Glicerina: Novas aplicações

Crescimento do biodiesel provoca inundação no mercado de glicerina, incentivando a descobrir novas aplicações

O desenvolvimento atabalhoado da produção de biodiesel no Brasil vitimou o mercado de glicerina.

O excesso de oferta derrubou os preços do triálcool e forçou os produtores do subproduto do biodiesel a aceitar propostas indecorosas para esvaziar seus tanques por meio de exportações.

Felizmente, estão sendo desenvolvidos vários processos químicos e aplicações para absorver esses excedentes, valorizando-os.

Ao mesmo tempo, os usuários passaram a perceber as diferenças qualitativas entre os produtos obtidos pelos processos tradicionais de hidrólise e saponificação dos obtidos da transesterificação com metanol, atribuindo a eles preços diferenciados.

A maior possibilidade de consumo de glicerina que está em estudos consiste na produção de propeno “verde”, para ser polimerizado em polipropileno.

Essa resina terá fonte renovável, característica que lhe assegurará um prêmio no preço final de venda.

Essa ideia surgiu na Quattor, que buscou apoio no Instituto de Química da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IQ-UFRJ) e está em etapa piloto, com expectativa de iniciar logo a fase semi-industrial.

Anunciado com estardalhaço e pouco rigor de planejamento, o Programa Nacional de Biodiesel alcançou as metas previstas, até mesmo antecipando-as.

A partir de 1º de julho, o diesel vendido nos postos de abastecimento no Brasil terá 4% de biodiesel (a mistura B4), etapa programada para entrar em vigor apenas no próximo ano.

A antecipação aumentará a demanda do biodiesel puro em cerca de 400 milhões de litros por ano. Dessa forma, o consumo nacional de biodiesel puro (B100) passará dos atuais 1,5 bilhão de litros para quase 1,9 bilhão de litros/ano.

Segundo a Agência Nacional de Petróleo (ANP), a demanda estimada será de 1,72 bilhão de litros, para um consumo de diesel de 43 bilhões de litros.

Ainda assim, a capacidade instalada do éster passa de 3,5 bilhões de litros.

A alta ociosidade e o fraco desempenho econômico mantêm várias usinas hibernando ou paralisadas.

No final de junho, a ANP anunciou que a mistura B5 será implementada em 2010, três anos antes da previsão original. Ou seja, mais glicerina chegará ao mercado.

O programa do biodiesel começou em 2005, sem contar com especificações oficiais nem com uma diretriz quanto às matérias-primas a processar.

Até a discussão sobre a rota metílica ou etílica foi ignorada inicialmente, com a atual preferência pela primeira.

Hoje, a soja representa 85% da matéria-prima consumida e o restante é obtido principalmente de gorduras animais.

O planejamento, falho do berço, também deixou ao relento a glicerina.

A produção de cada 90 metros cúbicos de biodiesel é acompanhada por 10 m3 de glicerina pura.

Dessa forma, considerando a mistura B4, em um ano serão produzidos 1,9 milhão de m3 de biodiesel e 210 mil m3 de glicerina.

Ou, aproximadamente, 260 mil toneladas a procurar um destino. Esse número é teórico, saliente-se.

Há perdas a considerar, além do fato de parte da glicerina de biodiesel ser consumida na forma de energia nas próprias usinas.

Além disso, também ocorrem lançamentos criminosos nos cursos d’água, como já se verificou nos estados do Ceará e da Bahia.

Química e Derivados, Felipe Camargo, Unidade de negócios de soapstock e acid oils da Aboissa Óleos Vegetais, Glicerina
Felipe Camargo: glicerina pode gerar dano ambiental

“Estima-se que o Brasil tenha uma produção de 250 mil t/ano de glicerina loira de biodiesel, em um ambiente de consumo da mistura B3”, comentou Felipe Camargo, responsável pela unidade de negócios de soapstock e acid oils da Aboissa Óleos Vegetais.

Essa glicerina carrega grande quantidade de água, cuja remoção provoca perdas de até 30% de volume. “Calculamos um excedente disponível de 125 mil t/ano de glicerina bidestilada de biodiesel no mercado nacional”, disse.

O mercado tradicional de glicerina no Brasil teve um comportamento conservador nos últimos anos.

Dados da Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim) registram a demanda nacional entre 35 mil e 40 mil toneladas (da bidestilada, com 99,5% de pureza mínima), atendida pela ocupação parcial de uma capacidade produtiva entre 55 mil e 60 mil t/ano.

Essa glicerina, obtida de sebo ou óleos vegetais, sempre foi direcionada para a indústria de alimentos, cosméticos e produtos farmacêuticos, mas também tem clientes na produção de fumo e, dependendo dos preços, na indústria de tintas.

“A indústria de tintas sempre foi um comprador ocasional de glicerina; agora está usando mais porque o preço compensa”, comentou Arigo Guido Miotto, gerente de vendas da Indústria Agroquímica Braido, produtora há mais de cinquenta anos de glicerina e ácidos graxos pela hidrólise de gorduras de origem animal.

“Para nós, esse mercado era apenas eventual, nossos maiores clientes são da indústria farmacêutica, que trabalha com especificação USP [United States Pharmacopea.”

Miotto explicou que, embora a glicerina obtida nos processos de hidrólise ou de saponificação tenha características diferenciadas, a entrada do subproduto do biodiesel provocou uma queda geral das cotações. “São coisas diferentes, mas o mercado acaba por nivelar por baixo os preços”, disse.

Desde 2007, quando começaram a aparecer os primeiros lotes de glicerina de biodiesel, as cotações despencaram de R$ 4 para R$ 0,80 por kg. Segundo informou, desde maio as cotações voltaram para perto de R$ 1,80/kg.

O melhor: a glicerina bidestilada grau USP está sendo reconhecida pelos clientes como produto superior, fazendo jus a uma remuneração mais alta. “Com os preços baixos demais, alguns produtores deixaram de atuar no mercado.”

A Braido processa apenas gorduras animais coletadas em quatro mil pontos, geralmente açougues e frigoríficos no estado de São Paulo.

Química e Derivados, Daniel Guimarães, coordenador de qualidade da Braido, Glicerina
Daniel Guimarães: hidrólise de sebo alcança grau USP

“São resíduos de produtos que passaram pela inspeção sanitária e foram aprovados para consumo humano”, salientou Daniel Guimarães, coordenador de qualidade da companhia.

Essas gorduras são colocadas em um reator onde sofrem cisão por hidrólise a alta pressão (23 bar) e alta temperatura (220ºC). Do reator saem a água doce, rica em glicerina, e os ácidos graxos (esteárico e oleico) que são enviados para separação.

Os principais produtos da Braido são os ácidos graxos, mas a glicerina a 40%-50% vai para destilação, seguida de clarificação e de nova destilação, chegando à pureza mínima de 99,5%.

“Estamos produzindo consistentemente entre 99,7% e 99,8%”, afirmou Guimarães. Essa glicerina atende aos requisitos USP.

“A tendência é diferenciar as glicerinas, com faixas de preços diferentes”, afirmou Eduardo Oliva, coordenador da área de óleos vegetais e produtos fracionados da Uniamerica.

“A glicerina de biodiesel carrega resíduos de metanol e outros produtos e não deveria ser usada em alimentos, cosméticos e medicamentos.”

As aplicações industriais podem aceitar produtos com teores de glicerol mais baixos, entre 90% e 98%, porém a presença de contaminantes pode interferir na coloração.

Segundo Oliva, a exportação de glicerina foi uma solução adotada por muitos produtores de biodiesel, cujos tanques estavam lotados de glicerina nos últimos meses de 2008.

Química e Derivados, Eduardo Oliva, Coordenador da área de óleos vegetais e produtos fracionados da Uniamerica, Glicerina
Eduardo Oliva: soluções para produtor interessado em exportar

“Só com a participação da Uniamerica foram vendidas vinte mil toneladas de glicerina para a China entre dezembro e junho deste ano”, informou.

A empresa faz a aproximação entre vendedores e compradores, além de oferecer suporte logístico para as operações.

“Oferecemos uma solução completa para as duas pontas da cadeia.”

Ele informou que os compradores exigem teor de glicerol acima de 80% e baixos índices de metanol residual.

Ele adverte, porém, que os estoques das usinas já estão baixos novamente, fato que contribui para elevar as cotações.

Os preços em São Paulo também subiram por conta da paralisação de uma grande saboaria, por motivos técnicos. Segundo Oliva, a cotação de meados de junho de R$ 1,80/kg tende a subir para R$ 2.

“Porém, o custo de extração e destilação da glicerina está próximo disso”, calculou.

Outra diferenciação de mercado se relaciona com a matéria-prima usada para a obtenção da glicerina.

“Atualmente, a glicerina de origem vegetal consegue melhor preço, por conta do apelo ambiental”, informou Oliva.

Os preços mais altos são pagos pela glicerina com certificado Kosher, para uso em produtos alimentícios da comunidade judaica

“A glicerina Kosher é muito valorizada, mas sua demanda é pequena, tanto que deve existir um ou dois produtores no Brasil, no máximo”, disse Felipe Camargo, da Aboissa.

Mesmo a produção de glicerina vegetal é restrita, porque os produtores não querem dispensar o uso eventual de gorduras animais.

Camargo confirma a redução de estoques da glicerina loira de biodiesel, mas adverte que a entrada da mistura B4 acelerará a sua recomposição.

“A glicerina pode se tornar um problema ambiental, caso não se encontrem aplicações viáveis para ela”, afirmou.

O resíduo da transesterificação, chamado de glicerina bruta, não tem mercado porque contém muita água (quase 60%). São poucas as usinas equipadas com unidades de destilação.

“Mesmo assim, a água que sai do destilador também precisaria ser tratada antes do descarte”, afirmou

O especialista da Aboissa informou que vários produtores de biodiesel estão investindo em destilarias de glicerina para valorizá-la. “Uma opção é arrendar instalações desativadas de fábricas de sabonete ou similares, capazes de separar a água da glicerina”, disse.

O mercado mundial de glicerina está equilibrado, principalmente com o crescimento da demanda de produtos cosméticos, ainda longe de qualquer crise.

Além disso, a queda de demanda de combustíveis reduziu a oferta do derivado de biodiesel, aliviando a pressão, especialmente na Alemanha.

A Malásia concentrou sua produção de glicerina de óleo de palma nos produtos mais valorizados, com todas as certificações, alcançando preços de US$ 697/t CIF Santos-SP.

O maior consumidor mundial é a China, que enxugou o mercado. “Os chineses fecharam contratos de suprimento até o fim do ano, embora os preços não sejam exatamente maravilhosos”, informou.

A Aboissa atua como representante no Brasil e no exterior da glicerina bidestilada, mediante contratos. Na loira, atua como broker, em operações spot e sem exclusividade.

Usos imediatos – O excedente de glicerina de biodiesel provoca a criatividade de vários setores industriais.

A indústria de tintas foi a primeira a intensificar o consumo do material para a produção de resinas alquídicas ou como reticulante, disputando a aplicação com o conhecido pentaeritritol sintético.

Também há comentários de substituição de polióis sintéticos pelo triálcool.

“Os usos nas tintas comportariam de 20% a 30% da loira bidestilada produzida no Brasil”, calculou Camargo. “Mas há fabricantes desse setor que preferem usar a bidestilada, mesmo sendo mais cara.”

Camargo também aponta aplicações mais imediatas da glicerina a 80%.

“Nos EUA, essa glicerina é usada como plastificante para concreto bombeado, ou pode ser aplicada como fluido para perfuração de poços de petróleo”, comentou.

Uma aplicação que foi estudada é o uso como componente energético em rações animais, desaconselhado por Camargo, por causa dos resíduos de metanol, condenados pelas políticas de boas práticas de produção (GMP).

“As saboarias têm a opção de deixar a glicerina na massa do sabão/sabonete, ou destiná-la para outros produtos da linha fabril, evitando separá-la para venda a baixo preço”, comentou Oliva, da Uniamerica.

Um uso possível é a substituição do sorbitol como adoçante na produção de alimentos, mas isso se restringe às glicerinas de alta qualidade e certificadas.

A glicerina também motivou as universidades nacionais a desenvolver pesquisas de novas aplicações.

A Universidade Federal da Paraíba, por exemplo, estuda a produção de substâncias bioativas, como antibióticos, analgésicos e leishmanicidas com base na glicerina.

A Universidade Federal do Paraná estuda a obtenção de plastificantes para PVC utilizando o mesmo material.

O Instituto de Química da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IQ-UFRJ) montou um grupo de pesquisas em biodiesel que também se dedica ao aproveitamento da glicerina, atento ao crescimento da oferta desse subproduto, sob a coordenação do professor dr. Cláudio José A. Mota.

Por conta desses estudos, a UFRJ foi convidada pela Quattor para criar um processo químico para converter a glicerina de biodiesel em propeno apto à polimerização. Essa pesquisa rendeu duas patentes, do processo e do catalisador, das quais a universidade e a empresa são coproprietárias em condições paritárias.

“Os resíduos de biodiesel são um problema imediato para o qual precisamos encontrar soluções”, salientou Mota. Esse problema não se restringe ao Brasil, pois a Argentina conta com uma boa produção do combustível verde, bem como a Bolívia.

“Temos recebido consultas de vários produtores do Brasil e da região sobre isso.”

Com base em estudos e investigações do IQ-UFRJ, ele aponta várias alternativas para os excedentes de glicerina. Em um primeiro momento, devem ser incentivados os usos imediatos, que dispensem maiores transformações do material, ou seja, exijam pouco investimento.

Porém, eles agregam pouco valor à glicerina e tendem a ser deixados de lado em favor de alternativas mais rentáveis.

É o caso da incorporação a rações animais.

“Os resíduos de metanol e outros contaminantes podem ser um problema”, adverte. Outra possibilidade é a injeção da glicerina em poços de petróleo para aumentar a recuperação de óleo em campos maduros, objeto de pesquisas nas universidades da Bahia.

“Nesse caso, a produção da glicerina deve estar muito próxima dos poços para que o custo de transporte não onere demais a operação”, considerou.

Outra possibilidade é a fermentação da glicerina para a obtenção de biogás, permitindo que as usinas de biodiesel se tornem autossuficientes em energia.

“Aqui, as dificuldades são o tamanho das instalações e o destino do lodo residual”, avaliou.

A queima de glicerina parcialmente desidratada em caldeiras para gerar vapor é desaconselhada pelo pesquisador.

A alcalinidade residual da transesterificação (feita com o auxílio do catalisador metilato de sódio ou da soda caústica) é neutralizada com ácidos, resultando na formação de sais dissolvidos.

Lançados com a glicerina nas caldeiras, podem se incrustar nas paredes e encurtar a vida útil do equipamento.

“Além disso, a queima da glicerina pode formar acroleína, substância muito tóxica”, alertou o professor.

A acroleína é um intermediário para o ácido acrílico, e pode ser obtida industrialmente pela desidratação e oxidação do glicerol, empregando catalisadores ácidos.

“O desafio que se propõe à pesquisa reside na criação de catalisadores bifuncionais, capazes de desidratar seletivamente o glicerol a acroleína e oxidá-la imediatamente, formando o ácido acrílico em uma só etapa”, comentou Mota.

Ele salientou que o Brasil importa ácido acrílico e seus derivados (acrilatos e polímeros superabsorventes), não tendo produção local. Outros produtos que podem ser obtidos pela oxidação do glicerol são a di-hidróxi-acetona, aplicada nas formulações de protetores solares, e o ácido hidróxi-pirúvico.

Mota informou que estão sendo desenvolvidos estudos no Brasil e no exterior para a produção de gás de síntese (CO + H2) aproveitando o glicerol como insumo.

Com isso, seria possível produzir hidrocarbonetos na faixa do diesel e da gasolina de fonte renovável, por meio do processo de Fischer-Tropsch. Células a combustível também poderiam aproveitar o hidrogênio para geração de energia.

“Também existe a possibilidade teórica de converter cada glicerol em três moléculas de metanol e, assim, fechar o ciclo completo do biodiesel, hoje abastecido de metanol petroquímico”, explicou. Isso exigiria contar com suprimento barato de hidrogênio.

O pesquisador pede atenção ao uso do glicerol como base para a produção de ésteres, éteres e acetais com aproveitamento como aditivos para a gasolina, diesel e ao próprio biodiesel.

“O banimento do MTBE nos Estados Unidos estimula a desenvolver outros aditivos oxigenados que o substituam”, disse.

Ele explicou que a glicerina não é miscível à gasolina e ao diesel, exigindo a conversão em derivados adequados, cujo mercado potencial foi calculado por Mota em 7 milhões de t/ano em equivalente de glicerina.

Da reação do glicerol com isobuteno, saem éteres para aditivação do diesel e do biodiesel. Ainda precisa de mais estudos a obtenção de aditivos pela reação de álcoois primários (como o etanol) com o glicerol, de modo que forneça aditivos de fonte renovável.

Acetais e cetais da glicerina também servem como aditivos para combustíveis, segundo Mota, melhorando a sua fluidez e reduzindo a emissão de particulados. Acetatos de glicerol (acetinas) podem ser adicionados ao biodiesel, com vantagens.

“Cada um desses aditivos melhora propriedades específicas de cada combustível, podem aumentar a octanagem da gasolina em até dois pontos, mesmo sem adição de etanol, ou reduzir a formação de goma da gasolina”, comentou.

Mota também explicou que a estrutura dos éteres e dos acetais pode ser modificada para gerar melhoradores de fluidez para biodiesel, muito úteis no caso dos derivados de sebo ou de óleo de palma, que podem se solidificar em dias mais frios. “Eles abaixam o ponto de fluidez em cinco graus no éster obtido de sebo”, disse.

A química da glicerina também permite desenvolver aditivos antioxidantes para o biodiesel, hoje obtidos por rotas petroquímicas e considerados como especialidades dominadas por poucos produtores mundiais.

“Uma planta de antioxidantes não seria grande, nem muito complexa, e poderia ficar ao lado das usinas do biodiesel, exigindo apenas um reator, os reagentes e catalisadores adequados”, explicou.

Haveria a vantagem de estocar e escoar o aditivo já misturado ao éster, com ganho logístico. Essa aplicação ainda depende de uma avaliação de desempenho e da aprovação da ANP.

Mota teme que o aditivo seja identificado como glicerina associada nos testes padronizados de qualidade do órgão, que precisariam ser revistos.

O biodiesel no Brasil ainda é uma novidade. O aproveitamento da glicerina, mais ainda. Isso implica a necessidade de pesquisas em vários campos, desde os processos produtivos iniciais.

“Todos os experimentos que conduzimos na universidade tomam por ponto de partida o glicerol puro, ainda é preciso estudar a purificação de glicerina”, exemplificou. O custo da purificação poderá, eventualmente, tornar inviável uma ou outra alternativa descrita.

Mota observa, também, que o processo produtivo do biodiesel em evolução. “Ainda temos muito para avançar, por exemplo, em catálise heterogênea e linha de operação contínua”, comentou. “Esses avanços terão reflexos na qualidade da glicerina.”

Ele participa da Rede Brasileira de Tecnologia de Biodiesel, que congrega várias universidades e institutos de pesquisa do país sob a coordenação do Ministério de Ciência e Tecnologia, com o objetivo de traçar planos de pesquisa e elaborar uma política tecnológica para a atividade. Essas diretrizes orientam a concessão de verbas do CNPq, por exemplo.

Está programado para novembro o Congresso Anual da rede, que deverá abrir espaço para as empresas do setor. “Queremos atrair as produtoras de biodiesel para a discussão e podemos tê-las também como palestrantes”, informou Mota.

Propeno verde absorverá excedentes

O aproveitamento de recursos renováveis para a produção de resinas termoplásticas deve ganhar o reforço da Quattor em alguns anos. A empresa pretende iniciar a produção comercial de polipropileno feito de propeno derivado do glicerol, a partir de 2012.

A tecnologia foi desenvolvida em parceria com a UFRJ e está atualmente em fase piloto, que permitirá coletar dados durante este ano. Essas informações serão úteis para montar a unidade semi-industrial em 2010, com capacidade entre 5 mil e 10 mil t/ano.

A ideia nasceu na companhia. Entre várias propostas de desenvolvimento de produtos, uma delas chamou a atenção: a fabricação de glicerina sintética, partindo do propeno.

Química e Derivados, Pedro Geraldo Bôscolo, Gerente de tecnologia da Quattor, Glicerina
Pedro Geraldo Bôscolo: planta para 100 mil t por ano deverá partir em 2012

“Ficamos pensando se era viável fazer o caminho inverso: fazer o propeno partindo da glicerina; e propusemos uma pesquisa à UFRJ, com quem já tínhamos uma parceria”, relatou Pedro Geraldo Bôscolo, gerente de tecnologia da Quattor.

O projeto foi coordenado pelo pesquisador do IQ-UFRJ dr. Cláudio José A. Mota, que verificou a sua viabilidade técnica, porém entendeu ser necessário aprimorar o processo em duas etapas (hidrogenólise para 1,3 propanodiol e a posterior conversão a propeno) para fazer tudo em uma etapa única, usando catalisadores. Isso resultou nas patentes do processo e do catalisador.

“O processo funcionou muito bem no laboratório, mas ainda precisaremos resolver alguns detalhes que venham a aparecer durante o scale up”, disse Mota.

“O processo patenteado se revela mais eficiente que o das duas etapas”, comemora Bôscolo.

A Quattor planeja montar uma planta comercial capaz de gerar 100 mil t/ano de propeno de glicerina, escala considerada mínima para dar viabilidade ao investimento.

Para tanto, precisa garantir o suprimento de 260 mil t/ano de glicerina bidestilada, volume quase igual a toda a glicerina de biodiesel que será produzida no país nos próximos doze meses.

Além das usinas de biodiesel, Bôscolo considera outras fontes.

“A Abiquim registra uma produção nacional de glicerina ex-biodiesel de 35 mil a 40 mil t/ano, para uma capacidade instalada de mais de 50 mil t/ano, ou seja, existe ociosidade que podemos aproveitar”, considerou.

Além disso, ele também pretende contar com o aumento do processamento de gorduras animais, também fontes renováveis de glicerina, hoje subaproveitadas.

“Existem sobras de glicerina na Argentina e em outros países que poderiam ser nossos fornecedores.”

Bôscolo também conta com a evolução do programa nacional de biodiesel. Dada a capacidade ociosa de produção nacional, é fácil prever a antecipação das metas de incorporação ao diesel, chegando ao B8 até 2012. Importante é que o preço da glicerina não torne inviável o investimento.

“O polipropileno verde certamente terá um preço premium, mas não poderá ser totalmente descolado da realidade do mercado”, avaliou.

Ele aponta interessados em adquirir o produto nos setores de autopeças, cosméticos e produtos farmacêuticos.

Mota admite que o sucesso das alternativas para o uso de glicerina de biodiesel pode comprometer a sua disponibilidade.

“Com o aparecimento das alternativas, é de se prever uma saturação e com isso um aumento no preço da glicerina”, comentou. “Mas quem sair na frente terá vantagens.”

Bôscolo informou que até agora não foram feitos estudos sobre a purificação da glicerina para alimentar o processo, até pela falta de informações sobre suas exigências em alta escala.

“Pelo que pesquisamos até agora, essa purificação seria feita por processos já consagrados, usando equipamentos usuais, sem maiores dificuldades, e com custos adequados a instalações de grande porte”, explicou.

Uma vantagem do processo do propeno verde é a liberação de grande volume de água de boa qualidade.

Ela pode ser usada na etapa de polimerização ou vendida para consumidores próximos. Isso completa o ciclo, que começa com a captura do gás carbônico pelas plantas oleaginosas.

Um fator crítico para a unidade comercial é contar com grande suprimento de hidrogênio.

A Quattor dispõe do gás no polo petroquímico paulista e no complexo da Baixada Fluminense. Seria preciso firmar contratos de suprimento de glicerina e montar uma estrutura logística para ela. “A Petrobras movimenta um volume maior ainda de biodiesel, sem problemas”, comentou o gerente de tecnologia da Quattor.

A localização da planta comercial ainda não foi decidida. Nem a semi-industrial tem essa definição. Por enquanto, apenas o piloto está operando em Mauá-SP, junto ao laboratório de desenvolvimento da companhia.

“Ele é mais sofisticado que o reator da UFRJ, admitindo condições mais próximas das reais do processo, com temperaturas acima de 300ºC e pressão de 20 bar”, disse.

Até o momento, a pesquisa e o desenvolvimento do propeno verde representam investimento da ordem de R$ 2 milhões para a Quattor. O projeto contou com o apoio da Finep. Bôscolo admite que novos aportes financeiros devam ser feitos para se chegar ao processo definitivo.

Fora a rota glicerínica, a Quattor também estudou a possibilidade de produzir propeno verde pela combinação de etanol e butanol, e também mediante gás de síntese obtido de biomassa.

“Ambos são mais caros que a glicerina, que também é mais simples”, avaliou. Bôscolo ressalta a diferença entre a novidade e o aproveitamento de etanol para a produção de polietilenos.

“A tecnologia do álcool já é bem dominada, assim como a produção de eteno, que era feita no Brasil na década de 60 e 70 do século passado”, comentou.

A Quattor analisa a hipótese de produzir polietileno verde de etanol, dentro do seu planejamento estratégico.

Leia Mais:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.