Indústria Química – a evolução dos processos e produtos sustentáveis

A mudança desse perfil veio com a ocorrência de grandes acidentes nas décadas de 1970 e 1980, quando os dirigentes perceberam a necessidade de compartilhar suas preocupações com as comunidades do entorno das fábricas, fazendo com que a indústria química mundial repensasse suas estratégias de segurança e de relacionamento com o público que poderia ser afetado por seus processos e produtos.

Sob essa perspectiva, em 1984, a Associação Canadense de Produtores Químicos (CCPA) criou o Responsible Care® com o objetivo de estabelecer diretrizes para as questões de segurança dos processos, produtos, segurança dos trabalhadores e para a proteção ambiental, relacionados à indústria química. Sob coordenação do Conselho Internacional das Associações da Indústria Química (ICCA), o Responsible Care® é atualmente adotado por 60 países.


O Programa Atuação Responsável® no Brasil

No início da década de 1990, a Abiquim criou uma comissão especial para avaliar a oportunidade de desenvolver no Brasil um programa nos moldes do Responsible Care®. A conclusão foi de que a associação deveria desenvolver sua própria iniciativa, com base no modelo norte americano, por ser mais amplamente conhecido nas empresas nacionais.

O lançamento do Programa Atuação Responsável®, em 1992, pela Abiquim, ofereceu às empresas químicas uma proposta de responsabilidade, independentemente da existência de legislação, e o esforço voluntário das empresas tem comprovado sua conscientização sobre a importância do desenvolvimento sustentável.

Quase 20 anos após seu lançamento, em 2011, constatou-se a necessidade de readaptação do programa à realidade moderna das indústrias. Por isso, a Abiquim iniciou um processo de reestruturação do programa, elaborando o Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável®. De acordo com José Roberto Marquis, gerente Corporativo de Segurança, Saúde, Meio Ambiente (SSMA) e Qualidade da Unigel, que participou da elaboração do novo sistema de gestão, as empresas tinham dificuldade de implantar o programa na íntegra, pois ele era muito complexo. Segundo o gerente de SSMA e Qualidade, após a revisão, o AR ficou mais objetivo e prático.

No caso particular da Unigel, Marquis explica que, como o negócio teve uma sequência de aquisições de diferentes empresas, era difícil construir uma cultura de SSMA característica da companhia. Nesse processo, o Programa Atuação Responsável® foi a ferramenta escolhida para padronizar procedimentos e práticas de SSMA e dar identidade à Unigel. “Escolhemos o AR a fim de formar um sistema de SSMA vinculado a uma referência reconhecida internacionalmente, com a credibilidade do Responsible Care®”. Segundo Marquis, o novo sistema de gestão ainda está em fase de implantação. Entretanto, mesmo com apenas cerca de 60% dos quesitos em vigor, as unidades da Bahia já foram agraciadas em 2014, pela segunda vez, com o Prêmio Polo de SSMA, cujos requisitos são compatíveis com o AR. O Prêmio é promovido pelo Cofic entre as empresas instaladas no Polo Petroquímico de Camaçari (BA). De acordo com o gerente da Unigel, a previsão é de que, até o final de 2015, 100% dos quesitos estejam implantados em todas as unidades industriais da empresa.

Na opinião do presidente e CEO da ICL Performance Producs Brasil e coordenador da Comissão de Gestão do Atuação Responsável da Abiquim, Ricardo Neves, os resultados do Atuação Responsável® trazem contribuições tanto para as empresas quanto para a sociedade. Segundo Neves, funcionários engajados no programa são mais cuidadosos e suas relações no ambiente de trabalho são melhores. Dessa forma, as empresas que utilizam o Sistema de Gestão do AR podem verificar melhorias tanto nos indicadores diretos – como rentabilidade e produção –, quanto nos indiretos –, como o turnover (rotatividade de pessoal). “Cuidar dos fatores de SSMA é uma forma de a empresa dar seu retorno à comunidade onde ela está inserida e a sociedade sente o reflexo das mudanças”, ressaltou Neves.

Essa visão é refletida nas empresas signatárias do Programa Atuação Responsável®. Visando justamente estreitar o diálogo com a comunidade do entorno da área industrial, a Unipar Carbocloro, instalada em Cubatão, no interior de São Paulo, criou seu Conselho Comunitário Consultivo (CCC) em 2004. “O Conselho nasceu após uma auditoria do AR, na qual um dos auditores que representava a comunidade não concordou com a ferramenta de diálogo apresentada. Vimos então que era preciso ir ao encontro da comunidade. Essa parceria há 10 anos tem gerado resultados interessantes e colocado em prática projetos voltados para o bem comum”, conta Teodoro Chiarantano Pavão, gerente de SSMA e Qualidade da Unipar Carbocloro.

Sob a mesma diretriz, a unidade de Tremembé (SP) da Oxiteno também mantém, desde 2010, um CCC com o objetivo de criar uma relação de confiança e transparência. De acordo com o gerente de Meio Ambiente e Qualidade da Oxiteno, Claudemir Peres, a empresa leva à comunidade trabalhos e projetos voltados às questões de SSMA, transferindo conhecimentos e padrões à população do entorno. Um desses trabalhos é realizado com as escolas da região, onde os aspectos de segurança são trabalhados com os professores em reuniões mensais. “Dessa forma, as instituições passam a incorporar a segurança como valor no dia a dia e transmitem esse conhecimento para as crianças”, ressalta Peres.

Página anterior 1 2 3Próxima página

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios