Comércio e Distribuição de Produtos Químicos e Especialidades

Grafeno: Cientistas e industriais unem forças para criar aplicações

Quimica e Derivados
24 de agosto de 2017
    -(reset)+

    Aplicação agrícola – Se no Brasil a infusão do grafeno no algodão para conferir atributos funcionais ainda está no terreno da pesquisa, desenvolver um revestimento à base de grafeno para dar mais resistência para máquinas agrícolas parece mais próximo do horizonte do campo. Durante a visita dos pesquisadores do MackGraph à fazenda de Goiás, o diretor executivo da Abrapa disse que o projeto na cotonicultura também abrange a incorporação do grafeno nas máquinas e implementos agrícolas. “Na China está se pesquisando roupa inteligente, na Coreia do Sul há projetos com grafeno para aplicação em próteses, nos EUA o foco é na indústria aeroespacial e no Brasil estamos avaliando sua aplicação na agricultura. Além da plantação, os pesquisadores conheceram os equipamentos usados na plantação e colheita, não só de algodão, mas também de soja e milho. Se o grafeno é 200 vezes mais resistente que o aço, queremos saber como ele pode solucionar alguns problemas mecânicos”, diz o diretor.

    Química e Derivados, Esponja de grafeno é tão leve que não danifica uma flor

    Esponja de grafeno é tão leve que não danifica uma flor

    Marcio Portocarrero explica que a quebra dos equipamentos causa muitos prejuízos aos agricultores. “Uma colheitadeira, por exemplo, custa cerca de R$ 2 milhões. Se ela para no meio da produção, não há como pagar o investimento. As peças das máquinas sofrem muitos desgastes e, para trocá-las, às vezes se leva até 10 dias para receber uma sobressalente, prejudicando a atividade na lavoura”, argumenta.

    Segundo ele, o desgaste natural e a corrosão das peças provocada pelo ambiente agressivo são os principais defeitos dos equipamentos. “No encontro que tivemos na beneficiadora de algodão da fazenda, mostramos os problemas e solicitamos que os cientistas nos enviassem uma avaliação sobre a aplicabilidade do grafeno para tornar as máquinas mais resistentes. Posteriormente, vamos convidar os fabricantes para discutir a possibilidade de investir numa solução tecnológica com o grafeno. Se eles concordarem, esses projetos deverão ser encaminhados, dentro de um ano, para buscar fomento junto às instituições públicas ou privadas”. Segundo o diretor da Abrapa, a inovação contribuirá também para tornar os equipamentos mais leves, reduzindo o consumo de combustível dos motores a diesel.

    E quanto vai custar isso? “Ainda não temos um custo para transformar um protótipo em realidade comercial, mas estou certo de que se fizermos a troca dos componentes, haverá um grande diferencial na tecnologia usada hoje no campo”, comentou Portocarrero.

    Desafio presente – A popularidade do grafeno no mundo científico chamou a atenção dos produtores dos principais países do mundo. Na China, nada menos do que 2.200 patentes de produtos com grafeno já foram registradas. Os Estados Unidos já contam com 1.754 e a Coreia do Sul com 1.160. No Brasil, a corrida pelo grafeno começou nos laboratórios das universidades há 10 anos. Pesquisadores brasileiros buscam apoio da indústria para desenvolver uma nova cadeia produtiva de valor, ancorada no grafeno e voltada à alta tecnologia. O desafio é hercúleo já que, ao contrário dos países desenvolvidos, onde a parceria entre universidade e empresa está consolidada, aqui os obstáculos ainda são muito grandes, principalmente no que refere a financiamentos para realização de projetos, quase sempre dependentes de aportes governamentais.

    Considerando que o Brasil não vive seu melhor momento político e econômico, alguns planos ousados de se produzir no país maravilhas como tecidos inteligentes, celulares flexíveis ou baterias que duram cinco vezes mais, poderão ser adiados, ad aeternum.



    Recomendamos também:








    4 Comentários


    1. vanessa

      BOM DIA !!!

      TENHO CAPACIDADE DE FORNECER O GRAFENO, ATÉ 50 TONELADAS POR MES.TENHO A TERRA LEGALIZADA. CASO SE INTERESSEM , ME CONTACTEM.


    2. vanessa favarin

      tenho capacidade de fornecer 50 toneladas de grafeno Mes , mas preciso que me financiem , pois , preciso de investimento para a extração. como maquinários, enfim , toda uma logística para eu poder extrair. tenho a terra legalizada. mas preciso de patrocínio, assim eu ganho e quem patrocinar ganhara mais ainda.


    3. José Francisco Couto Pinto

      A pesquisadora paulista que desenvolveu um excelente trabalho sobre o Grafeno, expôs sua pesquisa para um grupo de cientistas em Londres, o qual foi bastante elogiado. De volta ao Brasil, estava em falta material de pesquisa no laboratório. Resultado: hoje ela está trabalhando na Inglaterra.A pesquisadora brasileira Nádia Aiad, ganhou o premio
      anual da Sandvick, tambem com seu trabalho sobre o grafeno.Enquanto isso foi eleita a MULHER DO ANO NO BRASIL UMA TAL DE ANITA. .Pooode.A China ja registrou 2.200 patentes com a utilização do Grafeno e os EEUU.1754 . E o Brasil que tem por volta de 50.000.000 de toneladas de Grafite, até agora NADA.Naturalmente vamos ex-
      portar o minério, como sempre


    4. José Luis Marques

      O governo tem que ri tm que priorizar estás BN pesquisa sobre o Grafeno



    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *