Meio Ambiente (água, ar e solo)

Atuação Responsável – Indústria adota a política da boa vizinhança

Marcelo Furtado
15 de maio de 2000
    -(reset)+

    Química e Derivados, Christianini: programa obriga a repensar processos

    Christianini: programa obriga a repensar processos

    Repensar – “O importante é que o sistema nos obriga a repensar cada etapa do processo e todas as demais na qual o produto estará envolvido com o meio ambiente e o homem”, afirma o coordenador nacional da comissão técnica do Atuação Responsável, Nelson Christianini. Também coordenador da aplicação dos códigos na produtora de polipropileno Polibrasil, como ilustração Cristianini cita iniciativa adotada nas unidades da petroquímica após a observação de práticas de proteção ambiental. “Antes não tínhamos preocupação com microvazamentos, as chamadas emissões fugitivas que acumuladas tornam-se perigosas e caras, mas uma atividade sugerida do programa recomendou atenção com esse aspecto e hoje acabamos com elas”, diz.

    Essas dicas presentes nos códigos Christianini considera fundamentais. Em comparação com as normas ISO, que apenas criam um sistema de gerenciamento, a Atuação Responsável,  justamente por ter sido elaborada pela própria indústria química, se dá ao luxo de recomendar soluções. A prova da maior abrangência é que apenas com 80% do código implantado de proteção ambiental, a Polibrasil certificou em janeiro de 2000 suas unidades com a ISO 14001. “Foi só preparar a apresentação para a certificadora e em quatro meses e meio conseguimos ser aprovados pelas normas”, afirma o coordenador.

    Química e Derivados, Indicadores de diálogo com a comunidade - 1999

    Indicadores de diálogo com a comunidade – 1999

    Além disso, já bem adiantada em todas as práticas a Polibrasil consegue hoje mostrar indicadores próprios bastante positivos. Seu custo ambiental médio das três unidades (Mauá-SP, Duque de Caxias-RJ e Camaçari-BA) passou de US$ 2,4/ t de produto para US$ 1,07 em 1999. Sua nova unidade a ser construída no lugar da atual de Mauá, a ser descontinuada até 2001, terá custo de apenas US$ 0,27/t.

    Outro exemplo de melhoria ambiental na Polibrasil é o destino de 70% de seus efluentes líquidos em Mauá, os quais hoje passam por tratamento de recuperação para em seguida serem dados para uso em uma empresa vizinha, a Cabot Brasil. Também no aspecto segurança, a Polibrasil comemora não ter tido este ano nenhum acidente reportável.

    Indicadores positivos  – Embora sua fábrica de tintas para impressão gráfica em São Caetano do Sul-SP tenha sofrido grave explosão no início do ano, com a morte de um trabalhador e ainda sob investigação, a Basf também possui alguns indicadores positivos relacionados com o programa. Em seu site de Guaratinguetá-SP, onde há 14 fábricas, o índice de acidentes com afastamento caiu de 14, em 1998, para 6, em 1999. Em um esforço dos últimos quatro anos para reduzir fontes poluidoras, diminuíram em 30% os efluentes líquidos.

    Química e Derivados, Nogueira: códigos ensinam a fazer mais do que a lei pede

    Nogueira: códigos ensinam a fazer mais do que a lei pede

    A Petroquímica União, de Mauá-SP, é outra a ostentar ganhos adotando as práticas. Em 1995, gerou 2.500 t/ano de resíduos sólidos classe 1, reduzidos em 1999 para 1.200 t. Com a substituição da queima de óleo pesado em suas seis caldeiras por gás natural conseguiu baixar a emissão de particulados de 400 mg/Nm3 em 1993 para 10 mg/Nm3. Esse último índice é oito vezes menor do que o exigido pela legislação. “O Atuação Responsável nos ensinou a fazer mais do que a lei pede”, afirma o assessor de segurança e meio ambiente da PQU, Dilermando Nogueira.

    Também coordenador da regional Capuava do programa (são 8 regionais pelo País), Nogueira ainda considera positivo e um bom indicador o programa de visitas que as empresas da região promovem em conjunto. São convidados vizinhos para conhecer as fábricas e ouvir explicações sobre os sistemas de segurança e meio ambiente. E a intenção é fortalecer esses relacionamentos. “Temos como prioridade daqui para a frente mostrar mais para o público externo a melhoria que signfica a adoção do Atuação Responsável”, diz.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *