Universidades, Faculdades, Ensino, Cursos e Pesquisa

A importância estratégica dos químicos industriais e ambientais – Parte 2

Quimica e Derivados
20 de janeiro de 2017
    -(reset)+

    15 – CONCLUSÕES

    1ª – Um elenco imenso de matérias-primas minerais, combustíveis fósseis e nucleares tem sua origem na crosta terrestre, as quais são extraídas brutas (commodities) e são beneficiadas com tecnologias de extração similares, e podem produzir rejeitos sólidos, líquidos e gasosos e suas misturas.

    2ª – Os desafios tecnológicos das indústrias incluem a destinação segura de seus rejeitos, o que envolve, a princípio, a sua reciclagem, que pode ser interna ou externa se houver o seu aproveitamento como matérias-primas e insumos em outras fábricas ou para mitigar reciprocamente diversos descartes sem agredir (ou colocar em risco) o ambiente.

    3ª – As soluções dos problemas resultantes da descarga de poluentes na Natureza dependem sempre das Químicas, além da Física, Biologia e Mineralogia e dependem do conhecimento amplo das tecnologias inorgânicas, orgânicas e bioquímicas que os Químicos Industriais (e Ambientais) aprendem nos seus cursos de graduação.

    4ª – A Engenharia Química originou-se da junção da Química Industrial e da Engenharia Mecânica e desenvolveu suas bases científicas ao longo de mais de meio século, baseada em muita Matemática, Física e Química. Com o advento da Computação expandiu-se notavelmente através da Modelagem e Simulação Computacional e do projeto de unidades industriais químicas pelo uso de computadores, completando seu ciclo de desenvolvimento.

    5ª – Os engenheiros químicos são qualificados para projetar e otimizar a operação de equipamentos e plantas químicas industriais. Quando os problemas atingem territórios, emerge a necessidade de Engenheiros Ambientais, Civis, Florestais e Geólogos atuarem no manejo de grandes volumes de materiais, porém, sempre com o apoio dos Químicos Industriais e Ambientais, para que não ocorram dissonâncias entre as substâncias manipuladas.

    6ª – Centenas de barragens de rejeitos sólidos industriais (incluindo lamas e depósitos de mineração) no Brasil podem ser recicláveis se houver a integração nas mineradoras e indústrias correlatas de engenheiros de minas, geólogos e químicos industriais e ambientais.

    7ª – Vários engenheiros químicos recebem, atualmente, uma formação reduzida em Químicas Analíticas e Experimentais, direcionada para três objetivos genéricos – nos quais é viável a colaboração de químicos industriais e ambientais com maior conhecimento das Químicas Básicas e Tecnológicas:

    1º – Engenharia Química Industrial – para atuar no projeto de plantas químicas e engenharia de processo específico visando à operação de parte de um conjunto tecnológico químico maior;

    2º – Engenharia Química Científica – executar pesquisas laboratoriais dos fenômenos químicos, físico-químicos, termodinâmicos e de transporte, para obter parâmetros e coeficientes experimentais necessários às equações de projeto de equipamentos. Serve de inspiração para formar docentes e pesquisadores para universidades e centros de desenvolvimento científico e tecnológico. Sem usar ensaios com reações químicas laboratoriais, a Engenharia Química Científica torna-se apenas mecanicista.

    3º – Engenharia Química Computacional ou Mecanicista – com pouco aprendizado laboratorial analítico químico, está voltada para Modelagem Matemática e Simulação Computacional de Processos e Molecular;

    8ª – A Química Industrial e Ambiental abrange todas as matérias-primas, processos fabris e despoluidores químicos inorgânicos, orgânicos e bioquímicos e seus produtos, subprodutos e descartes, incluindo os compósitos.

    9ª – Os Químicos Industriais e Ambientais agregam conhecimentos científicos e tecnológicos a partir do aprendizado laboratorial analítico e desenvolvem pendores adequados para evitar desperdícios de substâncias diversas e garantir a Segurança Química em processos e instalações fabris ou de tratamento municipal de esgotos e resíduos sólidos (inclusive lixo).

    10ª – O Brasil é um grande exportador de commodities, mas precisa evoluir tecnologicamente para exportar produtos de maior valor agregado, que foi a base inspiradora da criação do CETEM – Centro de Tecnologia Mineral. Com o apoio amplo e intensivo de Químicos Industriais e Ambientais, os empresários e os governos podem proteger a Natureza e ampliar suas oportunidades de negócios.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *