais de metal base cobalto, ferro, manganês ou níquel, as substâncias promovem a fragmentação acelerada dos plásticos por influência de oxigênio, luz, temperatura e umidade. Os europeus, no momento, reúnem as evidências e debatem como será publicado um dossiê de restrição pela agência. A oxibiodegradação é considerada de risco ao meio ambiente por conta da fragmentação do composto em micropartículas que ficam no solo e das emissões de CO2, metano e ainda metais pesados quando da sua biodegradação.

    China no álcool

    A China continua firme e forte no seu plano de ser a maior potência global da energia renovável. Além de já liderar a geração solar fotovoltaica e a eólica, o gigante asiático tem meta de quase quadruplicar sua produção de etanol até 2020 (com base 2015). Atualmente o país é o quarto maior produtor global, atrás dos Estados Unidos, Brasil e União Europeia. Com etanol principalmente a partir de milho e trigo, o país quer chegar em 2020 com capacidade para produzir 10 milhões de toneladas de etanol.



    Recomendamos também:








    Um Comentário


    1. WILLIAM PADUA APARECIDO DE REZENDE

      Olá!
      Estou me graduando em Engenharia Química no Pitágoras Betim, atualmente no 9º período, trabalhei 10 anos em jornalismo, 30 em vendas por diversos seguimentos. Gostei muito da revista e estou compartilhando em minha fanpage o trabalho de vocês. Como sou muito influenciador com um bom círculo de amizade e profissionalismo dentro da faculdade e fora acho que vocês não se importariam que eu compartilhasse mais o trabalho de vocês. Se não me avisem, um abraço



    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *