HBA: Feira quase dobra de área e acolhe 16 mil pessoas

Cerca de 180 expositores reuniram o que há de melhor e de mais novo em insumos para cosméticos

Química e Derivados: HBA: hba_abreMais de 16 mil pessoas estiveram na 8ª edição da Feira Internacional de Tecnologia para a Indústria Cosmética – HBA South America. De acordo com registros da organização do evento, o grupo VNU Business Media, o índice superou em 22% o número de visitantes do ano passado. O evento, considerado o maior da América Latina em tecnologia para o setor cosmético, aconteceu de 13 a 15 de maio, no Transamérica Expo Center, em São Paulo–SP, e reuniu cerca de 180 expositores, em uma área de 9 mil m², espaço 45% maior do que o da edição anterior. Para o presidente da VNU Joris van Wijk, o ganho estrutural traduz o avanço desse mercado nos últimos anos. “O evento acompanhou a ascensão do setor”, afirmou.

Química e Derivados: HBA: Rodrigues - investimentos em projetos ambientais.
Rodrigues – investimentos em projetos ambientais.

Dados da Associação Brasileira de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec) apontam que no ano passado o setor faturou R$ 9,6 bilhões, representando um acréscimo de cerca de 15%, em relação ao ano anterior. Desse total, a indústria cosmética contribuiu com R$ 2,4 bilhões com um crescimento de 23,60%, em relação a 2001; higiene pessoal, R$ 5,8 bilhões – avanço de 10,39% sobre o ano passado; e perfumaria, com R$ 1,4 bilhão – faturamento 24,47% maior do que o registrado em 2001. Esse cenário positivo posiciona o Brasil na sexta colocação no mercado mundial de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos, conforme dados do Euromonitor de 2001. O País representa o terceiro mercado mundial em desodorantes; o quarto em formulações para o cabelo, higiene oral, fragrâncias, produtos infantis, fraldas descartáveis e absorventes higiênicos, e o sexto em itens masculinos. Os segmentos nos quais o País tem mais a avançar são o de cremes e loções para a pele, maquiagem e produtos para o banho, detentores da nona posição.

Por conta do tamanho do setor, a 8ª edição da HBA desligou-se da Analítica Latin America, evento destinado à divulgação de tecnologia e equipamentos para laboratórios, biotecnologia e controle de qualidade, marcado para 1 a 3 de outubro deste ano. A mudança da data de sua realização, que passou do segundo semestre para o primeiro, também foi oportuna. “Os formuladores terão mais tempo para apresentarem inovações ao mercado ainda neste ano”, constatou Wijk. Uma oportunidade de conferir as novidades em produtos acabados será na Cosmoprof Cosmética – Feira Internacional da Beleza, programada para os dias 12 a 15 de setembro.

Matérias-primas – Para dar conta desse dinamismo do setor, a HBA South America ofereceu aos visitantes diversas novidades em matérias-primas e reforçou a tendência, anunciada há algum tempo, de formulações com forte apelo natural. Com a política de apostar em constantes inovações, a Cognis do Brasil apresentou 24 produtos, lançados nos últimos dois anos (entre novos e de promoção continuada). Para o seu representante Paulo César Rodrigues, um dos destaques do ano é a linha de fitoingredientes. “Focamos a diferenciação. Oferecer produtos da Floresta Amazônica reforça nossa filosofia”, afirmou Rodrigues. A empresa desenvolve produtos e ativos naturais desde 1999.

Química e Derivados: HBA: Caneda destacou os óleos em pó para tintura capilar.
Caneda destacou os óleos em pó para tintura capilar.

Com a garantia do Certificado de Origem de Matérias-Primas, emitido pelo Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), a Cognis destacou a Amazon Care Chemicals. Mais do que uma linha de extratos vegetais, na opinião de Rodrigues, trata-se de um projeto ambiental, pois este coopera para melhorar as condições sócio-econômicas de comunidades nativas, além de trabalhar em áreas de reservas extrativistas, garantindo assim a extração constante e controlada, além de novas fontes de matérias-primas renováveis. A linha conta, entre outros produtos, com o espessante Cetiol HCG, óleo de andiroba hidrofilizado; o Cegesoft BEO, óleo de castanha do Brasil, rico em ácidos graxos insaturados oléico e linoléico, e o Cetiol HTG, manteiga de cupuaçu hidrofilizada, potente hidratante, devido à sua composição rica em ácidos graxos de cadeia longa.

Fundada há dez anos, a Beraca Ingredients também apresentou na HBA sua linha de extratos vegetais, a Rain Forest Specialties, composta por ativos extraídos na Amazônia por meio da Brasmazon, empresa de Belém-PA, responsável pela exploração sustentável de sementes. Com base nessa filosofia, a mão-de-obra contratada é nativa e recebe treinamento para reconhecer e extrair da mata produtos florestais não-madeireiros como frutas, polpas e sementes. Toda a operação de extração conta com a autorização de órgãos legais sob a supervisão do governo do estado do Pará e com o apoio de uma universidade local.

Como reflexo desse trabalho, a Beraca, fornecedora e fabricante de produtos químicos e insumos naturais, levou à feira a linha Stilb-Touch, cujo principal ingrediente é o óleo em pó de castanha do Pará, pertencente à Rain Forest. Composta por dois produtos, o HDE e o 3200 P, a linha é indicada para a tintura capilar e possui como principais benefícios o prolongamento da coloração e a promoção de brilho e de maciez aos cabelos. “Eles dão um toque especial após o tingimento”, explicou o gerente da divisão HPC Julio Patiño Caneda. Além dos óleos na forma em pó, a empresa atua com óleos hidrossolúveis e em gel, oriundos de diversos vegetais, como copaíba, buriti e maracujá.

Química e Derivados: HBA: Marisa - tendência para os extratos vegetais.
Marisa – tendência para os extratos vegetais.

Caneda ressaltou também os sistemas de performances da linha Beracare Sun. Na opinião dele, os produtos otimizam o processo de desenvolvimento das formulações, com a redução do número de componentes na fase graxa. “A linha conta com filtros, físicos e químicos, e ingredientes vegetais que contribuem para a performance do produto acabado”, explicou. A Beracare Sun pode ser usada como único componente da fórmula, além de água desmineralizada e agente antimicrobiano adequado à fase aquosa.

Outra empresa a aproveitar o filão dos extratos vegetais foi a Croda do Brasil. De origem inglesa, a companhia atua no País desde 1974, nas áreas de Personal Care, Health Care e Chemical (aditivos para polímeros). Por conta da importância da HBA para o setor, a Croda reservou o lançamento e a re-apresentação de mais de 20 produtos. No entanto, deu enfoque especial à linha Croda Amazon, composta por óleos vegetais naturais. Partindo do conceito de sustentabilidade, todo o projeto de extração é realizado em áreas certificadas, nas quais há controle quanto à preservação ambiental e à execução de atividades destinadas à oferta de melhores condições de trabalho para a população ribeirinha.

“O consumidor hoje se preocupa em comprar um produto derivado de um vegetal. É uma tendência mundial”, comentou a farmacêutica responsável pelo marketing técnico da Croda Marisa Gonçalves Lima. Entre os destaques da linha, Marisa ressaltou o Croda Amazon Murumuru e o Croda Amazon Cupuaçu. O primeiro trata-se de óleo emoliente, com forte apelo de hidratação, e o segundo, de uma opção vegetal à lanolina.

Química e Derivados: HBA: Pacheco - formulações para filtros solares e antiidade.
Pacheco – formulações para filtros solares e antiidade.

Outras tendências – Durante a feira, a Ipiranga Química comemorou o crescimento de sua unidade de negócios de cosméticos. O segmento faturou US$ 6 milhões (receita bruta) e espera para este ano alcançar a marca de US$ 8 milhões. Tradicional na área de distribuição de matérias-primas para o setor químico, a empresa ampliou sua atuação para o mercado cosmético em julho de 2002. De acordo com o gestor de marketing e de produtos cosméticos Carlos Alberto Pacheco dos Santos, dos US$ 173 bilhões anuais que o setor movimenta no mundo, a América Latina representa US$ 18 bilhões.

“É uma indústria em ascendência e não poderíamos ficar de fora”, explicou. Daí a importância, de acordo com ele, de estar em sintonia com as tendências, como mostrou na feira com a apresentação de matérias-primas voltadas para formulações de filtros solares e de produtos antienvelhecimento. Segundo dados da Euromonitor, até 2006, esses dois segmentos avançarão. O mercado de protetor solar, por exemplo, apresentou, entre 1997 e 2001, a maior taxa de crescimento entre os cosméticos, com aumento de 23,8% em faturamento líquido e de 16,3% em volume.

A expectativa é de no período de 2001 a 2006 aumentar esse índice em 10,2%. Em função dessa perspectiva, na categoria de produtos com apelo contra a radiação solar, a empresa divulgou em seu estande a nova versão do Granlux, da marca Granula. Trata-se do GTI 45, uma base com alto índice de proteção, com propriedades de resistência à água e capazes de eliminar o efeito esbranquiçado na pele. Para atender ao segmento antiidade, o destaque ficou por conta dos produtos da Cirebelle. São beads (esferas) esfoliantes aplicados em cremes ou sabonetes. “O produto é colorido e biodegradável. O apelo visual da cor é definitivo no consumo de cosméticos”, frisou Pacheco.

Química e Derivados: HBA: Liliana - novos ativos microencapsulados.
Liliana – novos ativos microencapsulados.

A ISP do Brasil anunciou o lançamento dos modificadores reológicos Rapithix A-60 (versão líquida) e Rapithix A-100 (versão em pó). São homopolímeros aniônicos e pré-neutralizados desenvolvidos para aplicação de emulsões com processos a frio.

A linha também dispensa neutralização e se mostra tolerante à alta homogeneização, podendo ser aplicada em todas as categorias de produtos Personal Care. Uma grande vantagem é a possibilidade de formular sistemas livres de óleo e emulsifier-free. “O Rapithix permite a simulação de cremes e loções, sem o uso de emulsionantes. Isso agrega valor, porque em geral os emulsionantes causam irritação na pele”, explicou a gerente de Personal Care da ISP Liliana Colore Brenner.

Em parceria com a empresa israelense Tagra Biotechnologies, a ISP trouxe para o mercado nacional novidades em ativos microencapsulados. São vitaminas (Tagravit) e óleos (Tagrol), a partir dos quais é possível garantir a manutenção de suas propriedades e evitar a contaminação de odores nas formulações cosméticas. Esse tipo de incremento para o setor, na opinião de Liliana, se equipara aos lançamentos propostos em nível mundial. “O que colocamos aqui na HBA é o que mostramos na Europa e nos Estados Unidos”, comentou Liliana.

No entanto, existem algumas particularidades do mercado local. Para ela, o consumidor brasileiro valoriza muito o cuidado com os cabelos. “É um fator de auto-afirmação promotor de bem-estar”, avaliou. Por conta dessa característica, a ISP reapresentou na feira o Styleze W 20, um polímero catiônico patenteado, lançado no ano passado. O Styleze W 20, na formulação de xampus, condicionadores, leave-on, mousses ou géis, proporciona ao cabelo modelagem com duração prolongada, sensação de condicionamento, manutenção do volume e definição do cacho. A cadeia lauril faz com que o polímero seja hidrofóbico aumentando, sobretudo, as propriedades de resistência à umidade e a memória do cacho. “Não se trata de um produto voltado propriamente ao mercado étnico, mas atende muito bem às necessidades desse público”, Liliana enfatizou ao ressaltar a preocupação da ISP com as tendências da indústria cosmética, como a crescente valorização desse nicho.

Em função dessa filosofia, a ISP também apostou na promoção de linha de matérias-primas de origem natural. Com a argentina Dhacam como parceira, a empresa lançou extratos glicólicos e oleosos divididos em ervas, frutas, raízes, flores, especiarias, sementes e cereais. “Essa linha vem complementar nosso portfólio. Os extratos vegetais são sinérgicos aos nossos produtos tradicionais”, Liliana relatou. Na opinião dela, essa tendência de mercado, daqui a alguns anos, não será mais um diferencial e sim obrigação.

Nichos de mercado – Entre as novidades apresentadas na HBA, a Makeni Chemicals, companhia voltada para importação, exportação e distribuição de produtos químicos e petroquímicos no Brasil, destacou os produtos da Basf. No caso, o ativo Retistar e os Luviquat Excellence e Luviquat Style. O primeiro trata-se de um retinol estabilizado, enquanto os outros dois são compostos quaternários destinados a formulações para cabelos da linha afro. “O momento é apropriado para investirmos em grupos étnicos”, comentou o gerente de negócios da Makeni Alexandre Duque Sousa. As principais características do Retistar são a estabilidade superior contra degradação, a flexibilidade no desenvolvimento de produtos e a eliminação do custo do processo sob atmosfera inerte. O produto destina-se sobretudo às indústrias de pequeno e médio porte por não requerer equipamentos sofisticados, como o faz o retinol convencional. O Luviquat Excellence, por sua vez, pode ser incorporado a condicionadores “rinse off” e “leave in”, mousses, relaxantes e produtos de tratamentos mais aprofundados, e o Style é indicado para formulações destinadas a cabelos crespos, com permanente ou danificados. Recomenda-se o uso em mousses e loções que necessitam do calor do secador para serem ativados. “O produto mantém o penteado por mais tempo”, explicou Sousa.

Química e Derivados: HBA: Rocha - resultados rápidos com redução nos custos.
Rocha – resultados rápidos com redução nos custos.

A fornecedora de matérias-primas Cosmotec Especialidades Cosméticas expôs uma ampla gama de produtos de seus fornecedores internacionais. O Phytosphingosine ETP, produzido pela Degussa/Goldschmidt, foi apresentado como uma das novidades. Trata-se de um ingrediente ativo de combate aos efeitos da radiação UV, ao processo de envelhecimento e aos sintomas inflamatórios da pele. Desenvolvido a partir de processo de biofermentação, essa préformulação aquosa de fitosfingosine, de acordo com o fabricante, pode ser incorporada na fase aquosa mesmo a frio. Da norte-americana GE Silicones, a Cosmotec mostrou o Velvesil 125, o mais recente componente modificador de sensorial da empresa. Obtido a partir de uma molécula precursora bifuncional, um macromonômero, capaz de se autopolimerizar formando uma rede polimérica tridimensional, o produto é composto de uma porção volátil e de outra sólida. Em produtos skin care, sun care e color cosmetics, o Velvesil promete conferir estabilidade à formulação e diminuir a sinerese (processo responsável pela separação de fases em emulsões), além de disfarçar rugas, por meio do preenchimento de imperfeições da pele por partículas sólidas de silicone, e de oferecer controle do brilho e resistência à água, atributo que proporciona maior durabilidade às formulações e ativos.

De outra empresa parceira, a também norte-americana Kobo Products, o estande da Cosmotec contou com a sílica Shell e o Dry Water. O primeiro produto possui propriedades capazes de absorver a oleosidade da pele, em até sete vezes o seu peso, enquanto o Dry Water é um ativo veiculado na forma de pó que se torna líquido em contato com a pele. Como representante da japonesa Nikkol, a empresa mostrou a linha de derivados de vitamina C, VC-IP e VC-PMG, estáveis frente a formulações tradicionais da cosmética.

Também apostou nos novos pigmentos perolados da Sun Chemical, o Sun Pearl e o Sun Shine, este último é produzido a partir de mica sintética, o que lhe confere um efeito branco e brilhante nas formulações de maquiagens premium.

Para a vice-presidente de marketing Marly Yajima Fagliari, no quesito inovações tecnológicas, os formuladores de cosméticos ainda dependem sobretudo das indústrias internacionais, como pôde ser comprovado nos lançamentos apresentados pela empresa na feira. “O que pode ser feito no Brasil são as matérias-primas mais básicas, como os extratos e os surfactantes”, afirmou.

A Rhodia Home, Personal Care & Industrial Ingredients (HPCII) lançou o Mirasun. Produto destinado à fabricação de filtros solares, é resultado da tecnologia de nanopartículas, desenvolvida nos laboratórios e centros de pesquisas da empresa. A vantagem refere-se à possibilidade de permitir ao formulador envasar o filtro solar em embalagens com atomizador (pump sprays).

Dessa forma, o produto pode ser aspergido sobre a pele, eliminando o incômodo estético proporcionado pelos cremes tradicionais. “O consumidor que utiliza o filtro solar produzido com o Mirasun não fica com aquele aspecto de ‘fantasma’ de quando se passa na pele o filtro solar tradicional em creme”, explicou o gerente de negócios Personal Care da Rhodia HPCII América Latina Francisco Arteaga. O Mirasun, de acordo com o fabricante, também tem como características a facilidade de incorporação à emulsão e a superior proteção aos raios UV, entre outras. Outras especialidades em Personal Care se destacaram no estande da Rhodia, como os produtos Mirasil, destinados a formulações de silicones, e a linha Jaguar, desenvolvida a partir de polímeros naturais derivados de goma Guar, para a produção, sobretudo, de xampu e condicionadores.

A divisão FUN (Personal Care) da Clariant do Brasil deu enfoque em seu estande ao Genamin CTAC-CP, a ser aplicado em creme rinse, e ao Hostacerin SAF, uma base estrutural para cremes e loções. O primeiro é uma mistura surfactante catiônico, emulsificante e doador de viscosidade para preparação de condicionadores capilares a baixas temperaturas.

Enquanto o Hostacerin SAF refere-se a uma mistura de emulsificantes, emolientes e polímero espessante para preparação de cremes e loções para a pele à temperatura ambiente. O benefício de ambos é não requerer aquecimento para a utilização. “Essas matérias-primas possibilitam a obtenção de resultados em poucos minutos, com significativa redução de custos de produção”, disse o coordenador técnico do laboratório de tensoativos da Clariant Livio Caribe da Rocha.

Atraída pelo potencial do mercado, a Clariant levou também à feira produtos inéditos no segmento de corantes capilares, silicones e polímeros para espessamento de sistemas aquosos. O destaque ficou por conta da linha Velsol, voltada para a coloração capilar, e do Diaformer, polímero pré-neutralizado e pré-disperso, capaz de conferir ao produto a possibilidade de promover nos cabelos fixação natural e duradoura.

A Ion Química mostrou o GPS, da Exysmol. Trata-se de um bioativo resultado da condensação do metilsilanol (silício biologicamente ativo) com um dissacarídeo natural (trealose). Açúcar natural de plantas do deserto, o GPS é detentor de propriedades capazes de melhorar a resistência celular, combatendo o estresse ocasionado por variações climáticas bruscas, desidratação extrema e estresse oxidativo. Também age como restaurador do equilíbrio hídrico e possui ação termoprotetora, com atuação direta em proteínas do estresse (heat shock proteins). O gerente de produtos da Ion Química Eduardo Borba ressaltou o lançamento da linha Phyto-Planctons, da Naturactiva, composta pelo Grevilline, o Wakamine e o Porphyraline. Obtido da fração peptídica do Skeletonema costatum, o Grevilline oferece à pele ação suavizante e antiinflamatória e limita os danos causados pela radiação UV.

Enquanto o Wakamine possui ação despigmentante e propriedades hidratante e regeneradora; e o Porphyraline conta com características que melhoram a síntese de lipídeos cutâneos e a hidratação da pele.

Desenvolvido pela Ion –Tecnologias e Serviços e distribuído pela Vital Especialidades, o Densiskin foi apresentado como uma opção vantajosa aos tratamentos de antienvelhecimento da pele, como os retinóides, peeling e toxina botulínica. Trata-se de um complexo composto por alta concentração de silanetrial (silício biologicamente ativo), biopeptídeo derivado do ácido glutâmico, extrato de fitoplâncton, oligossacarídeos de fructose e polipeptídeos de colágeno marinho. De acordo com o fabricante, o Densiskin oferece ação imediata sobre o microrrelevo cutâneo, provoca a formação de bio-filme protetor e atenua as linhas e marcas de expressões de forma rápida e contínua, entre outros benefícios.

Pela quarta vez na HBA, a Ciba Especialidades Químicas aproveitou a feira para reforçar sua atuação no segmento de Personal Care. Apesar de não apresentar lançamentos, a Ciba mostrou os absorvedores UV da linha Ciba Tinosorb, enfatizando como novidade absorvedor UVA fotoestável. A Ciba Speciality Chemicals gerou vendas de cerca de 7,1 bilhões de francos suíços em 2002, sendo que investiu em pesquisa e novos desenvolvimentos, 294 milhões de francos suíços. O grupo conta como maior mercado o da América do Sul, nas áreas de produtos para cuidados com os cabelos, composta por xampus e condicionadores, e de sabonetes.

A Arinos também não mostrou lançamento em matéria-prima. Apesar de atuar no setor desde sua fundação há seis anos, somente em 2001 intensificou a operação na área cosmética. De acordo com o gerente de marketing José Antonio da Costa, um dos principais objetivos da empresa é ampliar o portfólio de produtos com especialidades. “A gente não busca a quantidade e sim diversificação”, explicou Costa. Dos 300 produtos da Arinos, cerca de 80 voltam-se para a cosmética. Na opinião de Costa, o consumo de produtos cosméticos está atrelado ao poder aquisitivo do brasileiro. Por isso, ainda há muito espaço para crescer. Uma novidade da Arinos referiu-se ao novo laboratório. inaugurado em junho, o empreendimento, mesmo não sendo de uso exclusivo para o setor cosmético, agrega muito valor ao segmento indo ao encontro do ressurgimento da área dentro da empresa.

Já no segmento de fragrâncias, tudo é novidade. Na opinião do gerente nacional de vendas da Citratus Perfumeurs Fernandes Koodi Inoue, basta um pequeno toque para alterar a fragrância e surgir um novo aroma. Fundada em 1991, a empresa, além do mercado de cosméticos, atende o mercado de higiene e o de limpeza, com fragrâncias para sabões, detergentes, amaciantes e desinfetantes, entre outros. Um destaque da marca é o sal quaternário de amônio para amaciante de roupa, com linha completa de fragrâncias desenvolvidas, com peculiar composição aromática e fixação e resistência à temperatura durante o processo de secagem, conforme explicou Inoue.

Com capacidade instalada de 300 toneladas de fragrâncias ao mês, a L’essence Fragrances ressaltou o relançamento da linha Amazônica. Para a responsável pela área de estruturação de negócios da L’essence Sandra Andrade Lapique, em função do clima brasileiro, o mercado nacional absorve em sua maioria linhas florais e frutais. Por conta desse tipo de particularidade, os produtos oriundos da Amazônia, como cupuaçu e guaraná, são preferências do consumidor. Apesar da vasta diversidade apresentada pela Amazônia, para Sandra os fabricantes de essências ainda dependem muito da matéria-prima importada. “Por exemplo, se quiser fazer um óleo de rosas, não dá para fabricar aqui. Não há clima para o cultivo da planta”, comentou.

Embalagens sofisticadas – Integrante da Cebal Américas, cujo faturamento em 2002 foi de 230 milhões de euros, a Cebal Brasil lançou a Cebalcap com hot stamping na tampa. Disponível em tons dourados ou prateados nos diâmetros de 35, 40 e 50 mm, trata-se de opção de pós-decoração, traduzindo-se em requinte e sofisticação ao produto final. Nova tendência para aplicações cosméticas, o tubo laminado também foi destaque no estande.

Química e Derivados: HBA: Tubos ovais - maior área frontal.
Tubos ovais – maior área frontal.

Disponível em quatro diâmetros diferentes, possui diversas opções de tampa. A empresa também expôs o aplicador universal. Esse lançamento da Cebal Brasil possui um bico em ângulo que facilita o uso e proporciona uma aplicação uniforme do produto. Este foi recentemente apresentado pela Avon no Juicy Fruit Gloss Labial.

Além dessas novidades, a empresa montou um espaço para mostrar alguns desenvolvimentos da Cebal Americas. Um caso ficou por conta dos tubos em formatos diferenciados, como os ovais.

Para o gerente de marketing Valdivo J. Begalli Jr, uma das principais vantagens refere-se à área frontal, cerca de 30% maior do que a dos tubos cilíndricos. Outra possível tendência no mercado nacional, o Dual Tube, também é aposta da marca. Trata-se de um tubo dentro de outro, voltado sobretudo para a linha de cuidados da pele. “Estamos testando a reação do público”, explicou Begalli.

Empresa do grupo MeadWestvaco, a Rigesa trouxe para o mercado brasileiro tecnologia de ponta de sua matriz norte-americana. Líder em vários segmentos de embalagens de papel cartão e papelão ondulado, a empresa inovou sua carteira de produtos com embalagens em plástico semi-rígido. Um dos diferenciais dessa tecnologia é permitir o uso da impressão off-set com tinta UV, tanto na parte interna quanto na externa. “A impressão interna destaca ainda mais o brilho, protege a tinta de riscos e possibilita várias opções de acabamento, como hot-stamping e aplicação de verniz”, explicou o analista de marketing da Rigesa Caio Azeredo.

O sistema de corte e vinco também é destaque, pois evita o efeito “memória”, ou seja, aquele por meio do qual o substrato tende a voltar ao seu formato original, antes do vinco. Outro incremento fica por conta da colagem. A cola incolor, de acordo com Azeredo, assegura alta aderência e resistência às variações de temperatura e umidade. Para ele, essa inovação vai ao encontro das necessidades do mercado de cosmética, porque a embalagem permite imediata visualização do produto, resistência e forte apelo visual no ponto de venda, sobretudo devido ao grafismo sofisticado e ao acabamento. “O produto agrega estilo ao produto”, concluiu.

Pioneira na fabricação de bombas spray pelo sistema de pré-compressão, a Saint-Gobain Calmar expôs com ineditismo uma nova geração de dispensadores, a Ária. Com design ergométrico, a novidade se diferencia por evitar a contaminação do produto, porque não há o contato do fluído com a parte metálica. Outro destaque no estande ficou por conta dos gatilhos, conhecidos como triggers. Voltado para a área cosmética, sobretudo para a linha solar, o gatilho, de acordo com a vendedora Anete Gandelman, é sucesso nos Estados Unidos e Europa. Ela comentou que a empresa aposta na tendência de maior consumo dos filtros solares no País e por isso, espera aumento de vendas dos gatilhos em pouco tempo.

Fabricada pela empresa argentina Sampling e representada pela nacional STM, a tecnologia Unidosis também se diferenciou entre as novidades em embalagens. O diretor da empresa Guillermo Baglioni veio ao Brasil para apresentar essas embalagens promocionais, tipo stand pouch, com base. Essas peças termoformadas possuem como vantagem a possibilidade de ficarem estacionadas em qualquer superfície plana. São pouchs em material flexível, bilaminado ou trilaminado com capacidade de até 70 ml. “O Unidosis pode exibir o produto e ainda permite fracionar seu uso”, explicou Baglioni. Especializada no desenvolvimento de peças promocionais, a Sampling, conforme anunciou seu diretor, deve se instalar no Brasil em 2004. “Estamos nos programando para em um ano ter fábrica no País”, antecipou.

Química e Derivados: HBA: Equipamento pneumático sela filmes termoencolhíveis.
Equipamento pneumático sela filmes termoencolhíveis.

Parceira da Sampling no Brasil, a STM apresentou a máquina seladora pneumática Epet SAP – equipamento projetado para selagem de filme termoencolhível, envolvendo produtos isolados ou agrupados, a partir de uma bobina de filme dobrada. O equipamento possui um sistema de CLP que controla a seqüência das operações de selagens, elevando assim sua produtividade.

O produto selado é transportado automaticamente por uma esteira de descarga até o túnel de encolhimento. Na opinião do sócio-proprietário da STM Ricardo Chorovicz, a empresa está pela primeira vez na HBA e pretende repetir a experiência no próximo ano, por conta do público seleto que caracteriza a feira.

A HBA é o único evento exclusivo de tecnologia para a indústria cosmética na América Latina. Desenvolvida no País, a partir da HBA Global Expo, evento realizado nos Estados Unidos, a versão brasileira visa atender às expectativas desde o chão de fábrica até a diretoria de indústrias, tanto de pequeno quanto de grande porte.

Para incrementar o evento, no mesmo local realizou-se o 17º Congresso Brasileiro de Cosmetologia. Organizada pela Associação Brasileira de Cosmetologia (ABC), essa edição contou com a participação de técnicos-especialistas do setor. Na ocasião, foram propostos temas, como “Inovação Tecnológica: sua utilização para obter produtos cosméticos diferenciados”, “Ciência cosmética no mercado globalizado” e “Fotoproteção: Um desafio para a cosmetologia”, entre outros.

Outra característica da feira refere-se ao fato de ocorrer simultaneamente à Feira Internacional de Tecnologia para a Indústria Farmacêutica (FCE Pharma). Satisfeito com os resultados obtidos neste ano com as feiras, Wijk anunciou os dias 11 a 13 de maio de 2004 como data da 9ª edição da HBA e da FCE. Com previsão de crescimento de 15% em espaço, as duas devem ocupar os 20 mil m2 do Transamérica Expo Center.

Feira garantiu bons negócios

Química e Derivados: HBA: Lowenstein - pigmentos bem aceitos no mercado.
Lowenstein – pigmentos bem aceitos no mercado.

Em sua quarta participação na HBA, Stephen J. Lowenstein presidente da americana Jos H. Lowenstein Sons Inc. de Nova York, manifestou-se satisfeito com os resultados obtidos. Criada em 1897, a empresa fornece matérias-primas para tinturas de cabelos, como tensoativos, espessantes e agentes estabilizantes. Os principais produtos de sua linha são pigmentos para tinturas permanentes, semi-permanentes e temporárias, incluindo os tradicionais tons de loiro e castanho, e propostas mais arrojadas como pinks, verdes e azuis.

“Nossa empresa é familiar. Tivemos um início modesto, mas hoje, atendemos uma vasta clientela em vários países”, disse Lowenstein que trouxe ao Brasil o filho, membro da quarta geração da família, também já atuando na empresa. A Lowenstein possui um moderno laboratório de pesquisa e desenvolvimento para prover o mercado com inovações. As instalações estão à disposição dos clientes para testar formulações ou produzir lotes piloto. “Nossos pigmentos têm alto tempo de permanência nos cabelos e são muito bem aceitos pelos fabricantes de tinturas”, disse Lowenstein. Vendendo para toda a América Latina, a empresa tem como representantes no Brasil a Dinaco Indústria e Comércio e Distrion Ltda., atendendo os mercados de São Paulo e Rio de Janeiro, respectivamente.

Química e Derivados: HBA: Laura - latas de design inovador.
Laura – latas de design inovador.

No caso dos fornecedores de embalagens para cosméticos, o destaque coube à venezuelana Alentuy S.A, especializada em embalagens de alumínio, como bisnagas para creme dental e latas monobloco para aerossóis. De acordo com a gerente de vendas internacionais Laura Yee, a empresa que já tem no mercado brasileiro clientes de peso como O Boticário e Coty, e vê na HBA uma ótima oportunidade de ampliar sua participação. “Temos preços acessíveis porque nossa empresa é verticalizada, isto é, fabricamos também as folhas de alumínio”, esclareceu. Fundada em 1977, a Alentuy já detentora de certificação ISO 9002, também tem clientes no Equador, México, Colômbia e Chile.

“Para atender requisições dos departamentos de marketing dos clientes estamos aptos a fabricar latas especiais, com desenhos inovadores, em vários diâmetros, e com impressões em cinco cores”, disse Laura. Em 1996 foi instalada a nova linha de produção rápida de latas para aerossóis (200 latas por minuto), porém segundo Laura, além de produtividade, a qualidade é sempre uma meta da empresa. “Os produtos são fabricados a partir de alumínio 99,97% puro. Além de 100% recicláveis, as características não corrosivas do alumínio puro garantem impermeabilidade e alta estabilidade para os produtos embalados”, enalteceu.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.