Tintas e Revestimentos

Ice 2003: Tinta “verde” explode na feira da Filadélfia

Marcio Azevedo
25 de novembro de 2003
    -(reset)+

    Química e Derivados: Ice: Procura por aditivos sem EPA foi baixa, diz Marsh.

    Procura por aditivos sem EPA foi baixa, diz Marsh.

    A bicentenária DuPont também investiu nos fluorsurfactantes, mas como agentes de extensão do open-time, definido como o tempo em que é possível unirem-se as bordas de duas demãos sem que a pintura final apresente marcas. A linha é própria para o uso em tintas látex à base d’água, e pode ampliar o open-time entre 15 minutos e 40 minutos, quando utilizada em concentrações entre 0,1% e 0,5%.

    Outra empresa com novidades na área de tensoativos foi a Air Products, originária de Detroit, estado de Michigan. Nesse caso, entretanto, o produto (Surfynol MD 20) introduzido agora no mercado dos Estados Unidos é utilizado como antiespumante molecular em sistemas à base d’água. “Esse é um antiespumante que proporciona controle da formação da espuma mas também melhora as características de molhabilidade da formulação. Diferentemente dos anti-espumantes tradicionais, o princípio de ação do MD 20 não se baseia apenas na incompatibilidade com o sistema”, disse Robert Stevens, Ph.D e gerente de tecnologia da área de performance solutions.

    O aditivo da Air Products interage com a superfície interna das bolhas da espuma, desestabilizando em nível molecular as forças (iônicas, pontes de hidrogênio e forças de van der Waals) criadas pelos surfactantes usados em formulações de tintas que sustentam a estrutura da lamela.

    Durante a ação do produto na interface com a espuma, também ocorre a redução da elasticidade e da viscosidade superficial das lamelas, bem como o aumento da taxa de drenagem do líquido. Todos esses efeitos, combinados, conferem as propriedades diferenciadas dos antiespumantes moleculares. Stevens vai além: “Os anti-espumantes tradicionais tornam-se compatíveis com o sistema após alguns meses, perdendo o seu efeito. Isso não ocorre com o MD 20, cuja ação não depende exclusivamente da incompatibilidade, por isso o aditivo prossegue funcionando indefinidamente”, assegura o gerente. O MD 20 é adequado a diversos sistemas à base d’água, incluindo pinturas automotivas, pinturas industriais, tintas gráficas e adesivos. Stevens não revela a molécula constituinte do aditivo, mas dá a dica: “É um hidrocarboneto baseado na química do acetileno”.

    Química e Derivados: Ice: Papazoglou - reticulante também é selador e primer.

    Papazoglou – reticulante também é selador e primer.

    Tensoativos à base de cera – Instalada em um dos maiores estandes, a alemã Byk Chemie participou da ICE 2003 com o objetivo de introduzir no mercado norte-americano os aditivos à base de ceras, uma das especialidades da companhia. A linha de 60 produtos destinada a revestimentos arquitetônicos, industriais, tintas em pó e tintas para impressão engloba emulsões de cera à base d’água, dispersões de cera à base d’água e à base de solvente, precipitados de cera à base de solvente e ceras micronizadas para formulações à base d’água, base solvente ou livres de solvente.

    Aditivos de ceras são usados para melhorar as propriedades superficiais dos revestimentos, bem como controlar as características reológicas e a orientação dos pigmentos em sistemas de alto brilho. “Esses aditivos já são utilizados no Brasil, mas ainda não eram comercializados ou produzidos pela Byk Chemie nos Estados Unidos”, afirmou Aurélio Rocha, gerente de vendas da filial brasileira.

    A empresa destacou dois novos produtos da linha à base d’água, BYK-012 e BYK-017. O primeiro, um antiespumante de alta eficiência livre de óleos minerais e silicone, é especialmente recomendado para emulsões de tintas com faixa de PVC (do inglês pigment volume concentration – fração volumétrica percentual de pigmentos) entre 30% e 85%.

    Devido a sua alta resistência a álcalis, o produto mostra excelente estabilidade durante o acondicionamento em sistemas à base de silicatos. Sistemas de cura ao ar ou por aquecimento em fornos também são algumas das aplicações indicadas.

    No caso do BYK-017, outro antiespumante, o alvo são os concentrados de pigmento base d’água. O aditivo melhora o desempenho do processo de moagem e o manuseio do produto final, pois o produto, ao contrário de muitos antiespumantes convencionais, não perde a ação quando da estocagem.

    A empresa também atua no ramo de instrumentos para controle de qualidade, e apresentou um novo medidor de brilho multi-ângulo, o micro-TRI-gloss, e um novo transdutor de força, para a medida da tendência de deslizamento em superfícies lisas.

    Outra européia, a Rhodia Additives, também compareceu à ICE 2003 para oferecer novos antiespumantes ao mercado. Foram cinco novos produtos da linha Rhodoline, destinados a formulações de revestimentos, adesivos e tintas para impressão: DF 6120 (à base d’água, para formulações muito sensíveis ao custo, incluindo tintas látex com alta fração de pigmentos); DF 6130 (base óleo, para formulações desde fortemente ácidas até suavemente alcalinas); DF 6160 (base óleo vegetal, indicado para tintas com baixo teor ou livres de orgânicos voláteis, em particular tintas de impressão para embalagens alimentícias e adesivos); DF 6600 (base óleo, próprio para tintas arquitetônicas à base d’água); e DF 6681 (à base de óleo e glicol éster, ideal para sistemas aquosos como adesivos sensíveis à pressão e tintas de alto brilho).

    Segundo o gerente nacional de distribuição Richard Marsh, da área de revestimentos de alto desempenho, a característica comum a todos esses produtos é a ausência de tensoativos à base de EPA (em inglês, alkylphenol ethoxylate, ou alquil fenol etoxilato), prejudiciais à saúde humana. Essas substâncias, produtos da reação de alquilfenóis ramificados – os mais comuns são nonilfenol e octil fenol – com óxido de etileno, sofrem crescente resistência na Europa. Na Inglaterra já foram totalmente banidos. Marsh afirma que a rejeição à substância começa a crescer também nos Estados Unidos, mas ainda é pequena. “Apenas 10% dos visitantes que procuraram a Rhodia demonstraram alguma preocupação com o uso de EPA”, atestou.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *